Vídeo mostra manifestação contra o PT em 2013 na Avenida Paulista, não em 2022 em Salvador

Imagens foram registradas em protesto no dia 20 de junho de 2013 em São Paulo; manifestantes queimaram bandeira do PT, enquanto rejeitavam presença de partidos políticos nos atos

PUBLICIDADE

Por Clarissa Pacheco
Atualização:

Não foi gravado em Salvador, nem é de 2022, um vídeo que circula em grupos de WhatsApp e no Facebook e mostra um protesto em que apoiadores do PT são hostilizados e uma bandeira do partido é queimada. As imagens foram feitas em junho de 2013 na Avenida Paulista, em São Paulo, e não na capital baiana. Também não há relação entre as imagens e a eleição atual: o vídeo que se tornou viral nos últimos dias carrega uma legenda que diz que o Brasil "está acordando" e que "Salvador está botando pra quebrar", mesmo sendo a Bahia "um curral vermelho". A última pesquisa Ipec feita na Bahia e divulgada em 23 de setembro aponta Lula (PT) com 65% das intenções de voto no estado, contra 18% para Bolsonaro (PL).

 Foto: Estadão

PUBLICIDADE

O vídeo, de pouco mais de três minutos, mostra diversos elementos que indicam que os atos não são recentes, como os gritos de "abaixa a bandeira" e "sem partido". Durante as chamadas Jornadas de Junho, em 2013, manifestantes que iam às ruas rejeitavam a participação de partidos políticos durante os protestos, que eram justamente contra o governo federal - na época, a presidente era Dilma Rousseff (PT). Além disso, aparecem no vídeo cartazes com algumas das pautas da época, como mais verba para a educação. Também é possível ver manifestantes com o rosto parcialmente coberto ou usando a máscara do personagem V, da HQ V de Vingança, que se tornou símbolo dos atos de quase dez anos atrás.

Outro indício de que o vídeo não foi feito em Salvador é o cenário da manifestação. Aos 2:01, é possível ver uma placa luminosa ao fundo do Banco Safra. No entanto, Salvador só possui uma agência do banco em via pública, que fica na Avenida Estados Unidos, bairro do Comércio, e não há uma placa luminosa como a que aparece no vídeo. O local onde a manifestação ocorre é bem diferente do lugar onde fica a agência do Banco Safra em Salvador.

Placa luminosa do Banco Safra aparece à direita no vídeo viral, feito em São Paulo. Imagem: Reprodução Foto: Estadão

Agência do Banco Safra em Salvador, no bairro do Comércio; é a única agência da cidade em via pública, a outra fica em um shopping. Imagem: Google Street View Foto: Estadão

Vídeo postado há nove anos

O Estadão Verifica fez uma busca reversa (veja como usar essa ferramenta) por frames do vídeo que mostram uma bandeira sendo queimada e encontrou conteúdos postados no YouTube e notícias sobre manifestações feitas em junho de 2013. Um dos vídeos foi postado no dia 21 de junho de 2013. Na legenda, o responsável pelo post diz que as imagens foram feitas no dia 20 de junho na Avenida Paulista. As imagens não são iguais às do post investigado, mas parecem ser feitas do mesmo local: em um momento do vídeo, uma pessoa ergue o mastro de uma bandeira vermelha em chamas, exatamente como no vídeo que viralizou. O vídeo tem a marca do G1, o que também contraria as legendas do vídeo viral que afirmam que as imagens não passaram e não irão passar na imprensa.

Bandeira vermelha aparece sendo queimada em vídeo falsamente atribuído a Salvador. Imagem: Reprodução Foto: Estadão

Vídeo postado no YouTube em 21 de junho de 2013 mostra a mesma cena de ângulo próximo. Imagem: Reprodução Foto: Estadão

Outro vídeo postado no YouTube, este em 22 de novembro de 2017, tem 19 minutos e alguns trechos com imagens idênticas ao conteúdo investigado. O vídeo foi publicado por uma página de direita com o título: "Veja como tudo deu início: PT expulso da Paulista!!". Um texto escrito sobre a imagem diz que o vídeo é de junho de 2013 na Avenida Paulista. No início das imagens, aparece uma referência a uma conta chamada Santosfc.tv.

O vídeo original foi postado pela conta em 22 de junho de 2013, com a seguinte legenda: "Encerrando a trilogia, o clima ficou tenso na Paulista. 20/6/2013. Manifestantes e membros de partidos políticos entraram em confronto". O vídeo não está mais disponível, mas foi salvo pela plataforma WayBack Machine e pode ser visto aqui.

Publicidade

O momento em que os manifestantes do PT ficam frente a frente com o grupo contrário à participação de partidos políticos nos atos também aparece nesse vídeo de 20 de junho de 2013, identificado como o sétimo dia de manifestações. O Estadão Verifica buscou por notícias sobre o sétimo ato e encontrou esta matéria publicada no site da revista Veja, com uma foto em que aparecem um mesmo grupo de manifestantes do vídeo.

Manifestantes que aparecem em trecho do vídeo são os mesmos em foto publicada pela Veja. Imagem: Reprodução Foto: Estadão

Este conteúdo também foi verificado pela Lupa, Reuters e AFP Checamos


Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.