PUBLICIDADE

A intrigante história real de Keir Starmer, novo primeiro-ministro do Reino Unido

Keir Starmer tem raízes na classe trabalhadora, defendeu anarquistas veganos como advogado e foi anti-monarquista na juventude, mas sua verdadeira face anda é um enigma para muitos

PUBLICIDADE

Por William Booth (The Washington Post) e Karla Adam (The Washington Post)

LONDRES — Ele era um advogado de esquerda que defendeu anarquistas veganos antes de processar terroristas em nome da coroa britânica. Ele foi editor de uma revista trotskista na juventude, ainda assim agradou aos capitalistas ao colocar a “criação de riqueza” no coração da plataforma do Partido Trabalhista este ano. Ele era um anti-monarquista que foi agraciado pelo então Príncipe Charles como “Sir Keir” e agora se encontrará com o rei uma vez por semana.

PUBLICIDADE

Tudo isso compõe uma história complexa, confusa e real. Também torna difícil antecipar que tipo de primeiro-ministro Keir Starmer será. Um de seus biógrafos confessou que Starmer é “difícil de definir” — e ele teve acesso total ao seu biografado.

Starmer, 61, usou essa ambiguidade a seu favor. As pessoas foram capazes de projetar nele aquilo em que queriam acreditar. Durante muito tempo, ele até se beneficiou do rumor de que era a inspiração para o personagem advogado de direitos humanos sofisticado Mark Darcy (interpretado pelo ator Colin Firth) nos livros e filmes de “Bridget Jones”. (Ele não era.)

O líder do Partido Trabalhista britânico Keir Starmer, discursa em Londres após a vitória histórica Foto: Kin Cheung/AP

Ser muitas coisas para muitas pessoas pode ter ajudado Starmer a obter uma grande vitória na quinta-feira. Seu Partido Trabalhista, social-democrata e de centro-esquerda, está voltando ao poder depois de 14 anos no deserto político, ao mesmo tempo em que os eleitores baniram os conservadores para a oposição.

Mas qual é, de fato, o mandato de Starmer, além de seu evidente slogan de campanha “Change” (Mudança)? Em uma pesquisa da Ipsos no mês passado, metade dos entrevistados disse que não sabia o que ele representava.

Starmer não deu entrevistas à imprensa estrangeira durante essa eleição. Isso é típico de líderes partidários britânicos. Mas colegas próximos também o consideram um “homem muito reservado”. Ele tem uma esposa, Victoria, e dois filhos adolescentes, cujos nomes ele nunca tornou públicos, e um gato, cujo nome ele estava disposto a revelar como Jojo. Ele expressou preocupação com o impacto que a mudança para Downing Street terá sobre sua família.

Ele não é um político de destaque. Como orador, não é nenhum Winston Churchill. Mas seus amigos dizem que ele pode ser implacável, talvez o que um Reino Unido claudicante precise.

Publicidade

“Ele é muito, muito determinado, bastante implacável”, disse Tom Baldwin, jornalista e ex-médico do Partido Trabalhista, que recentemente publicou uma biografia bem recebida de Starmer. “Ele tem uma visão exagerada de sua capacidade de promover mudanças. Ele não vai inspirar as pessoas com grandes discursos. O que ele pode fazer é consertar as coisas”.

As raízes da classe trabalhadora de Starmer

Starmer será o líder da classe mais trabalhadora do Reino Unido em uma geração - chegando depois de um primeiro-ministro que, segundo alguns cálculos, era mais rico do que a realeza.

Na trilha da campanha, Starmer se apresentou dizendo: “Minha mãe era enfermeira, meu pai era ferramenteiro”. Ele falou sobre o fato de ter crescido com contas atrasadas e o telefone cortado. Macarrão “era uma comida estrangeira” em sua casa, escreveu seu biógrafo Baldwin. A família não viajava para o exterior.

Starmer tirou boas notas em suas provas e conseguiu entrar em uma escola de ensino médio de elite. Ele foi o primeiro de sua família a frequentar uma universidade - Leeds, e depois um ano em Oxford.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Ele disse que quer ajudar famílias jovens a obter a primeira hipoteca, sabendo que a modesta casa geminada de seus pais “era tudo para minha família - ela nos deu estabilidade, e acredito que toda família merece o mesmo”.

