PUBLICIDADE

Catar anuncia acordo entre Israel e Hamas para levar medicamentos para reféns em Gaza

Civis palestinos devem receber ajuda humanitária em troca; entrega está prevista a partir desta quarta-feira

Foto do author Redação
Por Redação

DOHA - Israel e o grupo terrorista Hamas chegaram a um acordo para enviar medicamentos aos reféns israelenses e fornecer ajuda humanitária à população do território palestino, anunciou o Ministério das Relações Exteriores do Catar nesta terça-feira, 16.

PUBLICIDADE

O porta-voz do ministério, Majed al-Ansari, anunciou o êxito de uma mediação conjunta do Catar e da França, que permitiu um acordo para a entrega de medicamentos para os reféns israelenses em troca do envio de uma carga de ajuda humanitária para os civis em Gaza.

“Os medicamentos e a ajuda serão enviados amanhã” (quarta-feira) para o Egito, a bordo de dois aviões das forças armadas catarianas, para serem transportados até a Faixa de Gaza”, acrescentou Ansari, citado pela agência de imprensa oficial do Catar (QNA).

Familiares de reféns protestam em Jerusalém.  Foto: EFE/EPA/ABIR SULTAN

Das 250 pessoas sequestradas no sul de Israel durante o ataque realizado pelo Hamas em 7 de outubro, mais de 130 ainda estão em Gaza, das quais pelo menos 25 morreram sem que seus corpos fossem entregues, de acordo com as autoridades israelenses.

Esse é o primeiro acordo desde que cerca de 100 reféns foram libertados durante uma trégua no fim de novembro, em troca da libertação de prisioneiros palestinos por Israel, como parte de uma negociação mediada pelo Catar.

O conflito foi desencadeada pelo ataque sem precedentes do Hamas, que matou 1.200 pessoas em Israel. Em resposta, Tel-Aviv declarou guerra com o objetivo de “aniquilar” o grupo terrorista. Mas enfrente a crescente pressão internacional para reduzir o drama humanitário em Gaza, onde o número de mortes passa de 24 mil, segundo o ministério da Saúde local, controlado pelo Hamas. /AFP

Palestino carrega bicicleta sobre os escombros na Faixa de Gaza. Foto: AP / Adel Hana
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.