PUBLICIDADE

Como uma conta bancária russa pode oferecer pistas sobre um acordo de armas com a Coreia do Norte

Moscou pode estar tentando ajudar Pyongyang com acesso ao sistema financeiro internacional em troca de mísseis e munições, sugerem autoridades de inteligência aliadas dos EUA

Por Motoko Rich

THE NEW YORK TIMES - Os Estados Unidos afirmam que a Rússia permitiu a liberação de milhões de dólares em ativos congelados da Coreia do Norte e pode estar ajudando seu aliado isolado a acessar redes bancárias internacionais, assistência que surgiu após a transferência de armas do Norte para Moscou para uso contra a Ucrânia, de acordo com autoridades de inteligência aliadas dos Estados Unidos.

PUBLICIDADE

No mês passado, a Casa Branca declarou ter evidências de que a Coreia do Norte forneceu mísseis balísticos à Rússia e que o Norte estava buscando hardware militar em troca. Pyongyang também parece ter enviado até 2,5 milhões de cartuchos de munição, segundo uma análise de um think tank britânico de segurança.

Embora não esteja claro se a Rússia forneceu à Coreia do Norte a tecnologia militar que ela pode querer, novos laços bancários seriam outro sinal do avanço constante nas relações entre os dois países. A parceria em expansão provavelmente fortaleceu o Norte, que emitiu uma série de ameaças beligerantes nos últimos meses, dizem autoridades dos EUA.

O líder da Coreia da Norte, Kim Jong-un, em encontro com Vladimir Putin, da Rússia, em setembro de 2023 Foto: Artem Geodakyan/Sputnik via Reuters

A Rússia permitiu a liberação de US$ 9 milhões de um total de US$ 30 milhões em ativos congelados da Coreia do Norte depositados em uma instituição financeira russa, segundo as autoridades de inteligência, dinheiro que afirmam que a empobrecida Coreia usará para comprar petróleo bruto.

Além disso, uma empresa de fachada norte-coreana abriu recentemente uma conta em outro banco russo, dizem as autoridades de inteligência, evidência de que Moscou pode estar ajudando Pyongyang a contornar as sanções da ONU que proíbem a maioria dos bancos de fazer negócios com a Coreia do Norte. Essas sanções sufocaram a economia do Norte e em grande parte isolaram o país das redes financeiras internacionais.

A nova conta bancária está localizada na Ossétia do Sul, uma autoproclamada república independente na região do Cáucaso que tem ligações estreitas com a Rússia, segundo as autoridades, que falaram sob condição de anonimato para discutir assuntos de inteligência sensíveis.

Autoridades americanas disseram que não podem confirmar os detalhes dos acordos bancários. Mas um alto funcionário, que também pediu anonimato para falar sobre assuntos de inteligência, disse que os acordos se encaixam nas expectativas dos EUA sobre o que a Coreia do Norte buscaria da Rússia em suas transferências de armas.

Publicidade

O acesso às redes financeiras é apenas um item na lista de desejos da Coreia do Norte, segundo especialistas. O que o Norte mais quer da Rússia, dizem eles, são equipamentos militares avançados, como tecnologia de satélite e submarinos nucleares.

Os laços mais estreitos já renderam benefícios diplomáticos. Após o líder norte-coreano, Kim Jong-un, se reunir com seu homólogo russo, Vladimir Putin, no leste da Rússia no outono passado, Putin se encontrou em janeiro com o ministro das Relações Exteriores do Norte, Choe Son-hui, em Moscou.

Durante essa reunião, Putin indicou que poderia visitar Pyongyang em breve, sua primeira viagem à capital norte-coreana em quase 25 anos, segundo a mídia estatal do Norte.

PUBLICIDADE

Os acordos bancários podem ser significativos para a Coreia do Norte, que depende de importações para sustentar grande parte de sua economia. Os relacionamentos poderiam facilitar transações não apenas dentro da Rússia, mas também fora do país. A Coreia do Norte poderia aproveitar as conexões de Moscou com alguns países, incluindo Turquia e África do Sul, que ainda mantêm comércio com a Rússia após ser atingida por sanções internacionais devido à guerra na Ucrânia.

Se Moscou está permitindo que a Coreia do Norte use bancos russos ou está liberando ativos congelados, o governo terá “ultrapassado o Rubicão da disposição de lidar com a Coreia do Norte e ser uma pária financeira e comercial”, disse Juan C. Zarate, ex-secretário do Tesouro e especialista em crimes financeiros.

Nesta foto fornecida pelo governo norte-coreano, Kim Jong-un, visita fábricas de munições de 8 a 9 de janeiro de 2024 Foto: Korean Central News Agency/Korea News Service via AP

Embora a liberação de US$ 9 milhões em ativos congelados pela Rússia seja relativamente pequena, os norte-coreanos “aceitam qualquer maneira alternativa de acessar capital”, disse Zarate.

As Nações Unidas e os Estados Unidos impuseram uma variedade de sanções à Coreia do Norte em resposta a seus testes nucleares proibidos. Sanções bancárias têm sido “um dos desafios para os norte-coreanos e a razão pela qual, francamente, foram criativos em como estabeleceram suas redes financeiras”, incluindo o uso de criptomoedas, disse Zarate.

Publicidade

Para a Rússia, as transações financeiras podem ser mais aceitáveis do que fornecer expertise militar e tecnologia nuclear e outras.

Embora os dois países “possam ser amigos com benefícios agora”, disse Soo Kim, ex-analista da CIA sobre a Coreia do Norte, a confiança deles não é tão grande a ponto de a Rússia “entregar seus segredos valiosos”.

Especialistas afirmam que a Rússia agiria com cautela, pois ainda está ciente das sanções da ONU como membro permanente do Conselho de Segurança. Eles dizem que a Rússia pode acreditar que pode contornar as sanções de maneira negável.

“Eles sempre podem dizer: ‘Ah, bem, este é um banco privado e nossos investigadores vão analisar isso’, e isso nunca irá mais longe”, disse James D.J. Brown, professor de ciência política no campus de Tóquio da Temple University especializado em relações entre Rússia e Ásia Oriental.

Além dos relacionamentos bancários, a Rússia pode simplesmente trocar bens que o Norte precisa em troca de suas armas.

“O que seria lógico para a Coreia do Norte é se envolver em permutas de grãos e tecnologia agrícola como tratores, que são proibidos pelas sanções”, disse Hazel Smith, professora de estudos coreanos na Escola de Estudos Orientais e Africanos da Universidade de Londres.

“Dada a precariedade do rublo e a completa falta de valor do won norte-coreano, é muito difícil ver por que transações importantes para a Rússia ou para a Coreia do Norte seriam conduzidas em rublos”, acrescentou ela.

Publicidade

Tão importante quanto, ao enviar mísseis e munições para a Rússia, a Coreia do Norte atraiu a atenção do mundo e regalias diplomáticas de Moscou.

“Acredito que eles valorizam isso bastante”, disse Joseph Byrne, pesquisador especializado na Coreia do Norte no Royal United Services Institute, um think tank britânico de segurança. “A cerimônia disso, a legitimidade disso.”

“Isso só fortalece ainda mais a Coreia do Norte”, disse Byrne, “se parecer que eles têm o total apoio da Rússia”.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.