Ele cita o trabalho de sua mãe como enfermeira e os cuidados que ela recebeu por causa de uma síndrome inflamatória debilitante, para demonstrar sua reverência pelo Serviço Nacional de Saúde (NHS) do Reino Unido. Sua esposa também trabalha para o NHS, na área de saúde ocupacional, o que, segundo Starmer, lhe deu uma “visão” das dificuldades do sistema subfinanciado e cheio de atrasos.

Starmer diz que seu pai se sentia “muito desrespeitado” por trabalhar em uma fábrica e que era emocionalmente distante. Como pai, Starmer diz que tenta “reservar um tempo realmente dedicado para as crianças”. Ele tenta parar de trabalhar às sextas-feiras às 18 horas. Embora seja ateu, disse que costumam jantar no Shabat, em respeito à herança judaica de sua esposa.

Publicidade

Starmer como advogado

Colegas que conheciam Starmer antes de sua entrada na política dizem que pistas sobre como ele governará podem ser encontradas em seu extenso capítulo de vida como advogado.

Ele nunca foi um “advogado do júri” - o advogado cinematográfico que faz um argumento final apaixonado - mas um “advogado do juiz”, que constrói o caso com precedentes, leis e fatos. Quando ele representava a oposição durante as perguntas semanais do primeiro-ministro na Câmara dos Comuns, o estilo de Starmer era frequentemente descrito como “forense”. Seu interrogatório conseguiu desanimar até mesmo o bombástico Boris Johnson.

No início de sua carreira, Starmer ingressou na Doughty Street Chambers, conhecida por assumir grandes e controvertidos casos de direitos humanos. Ele lutou contra a pena de morte em países da Commonwealth - defendendo, como os tabloides disseram, “assassinos de bebês e assassinos seriais”. Ele fez parte de uma equipe jurídica que conseguiu que o Tribunal Constitucional de Uganda invalidasse as sentenças de todas as 417 pessoas no corredor da morte.

Starmer também trabalhou pro bono (sem pagamento) para dois anarquistas veganos que distribuíram panfletos acusando o McDonald’s de baixos salários, crueldade com animais e apoio ao desmatamento. A rede de fast-food o processou por difamação, e o caso e seus muitos recursos duraram uma década, uma das mais longas brigas jurídicas da história britânica. Terminou em uma espécie de empate.

O conhecido advogado de Londres, Mark Stephens, que trabalhou em casos com Starmer, disse que ele estava “sempre olhando 10 milhas a frente”, para ver como um caso aparentemente invencível poderia ser vencido em um recurso à Suprema Corte ou à Corte Europeia de Direitos Humanos.

Starmer surpreendeu - e incomodou - alguns de seus colegas advogados quando se tornou o principal promotor do país.

Ele supervisionou o primeiro processo britânico contra terroristas da al-Qaeda. Apresentou acusações contra políticos conservadores e trabalhistas envolvidos em um escândalo de despesas, revelado pela imprensa. Ele e seus promotores foram acusados de preconceito quando pediram penas duras nas prisões e acusações contra pessoas que se revoltaram em Londres depois que um homem negro chamado Mark Duggan foi morto a tiros pela polícia em 2011.

Publicidade

Seu título de cavaleiro veio em 2014, em reconhecimento ao seu trabalho para o Crown Prosecution Service (a Promotoria do Reino Unido). Na biografia de Baldwin, uma ex-parceira de Starmer, Phillippa Kaufmann, diz que “a lei nunca seria suficiente para ele”.

O Rei Charles III durante a audiência com Keir Starmer, na qual ele convidou o líder do Partido Trabalhista para se tornar primeiro-ministro e formar um novo governo Foto: Yui Mok/AP

Starmer como político

Starmer não entrou na política eleitoral até os 52 anos. Isso foi há apenas nove anos, em um país onde muitos membros do Parlamento começaram a planejar sua ascensão ao poder nos tempos de universidade.

Ele foi eleito para representar o distrito londrino de Holborn e St. Pancras em 2015 e atuou como “ministro-sombra” na oposição, recebendo a ingrata tarefa de negociar a posição instável do Partido Trabalhista sobre o Brexit.

