Quem é o líder do Hamas, Yehiya Sinwar? De ‘soldado’ a mentor dos atentados contra Israel

Ele passou 22 anos em uma prisão israelense estudando atentamente seu inimigo, debruçando-se sobre livros de política israelense e aprendendo hebraico fluentemente

PUBLICIDADE

Por Loveday Morris e Hazem Balousha
Atualização:

Do outro lado da mesa de interrogatório em uma prisão israelense, Yehiya Sinwar contou friamente detalhes horríveis de seus assassinatos.

PUBLICIDADE

O ano era 1989. O futuro líder do Hamas, na época o principal executor interno do grupo, seria condenado por matar quatro companheiros palestinos.

Ele descreveu ter feito um membro do Hamas ligar para seu irmão - um suposto colaborador - para marcar um encontro, lembrou Michael Koubi, que passou mais de 150 horas interrogando Sinwar para o Shin Bet, a agência de inteligência interna de Israel. Sinwar obrigou o combatente a enterrar seu irmão vivo.

Ele não demonstrou “nenhuma emoção”, disse Koubi. “Vi um homem muito inteligente (...) e que realmente acreditava em tudo o que fazia.”

O chefe do Hamas, Yehiya Sinwar, no centro, acena para os apoiadores ao chegar para participar de um comício que marca o Dia de al-Quds (Jerusalém) uma comemoração em apoio ao povo palestino celebrada anualmente na última sexta-feira do mês de jejum muçulmano do Ramadã , na Cidade de Gaza Foto: Mohammed Abed/AFP

Os detalhes das táticas impiedosas do homem de 61 anos, quando jovem, ao chefiar o Majd, a força de segurança interna do Hamas, lançaram luz sobre o líder que ele se tornaria - dedicado à destruição de Israel e acusado de planejar o ataque terrorista de 7 de outubro no sul do país, onde terroristas da organização mataram 1.200 pessoas e sequestraram quase 250.

Agora, ele está no topo da lista de alvos de Israel em Gaza, supostamente escondido em sua vasta rede de túneis subterrâneos, enquanto as forças israelenses vasculham o pequeno enclave e o bombardeiam com ataques aéreos. A guerra já matou mais de 18.000 palestinos em apenas dois meses, de acordo com o Ministério da Saúde de Gaza, que é controlado pelo grupo terrorista Hamas, e é improvável que termine até que Sinwar seja morto ou capturado.

Histórico

As transcrições dos interrogatórios e os relatos de oficiais de segurança israelenses, companheiros de prisão e outras pessoas que o conheceram apontam para um estrategista intransigente com uma propensão a matar pessoalmente, moldado por uma educação severa em um campo de refugiados palestinos e décadas de detenção israelense. Ele passou seus 22 anos na prisão estudando atentamente seu inimigo, debruçando-se sobre livros sobre política israelense e aprendendo hebraico fluentemente.

Publicidade

Para entender Sinwar, é preciso primeiro entender de onde ele veio, disse seu ex-colega de prisão Esmat Mansour. “Ele disse que sua família viveu em uma tragédia”, lembrou Mansour. “Ele disse que essas lembranças não o abandonariam”.

Sinwar nasceu no campo de refugiados de Khan Younis, em Gaza, em 1962. Sua família foi forçada a sair da cidade palestina de Madjal após a guerra de independência de Israel em 1948, um período conhecido pelos árabes como Nakba, ou “catástrofe”, quando centenas de milhares de palestinos foram deslocados.

As operações israelenses desalojaram os palestinos em 1948. Muitos temem que isso se repita. Depois que Madjal foi esvaziada de sua população palestina - os últimos residentes foram deportados em 1950 - Israel rebatizou a cidade como Ashkelon. Mais tarde, Sinwar passaria um tempo na prisão justamente nessa cidade.

Yahya Sinwar cumprimenta apoiadores após sua libertação de uma prisão israelense em Khan Younis, no sul da Faixa de Gaza Foto: Said Khatib/AFP

Quando ele nasceu, as tendas de refugiados nas dunas de areia em Khan Younis haviam sido substituídas por pequenas casas de blocos de concreto, mas as condições ainda eram terríveis. Sinwar falava sobre a falta de saneamento e a luta para viver com as doações da ONU, disse Mansour.

PUBLICIDADE

“Ele sempre voltava a essas histórias quando nos dizia para lutar contra a ocupação”, disse Mansour. Sinwar se opôs ferozmente aos acordos de Oslo de 1993, o acordo mediado pelos EUA que delineou uma solução de dois estados para o conflito. “Ele era um radical”, disse Mansour. “Ele queria revidar.”

Sinwar foi preso pela primeira vez por Israel em 1982, quando era estudante universitário na Universidade Islâmica de Gaza, onde foi membro fundador do movimento estudantil do Hamas, disse Ibrahim al-Madhoun, colunista afiliado ao Hamas. Ele descreveu Sinwar como “inabalável em suas decisões, mesmo que sejam duras”.

Sinwar foi ativo durante a primeira intifada, o levante palestino contra a ocupação de Israel, entre dezembro de 1987 e setembro de 1993. Ele se tornou próximo do fundador do Hamas, Sheikh Ahmed Yassin, rezando na mesma mesquita que ele na Cidade de Gaza.

Publicidade

Yahya Sinwar discursa no aniversário do grupo terrorista Hamas em um comício na Cidade de Gaza, em 2022 Foto: Ibraheem Abu Mustafa/Reuters

Ele foi detido novamente em 1988 depois de ser ferido quando um dispositivo explosivo improvisado que estava fabricando explodiu, disse Koubi. Foi somente na prisão que seu papel no assassinato de habitantes de Gaza suspeitos de colaborar com Israel veio à tona.

