PUBLICIDADE

Biden tenta usar percepção de melhora da economia americana para alavancar reeleição

Os Estados Unidos registram dados econômicos positivos, mas não há certeza de que os bons resultados impulsionem os votos de Biden

Por Jeanna Smialek

Baixas taxas de aprovação e índices ínfimos de confiança do consumidor têm assombrado o presidente Biden durante meses, virando um sinal preocupante para a Casa Branca à medida que o país entra em um ano de eleição presidencial. No entanto, dados recentes sugerem que a maré está começando a virar.

PUBLICIDADE

Os americanos estão se sentindo mais confiantes na economia do que em anos, de acordo com algumas medidas. Indicações preliminares sugerem que eles esperam cada vez mais que a inflação continue a diminuir, e acreditam que as taxas de juros em breve se moderarão.

O retorno do otimismo, se persistir, poderia reforçar as chances do Biden enquanto ele busca a reeleição — e representar um problema para o ex-presidente Donald J. Trump, que é o favorito para a indicação republicana e tem criticado o histórico econômico do atual presidente democrata.

O presidente dos EUA Joe Biden e a primeira-dama Jill Biden no Montgomery County Community College em Blue Bell, Pensilvânia, na sexta-feira, 5 de janeiro de 2024. Foto: Pete Marovich / NYT

No entanto, cientistas políticos, especialistas em sentimentos do consumidor e economistas concordam que ainda é cedo para os democratas comemorarem os últimos dados econômicos e índices de confiança. Muitos riscos econômicos permanecem que poderiam descarrilar o aparente progresso. Na verdade, modelos que tentam prever os resultados das eleições com base em dados econômicos atualmente apontam para um resultado indefinido em novembro.

“Estamos ainda no início do ciclo eleitoral, do ponto de vista dos fatores econômicos”, disse Joanne Hsu, que lidera um dos índices de sentimento mais citados como diretora de pesquisas de consumidores na Universidade de Michigan. “Muita coisa pode acontecer.”

A pesquisa preliminar da Universidade de Michigan para janeiro mostrou um aumento inesperado no sentimento do consumidor: o índice atingiu seu nível mais alto desde julho de 2021, antes do aumento da inflação. Embora a medida de confiança possa ser revisada — e ainda esteja ligeiramente abaixo de sua tendência de longo prazo —, ela se recuperou rapidamente em grupos etários, de renda, de educação e geográficos nos últimos dois meses.

O aumento da confiança poderia ajudar o Biden, afirmou Neil Dutta, um economista da Renaissance Macro, especialmente se o sentimento do consumidor continuar a melhorar este ano, como ele espera.

Publicidade

Se o sentimento permanecer simplesmente nos níveis atuais, ele afirmou que a relação histórica simples entre as leituras de confiança do consumidor e a parcela de votos do incumbente daria ao Biden cerca de 49% dos votos. No entanto, o mercado de trabalho está robusto, os preços dos combustíveis são moderados, e o mercado de ações acaba de atingir um novo recorde, todos os quais poderiam impulsionar uma melhoria adicional.

Ray Fair, um economista da Universidade de Yale, há décadas produz o modelo mais acompanhado sobre como a economia se reflete nos resultados eleitorais. Seu modelo utiliza dados econômicos concretos — crescimento e inflação — para prever os votos. Sua última atualização sugeriu que os democratas enfrentam uma chance de 50-50 de vencer a Casa Branca em novembro, e probabilidades semelhantes na Câmara dos Representantes.

Pessoas fazem compras na seção de alimentos de uma loja de varejo em Rosemead, Califórnia, em 19 de janeiro de 2024. Foto: FREDERIC J. BROWN / AFP

Também existem muitas incertezas sobre como a confiança do consumidor e a economia em geral influenciarão os resultados eleitorais desta vez. Não há dúvida de que o que está acontecendo com a economia terá importância, afirmou Michael Lewis-Beck, um cientista político da Universidade de Iowa.

“O papel da economia é tão fundamental quanto possível: é como os rios fluindo para o mar”, disse ele.

PUBLICIDADE

No entanto, Lewis-Beck apontou que outros fatores, como o sentimento de isolamento que tem afetado muitas pessoas desde o coronavírus e o fato de que Trump é um ex-presidente que pode ser visto pelos eleitores como um “quase-incumbente”, podem confundir a proximidade entre os dados econômicos e os resultados eleitorais.

Ainda assim, o que acontece com a economia nos próximos seis meses provavelmente influenciará como os americanos se sentem à medida que se aproximam das urnas no final deste ano.

Se a economia desacelerar, isso pode ser ruim para a Casa Branca. Meses de taxas de juros mais altas do Federal Reserve podem começar a pesar no crescimento, por exemplo, ou tumultos geopolíticos no Oriente Médio podem aumentar os preços do gás.

Publicidade

O presidente dos EUA Joe Biden fala sobre a agenda econômica de seu governo durante um evento no Prince George's Community College em Largo, Maryland, na quinta-feira, 14 de setembro de 2023. Foto: Alex Brandon / AP

No entanto, a maioria dos economistas espera que o Fed comece a reduzir as taxas de juros e que a economia desacelere gradualmente em 2024. Os prognósticos em uma pesquisa da Bloomberg esperam que o desemprego aumente cerca de meio ponto percentual até o final do ano, que a inflação continue a desacelerar e que o crescimento econômico se modere, mas permaneça positivo.

Essa perspectiva levemente otimista pode explicar por que a administração Biden está agora destacando os dados melhorados sobre o sentimento do consumidor, que há muito tempo parecem ficar para trás em relação à melhoria na economia real. Biden mencionou o último aumento durante um discurso na sexta-feira e disse que “temos mais a fazer”, ao mesmo tempo em que destacou os progressos econômicos recentes.

“As pessoas estão olhando para todas essas coisas”, disse Lewis-Beck. Se Biden quiser convencer os eleitores, ele “deveria manter a mensagem e acredito que eventualmente isso será compreendido”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.