Documento revela que Abraham Lincoln perdoou bisavô de Biden por briga com faca durante Guerra Civil

Grande fã do líder americano do século 19, democrata teve o bisavô envolvido numa agressão durante o confronto

PUBLICIDADE

Por David J. Gerleman*

Todo novo presidente dos Estados Unidos escolhe uma decoração personalizada para o Gabinete Oval de acordo com seus gostos e homenageia precursores admirados. O Gabinete Oval do presidente Joe Biden ostenta tanto um retrato quanto um busto de Abraham Lincoln. Mas a conexão de sua família com o 16º presidente se estende muito além da ornamentação do local de trabalho. Remonta a uma briga durante a Guerra Civil.

PUBLICIDADE

Na noite de 21 de março de 1864, a tranquilidade de um pequeno canto do acampamento de inverno do Exército do Potomac ao longo do Rio Rappahannock, perto de Beverly Ford, Virgínia, foi perturbada quando uma briga começou em uma das tendas de refeições entre os funcionários civis do Exército da União Moses J. Robinette e John J. Alexander.

A briga deixou Alexander sangrando por ferimentos de faca, e Robinette foi acusado de tentativa de assassinato e encarcerado em uma ilha remota perto do moderno Estado da Flórida. Isso também causaria uma interseção inesperada nas histórias de dois presidentes americanos, Lincoln e Biden - uma história que esperou 160 anos para ser contada. Robinette, que recebeu um perdão de Lincoln, era o bisavô de Biden.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, faz um discurso na frente de um retrato do décimo sexto presidente dos Estados Unidos, Abraham Lincoln, na Sala de Jantar Estatal da Casa Branca em Washington, DC, EUA, 06 de fevereiro de 2024 Foto: EFE/EPA/MICHAEL REYNOLDS

A linha ancestral de Joseph Robinette Biden há muito tempo foi estabelecida e lista Moses J. Robinette entre seus ancestrais paternos provenientes do oeste de Maryland, mas muito pouco já foi registrado sobre o homem. Os registros do corte marcial de Robinette, descobertos nos Arquivos Nacionais em Washington, mostram como a história do presidente atual está entrelaçada com a do homem que foi presidente no momento mais perigoso da história dos EUA.

Em 1861, Robinette tinha 42 anos, era casado e dirigia um hotel perto do cruzamento da Ferrovia Baltimore e Ohio em Grafton. Os sentimentos pró-União eram fortes nos condados montanhosos do oeste da Virgínia, que logo se separaram para formar o novo Estado da Virgínia Ocidental, para marcar diferença com os vizinhos separatistas.

À medida que a nação avançava para o conflito armado nessa primavera, ressentimentos latentes contra a elite política escravocrata dominante da Virgínia se inflamaram em desafio aberto após delegados do noroeste tentarem bloquear o movimento de secessão e serem expulsos da Convenção da Virgínia.

A Virgínia Ocidental se tornou um campo de batalha precoce à medida que ambos os lados lutavam para controlar a ferrovia. Tropas da União ocuparam Grafton em meados de junho de 1861 e expulsaram as forças confederadas da região dentro de seis meses. A família Robinette sofreu contratempos nos primeiros anos da guerra: a esposa de Moses, Jane, morreu, e seu hotel foi destruído, supostamente por soldados da União. Procurando segurança para seus filhos sobreviventes mais jovens, Robinette parece ter deixado a Virgínia e retornado à sua família estendida no Condado de Allegany.

Publicidade

Robinette foi contratado como cirurgião veterinário civil pelo Departamento de Intendência do Exército dos EUA no final de 1862 ou início de 1863. Ele foi designado para a artilharia de reserva do Exército do Potomac e encarregado de manter saudáveis os cavalos e mulas que puxavam os vagões de munição. Suas qualificações para o cargo, como alguém sem treinamento médico formal, não foram especificadas, mas tal nomeação não era incomum nos Exércitos da Guerra Civil. Poucas faculdades veterinárias existiam fora da Europa no século XIX, e o Congresso se recusou a autorizar a criação de um corpo veterinário oficial do exército até a Primeira Guerra Mundial.

Naquela noite de março perto de Beverly Ford, Alexander, um mestre de carroça de brigada, ouviu Robinette dizer algo sobre ele para a cozinheira e correu para a barraca da cantina para exigir uma explicação. Os ânimos se acirraram e Robinette puxou sua faca de bolso. Uma breve briga deixou Alexander sangrando de vários cortes antes que guardas do acampamento chegassem para prender Robinette.

