Soluções para o Oriente Médio: Capacite os palestinos e permita um governo próprio; leia análise

Israel deve permitir que os palestinos criem uma liderança política legítima - que possa assumir o comando na Cisjordânia e em Gaza - e capacitar os palestinos que buscam sua liberdade de forma ética

PUBLICIDADE

Por Peter Beinart*
Atualização:
4 min de leitura

O The New York Times procurou pensadores, líderes políticos e especialistas para obter suas visões sobre o que poderia ser feito pelo futuro do Oriente Médio

De hoje, dia 25, até a quarta-feira, 27, o Estadão republica 10 artigos que refletem sobre o futuro da relação entre palestinos e israelenses - e o que pode ser feito para chegar à paz. Serão em média três textos por dia, sempre às 9h e às 17h, com exceção do dia 27, com quatro artigos, às 9h30, 14h30, 20h e 22h.

THE NEW YORK TIMES -Atualmente, a maioria dos judeus israelenses apoia a invasão de Gaza. Eles acham que ela é crucial para restaurar a reputação de competência e força militar de seu país. Mas, embora Israel possa depor o grupo terrorista Hamas, seus líderes não explicaram como podem governar Gaza - diretamente ou por procuração - sem provocar uma futura insurgência.

Essa insurgência será alimentada por palestinos em busca de vingança, já que, como observaram os especialistas israelenses, o Hamas recruta combatentes nas famílias das pessoas que Israel mata. À medida que esse atoleiro se aprofunda, Israel pareceria tão forte e competente quanto os Estados Unidos, que não conseguiu acabar com as insurgências no Afeganistão e no Iraque.

Em termos militares, Israel deveria, em vez disso, conduzir o tipo de resposta com alvos específicos, na linha do que os Estados Unidos evitaram após o 11 de setembro. Deveria perseguir as pessoas que planejaram o massacre de 7 de outubro até os confins da terra e até o fim de seus dias.

O líder do grupo terrorista Hamas na Faixa de Gaza, Yehiya Sinwar, foi um dos arquitetos dos ataques do dia 7 de outubro no sul de Israel  Foto: Mohammed Abed/AFP

Continua após a publicidade

Mas deve interromper a invasão de Gaza e negociar um cessar-fogo de longo prazo que leve à liberdade de todos os reféns israelenses restantes. Ao mesmo tempo, Israel deve permitir que os palestinos criem uma liderança política legítima - que possa assumir o comando na Cisjordânia e em Gaza - e capacitar os palestinos que buscam sua liberdade de forma ética.

Para negociar seriamente com Israel, os palestinos precisam de líderes legítimos - e não do desacreditado presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, que não se candidata a nenhuma eleição desde 2005. Como o jornal israelense Haaretz aconselhou no passado, Israel deveria libertar o nacionalista palestino preso Marwan Barghouti, que é mais popular do que os líderes do Hamas. Barghouti foi condenado por assassinato e participação em uma organização terrorista durante um julgamento no qual ele se recusou a oferecer defesa e se recusou a reconhecer a jurisdição do tribunal israelense. Mas, apesar de defender o direito dos palestinos de resistir violentamente à opressão israelense, ele também elogiou a disposição de Nelson Mandela de “desafiar o ódio e escolher a justiça em vez da vingança”.

Israel deve, então, dar poder a Barghouti e a outros líderes palestinos confiáveis e não pertencentes ao Hamas, mostrando que eles podem melhorar a vida dos palestinos e dar a eles a esperança de que conseguirão sua liberdade. Deveria começar a desmantelar os assentamentos da Cisjordânia cujos habitantes aterrorizam seus vizinhos palestinos e ajudar os palestinos forçados a retornar de suas aldeias pela violência dos colonos.

O presidente da Autoridade Palestina (AP), Mahmoud Abbas, cumprimenta o conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Jake Sullivan, em Ramalah, Cisjordania  Foto: Assessoria do governo da Palestina / EFE

Deve impedir que os ultranacionalistas judeus prejudiquem o status quo no Monte do Templo, conhecido pelos muçulmanos como o Nobre Santuário, e prometer não estabelecer relações diplomáticas com a Arábia Saudita até que os palestinos sejam livres.

De acordo com a mídia israelense, palestinos influentes propuseram permitir que o Hamas se junte à Organização para a Libertação da Palestina (OLP), o grupo guarda-chuva que inclui diferentes partidos palestinos, se ele se desarmar. Barghouti poderia supervisionar esse processo, o que abriria caminho para uma OLP revivida e internamente democrática, que poderia definir uma nova direção política para o povo palestino.

Continua após a publicidade

O governo de Binyamin Netanyahu fará isso? Não há a menor chance. Mas as pesquisas sugerem que seu partido Likud pode sofrer um colapso histórico na próxima votação dos israelenses. O governo Biden deve deixar claro que o relacionamento dos Estados Unidos com Israel dependerá de seu próximo governo seguir um caminho diferente. O atual governo de Israel terá sucesso apenas em devastar Gaza. Isso não dará esperança aos palestinos e não manterá os israelenses seguros.

* Peter Beinart (@PeterBeinart) é professor de jornalismo e ciência política na Newmark School of Journalism. Ele também é editor geral da Jewish Currents e escreve o boletim informativo semanal The Beinart Notebook.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.