“No primeiro dia, ele foi muito duro, não queria dizer nada”, disse Koubi, acrescentando que acabou confessando 12 assassinatos, mas só foi condenado por quatro acusações.

Embora Israel seja famoso por suas técnicas severas de interrogatório, Koubi disse que Sinwar não foi abusado fisicamente. Não foi possível verificar suas afirmações.

Interrogatório

Em uma transcrição de 10 páginas de seu interrogatório realizada na Suprema Corte de Israel e posteriormente publicada pela mídia israelense, Sinwar descreveu o estrangulamento das vítimas até a morte. Koubi disse que também gostava de usar um facão; alguns moradores de Gaza o apelidaram de “Açougueiro de Khan Younis”.

Ele descreve a morte de um suposto colaborador em uma cova aberta no cemitério local. “Amarrei seus olhos com um pano para que ele não pudesse ver, coloquei-o em uma grande cova que vi e o estrangulei com um pano”, diz a transcrição, de acordo com trechos publicados pelo jornal Israel Hayom. “Depois de estrangulá-lo, envolvi-o em um pano branco e fechei a cova.”

Koubi disse que não ficou surpreso com a brutalidade do ataque de 7 de outubro: “Ele tem um ódio muito profundo”. Sinwar subiu rapidamente na hierarquia do Hamas depois de ser libertado da prisão em 2011, juntamente com outros 1.026 prisioneiros palestinos, em troca do soldado israelense sequestrado Gilad Shalit. Mas foi na prisão que ele construiu sua influência.

“Ele não veio do nada”, disse Mkhaimar Abusada, professor de política na Universidade al-Azhar, de Gaza. No início, ele tinha pouca influência no sistema penal israelense, onde os prisioneiros são divididos em várias facções palestinas. Mas mesmo dentro da prisão, ele continuou a caçar colaboradores de Israel, disseram Mansour e Koubi.

Terroristas do Hamas usam uma escavadeira para quebrar a fronteira entre a Faixa de Gaza e Israel, no dia 7 de outubro  Foto: Mohammed Fayq Abu Mostafa/Reuters

À medida que o Hamas se tornava mais proeminente no cenário político palestino, a estrela de Sinwar começou a crescer. Por volta da época da segunda intifada, em 2000, ele foi eleito líder do Hamas na prisão, onde liderou greves em um esforço para melhorar as condições dos detentos.

Publicidade

Em junho de 2006, o irmão mais novo de Sinwar, Muhammad Sinwar, foi suspeito de ter desempenhado um papel fundamental no ataque transfronteiriço que levou à captura de Shalit. “Quando o Hamas ficou mais forte e sequestrou Shalit, ele se tornou o principal líder do grupo na prisão”, disse Mansour.

Ele não estava mais interessado em se reunir com as autoridades prisionais, disse Mansour, e em vez disso, foi a tribunal com a inteligência israelense e outras autoridades que buscavam a libertação de Shalit.

Quando Sinwar foi libertado, ele se dirigiu a multidões na Cidade de Gaza, conclamando o Hamas a libertar os que permaneciam nas prisões israelenses. “Isso deve se transformar imediatamente em um plano prático”, disse ele. Ele continua profundamente empenhado na situação dos prisioneiros palestinos, de acordo com aqueles que o conhecem, o que provavelmente ajudou a impulsionar os sequestros em massa de israelenses em 7 de outubro.

Em entrevistas públicas antes do ataque - incluindo uma com um jornal israelense em 2018 - ele disse que não estava buscando confronto. “Não quero mais guerras”, disse ele ao Yedioth Ahronoth, um jornal israelense. Mas outros comentários foram mais extremos, disse Abusada, o professor universitário, apontando para um apelo feito por Sinwar no ano passado para que os palestinos realizassem ataques de lobos solitários com cutelos, machados e facas.

Ao se juntar à ala política do Hamas, ele obscureceu a distinção entre os combatentes e as autoridades do grupo, disse Shlomi Eldar, jornalista israelense que escreveu um livro em 2012 sobre o Hamas e entrevistou algumas de suas mais altas autoridades.

“Ele mudou o movimento”, disse Eldar. Nenhum dos outros líderes do grupo teria orquestrado um ataque na escala de 7 de outubro, disse ele, temendo a reação adversa. Mas Sinwar é diferente: “A única explicação que posso dar é que se trata de sua personalidade”.

Em sua aposta, outros suspeitam que ele estava tentando se posicionar como líder da causa palestina, um papel que há muito tempo buscava. “Senti que ele estava dizendo: ‘Eu sou Yasser Arafat 2′”, disse uma autoridade palestina que se encontrou com Sinwar várias vezes.

Publicidade

“Ninguém pode negar que, por um lado, ele gravou seu nome na história e, por outro, mudou a situação estática que Israel adotou para lidar com os palestinos”, disse a autoridade, falando sob condição de anonimato para discutir os encontros delicados.

Israel diz que Sinwar é um “homem morto que ainda anda” e é apenas uma questão de tempo até que suas forças o encontrem.

À medida que a caça ao homem se intensifica, o líder do Hamas provavelmente está cercado por um círculo de confidentes - incluindo seu irmão Muhammad, que fingiu ter sido morto em 2014, mas ressurgiu desde então. “Ele lutará até o fim”, disse Koubi.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.