PUBLICIDADE

Biden pede que líderes de Egito e Catar pressionem o Hamas a concordar com a libertação de reféns

A guerra entre Israel e o grupo terrorista Hamas começou no dia 7 de outubro do ano passado; cerca de 100 reféns israelenses ainda estão no enclave palestino

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

WASHINGTON– O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, pediu na sexta-feira, 5, aos líderes do Egito e do Catar, que pressionassem o grupo terrorista Hamas para um acordo que permita a libertação dos reféns israelenses, de acordo com informações fornecidas por um funcionário do governo americano à AP, um dia depois de Biden ter telefonado ao primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, para redobrar os esforços para alcançar um cessar-fogo na guerra de seis meses em Gaza.

PUBLICIDADE

O funcionário, que falou sob condição de anonimato, disse que o conselheiro de segurança nacional de Biden, Jake Sullivan, se reunirá na segunda-feira, 8, com familiares de alguns dos estimados 100 reféns que ainda estão na Faixa de Gaza.

Biden enviou cartas ao presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sissi, e ao emir do Catar, o xeque Tamim bin Hamad Al Thani, em meio às negociações para a libertação dos reféns que devem ocorrer neste final de semana no Cairo. O democrata despachou o diretor da CIA, William Burns, à capital do Egito para participar das conversas.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, acena ao chegar na Casa Branca, em Washington  Foto: Alex Brandon / AP

Espera-se que David Barnea, chefe do Mossad, a agência de espionagem de Israel, e negociadores do Egito e do Catar compareçam. O lado do Hamas nas negociações é indireto, com propostas transmitidas por meio de terceiros aos líderes do Hamas abrigados em túneis sob Gaza.

Funcionários da Casa Branca dizem que negociar uma pausa nos combates entre Israel e o Hamas para facilitar a troca de reféns detidos em Gaza por prisioneiros palestinos detidos em Israel é a única maneira de pôr em vigor um cessar-fogo temporário e aumentar o fluxo de ajuda humanitária no enclave palestino.

Biden, na sua conversa com Netanyahu, “deixou claro que tudo deve ser feito para garantir a libertação dos reféns, incluindo cidadãos americanos”, e discutiu “a importância de capacitar totalmente os negociadores israelitas para chegarem a um acordo”, segundo o responsável. A primeira fase do acordo proposto garantiria a libertação de mulheres e idosos, reféns doentes e feridos.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, conversa com o primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, em Tel-Aviv, Israel  Foto: Kenny Holston / NYT

O porta-voz de segurança nacional da Casa Branca, John Kirby, disse na sexta-feira que Biden ressaltou a necessidade de fechar um acordo de reféns durante a conversa de quinta-feira com Netanyahu, que se concentrou principalmente nos ataques aéreos israelenses que mataram sete trabalhadores humanitários da World Central Kitchen.

Publicidade

“Estamos chegando a seis meses – seis meses em que essas pessoas foram mantidas como reféns. E o que temos de considerar são as condições repugnantes em que os reféns estão detidos”, disse Kirby. “Eles precisam estar em casa com suas famílias.”

A Casa Branca disse em um comunicado na quinta-feira, após a conversa entre Biden e Netanyahu, que o presidente dos EUA disse que alcançar um “cessar-fogo imediato” em troca de reféns era “essencial” e instou Israel a chegar a tal acordo “sem demora”.

Frustração

Funcionários da Casa Branca reconhecem que Biden está cada vez mais frustrado com as ações de Israel durante a guerra, que começou no dia 7 de outubro do ano passado, quando terroristas do Hamas invadiram o território israelense, mataram 1,2 mil pessoas e sequestraram 240. Tel-Aviv iniciou uma operação militar após o ataque, que deixou mais de 33 mil palestinos mortos em Gaza, segundo o ministério da Saúde do enclave palestino, que é controlado pelo grupo terrorista Hamas.

A Casa Branca manteve o seu apoio a Israel em meio às criticas da comunidade internacional com o prosseguimento da guerra por Israel, e disse repetidamente que um cessar-fogo temporário já poderia ter ocorrido se o Hamas tivesse concordado em libertar os doentes, os feridos, os idosos e mulheres jovens.

Mas a pressão sobre Biden só aumentou desde os ataques aéreos desta semana que mataram os trabalhadores da World Central Kitchen.

Palestinos inspecionam um carro da World Central Kitchen, que foi atingido por um bombardeio aéreo israelense no centro da Faixa de Gaza na terça-feira, 2  Foto: Abdel Kareem Hana / AP

O governo israelense reconheceu “erros” e anunciou algumas medidas disciplinares contra os agentes envolvidos na ordenação dos ataques. Israel também aprovou uma série de medidas destinadas a aumentar o fluxo de ajuda humanitária para Gaza, incluindo a reabertura de uma passagem importante que foi destruída no ataque do Hamas em 7 de Outubro.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, disse na sexta-feira que a morte dos trabalhadores humanitários é parte de um problema mais amplo de como os militares israelenses estão conduzindo a guerra. Quase 200 trabalhadores de ajuda humanitária foram mortos desde o início do conflito.

Publicidade

“O problema essencial não é quem cometeu os erros, é a estratégia militar e os procedimentos em vigor que permitem que esses erros se multipliquem continuamente”, disse ele. “Corrigir essas falhas requer investigações independentes e mudanças significativas e mensuráveis no terreno.”/com AP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.