Starmer era contra a saída da União Europeia, mas muitos eleitores trabalhistas de de classe média e da classe operária eram a favor. O compromisso inescrutável do partido era que ele não era nem a favor nem contra o Brexit, mas queria um segundo referendo. Essa postura duvidosa - do partido e de Starmer também - contribuiu para a perda avassaladora do Partido Trabalhista para os conservadores em 2019.

Mas depois dessa eleição, o líder trabalhista Jeremy Corbyn, marcado por defesas de uma esquerda radical e acusado de adotar um discurso por vezes antissemita, estava fora. Starmer era o novo líder, e se propôs a refazer o Partido Trabalhista.

Os críticos que foram derrotados por Starmer em brigas internas do partido o chamam de oportunista. Seus aliados atribuem a ele o mérito de ter expurgado membros que contribuíram para a sensação pública de que o Partido Trabalhista tinha “um problema de antissemitismo”. Starmer também se voltou para o centro para tornar o partido novamente elegível.

“O que Keir fez foi tirar toda a esquerda radical do Partido Trabalhista”, disse à BBC o empresário bilionário John Caudwell, anteriormente um grande doador do Partido Conservador. “Ele apresentou um conjunto brilhante de valores, princípios e maneiras de fazer o Reino Unido crescer em total alinhamento com minhas opiniões de capitalista comercial”.

Publicidade

O Partido Trabalhista destacou seu endosso.

Keir Starmer, líder do Partido Trabalhista, saúda simpatizantes ao lado de sua esposa Victoria em Londres Foto: Kin Cheung/AP

Starmer como primeiro-ministro

Os partidários de Starmer ousam esperar que ele seja um líder transformador - uma espécie de versão de 2024 do primeiro-ministro trabalhista Tony Blair, sem a bagagem da Guerra do Iraque - se ele não for arruinado pelas profundas divisões em seu próprio partido.

“Acho que ele provou que é bastante implacável em termos de mudanças em seu partido”, disse Tony Travers, especialista em política da London School of Economics. Mas será que essa crueldade será levada para o governo? “Teremos que esperar para ver”, disse Travers.

Em que Starmer acredita? “Ele acredita no pragmatismo, no desenvolvimento de políticas por meio da solução de problemas, não por meio de grandes teorias. E ele não vem para a mesa com pressuposições ideológicas”, disse Josh Simons, que dirigiu o think tank centrista Labour Together.

Starmer tem seus críticos no partido - exatamente pelo mesmo motivo. “Acho que, na verdade, ele representa muito pouco”, disse James Schneider, ex-diretor de comunicações estratégicas do think tank Labour Together e aliado de Corbyn.

“Ele parece refletir as ideias das pessoas que estão ao seu redor”, disse Schneider. “Ele mudou ou foi mudado cada vez mais para a posição do establishment”, e seu governo será uma tentativa de restaurar a autoridade do establishment, não de desafiá-la”.

Keir Starmer, então líder da oposição, discursa durante evento em 10 de maio Foto: Carlos Jasso/Reuters

“Ele parece um gerente repreendendo seus funcionários ou um padrasto impopular que perdeu o controle das crianças”, disse Schneider.

Publicidade

Os críticos da esquerda suspeitam que Starmer não será ousado, mas que se manterá em um meio-termo suave.

Grande parte de seu foco será a política doméstica - tentar sustentar a economia britânica e lidar com a sensação das pessoas de que os custos diários se tornaram incontroláveis. Ele quer reduzir os altos custos da eletricidade, com uma nova empresa estatal de serviços públicos ecológicos. Ele quer reduzir o tempo de espera para consultas médicas e odontológicas.

A política externa do Reino Unido quase nunca muda sob um novo governo, e Travers disse que ela permaneceria “inalterada” por uma mudança do governo conservador para o trabalhista. Starmer disse que o Reino Unido continuará sendo um membro forte da Otan; apoiará a Ucrânia em sua guerra contra a Rússia; e apoiará o direito de Israel de se defender contra o Hamas, ao mesmo tempo em que pede um cessar-fogo.

Embora o Brexit seja visto como um fracasso e não haja entusiasmo para outro referendo, o Reino Unido sob o comando de Starmer buscará um relacionamento mais próximo com a União Europeia.

Os críticos descreveram Starmer como chato. Ele não é. O mais interessante - para o Reino Unido e para o mundo - é o que ele fará agora, com seu partido e ele no poder.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.