Quase um mês se passou antes que o julgamento militar de Robinette começasse. As acusações especificavam que ele havia se embriagado e incitado “uma briga perigosa”, violando a boa ordem e a disciplina militar. Como uma arma desenhada estava envolvida, a agressão com “tentativa de matar” foi incluída entre as acusações.

Testemunhas descreveram Robinette como “cheio de diversão, sempre animado e brincalhão”, e os depoimentos variaram sobre se algum dos dois homens havia consumido álcool antes da briga começar. Segundo a transcrição do julgamento, Robinette declarou em suas considerações finais “que qualquer coisa que eu tenha feito foi feito em legítima defesa, que eu não tinha malícia em relação ao Sr. Alexander antes ou depois. Ele me agarrou e possivelmente poderia ter me ferido gravemente se eu não tivesse recorrido aos meios que usei”.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Os juízes militares não foram convencidos. No dia seguinte, eles renderam um veredicto unânime: culpado em todos os aspectos com a exceção de “tentativa de matar”. A punição foi de dois anos de encarceramento com trabalho árduo.

Após sua condenação, Robinette teve que esperar novamente quase três meses para seu caso passar pelos canais burocráticos do exército. Ocupado por operações militares ativas, o comandante do Exército do Potomac, General George G. Meade, não confirmou a sentença de Robinette até o início de julho, quando ele foi enviado para as ilhas Dry Tortugas, perto de Key West, Flórida.

As ilhas abrigavam o Fort Jefferson, uma gigantesca estrutura de tijolos projetada para proteger a costa sul e as rotas de navegação do Golfo do México. O aumento maciço nas forças dos EUA necessário para lutar na Guerra Civil fez com que o número de julgamentos e condenações militares aumentasse consideravelmente. Quando o espaço nas prisões do continente se esgotou, o Fort Jefferson se tornou uma prisão militar, uma descrita pelos opositores de Lincoln como “Sibéria americana”. Quando Robinette desembarcou lá, a população carcerária em crescimento contava com mais de 700 pessoas.

Publicidade

Por volta do momento em que Robinette chegou às Dry Tortugas, três oficiais do exército que o conheciam pediram a Lincoln que revogasse sua condenação. John S. Burdett, David L. Smith e Samuel R. Steel escreveram que a sentença de Robinette era excessivamente dura para “defender-se e cortar com um canivete um Teamster (trabalhador que é membro do International Brotherhood of Teamsters, um sindicato trabalhista da indústria do transporte de mercadorias), muito superior em força e tamanho, tudo sob o impulso da excitação do momento”.

Eles testemunharam que Robinette, desde o início da guerra, era “ardente e influente ... em se opor aos traidores e seus planos para destruir o governo”. A carta concluía com um floreio emocional: “Pense em suas filhas e filhos órfãos em casa! ... [Orando por] sua intervenção em nome do infeliz Pai ... e família aflita de amados Filhos e Filhas da União”.

A mensagem não foi diretamente para a Casa Branca, mas primeiro foi parar na mesa de Waitman T. Willey, um senador recém-eleito do estado recém-admitido de West Virginia. Ele endossou o apelo, chamando a punição de Robinette de “uma sentença dura no caso como foi relatado”. O secretário particular de Lincoln, John G. Nicolay, prontamente solicitou ao juiz-advogado geral, Joseph Holt, que enviasse um relatório e as transcrições do julgamento para revisão presidencial.

O relatório de Holt chegou no final de agosto, e Lincoln tomou sua decisão, escrevendo: “Perdão para a parte não executada da punição. A. Lincoln. 1º de setembro de 1864″. Pouco depois, o Departamento de Guerra emitiu a Ordem Especial nº 296, libertando Robinette da prisão. Após mais de um mês nas quentes Dry Tortugas, Robinette retornou à sua família em Maryland, onde voltou a ser agricultor. Ele viveu até o século XX, morrendo na casa de sua filha em 1903.

Embora seu breve obituário o tenha elogiado como um “homem educado e de realizações cavalheirescas”, nenhuma menção foi feita ao seu julgamento em tribunal marcial ou à sua breve conexão com Abraham Lincoln. Mas o fino maço de 22 páginas bem preservadas de sua transcrição do julgamento, discretamente espremido entre centenas de outros casos rotineiros do tribunal marcial nos Arquivos Nacionais, revela o elo oculto entre os dois homens - e entre dois presidentes ao longo dos séculos. Essas poucas páginas não apenas preenchem uma parte desconhecida da história da família Biden, mas também servem como um lembrete de quantas histórias da Guerra Civil ainda não foram contadas./WP

*David J. Gerleman é um historiador do século XIX, especialista em Lincoln e instrutor de história na Universidade George Mason em Fairfax, Virginia.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.