PUBLICIDADE

Coreia do Norte muda Constituição para incorporar status de potência nuclear

Kim Jong Un afirmou que o país precisa de armamento nuclear para sua defesa contra a ameaça dos Estados Unidos e seus aliados

Foto do author Redação
Por Redação

O governo da Coreia do Norte fez uma alteração em sua Constituição para incorporar o status de potência nuclear ao território, e o líder Kim Jong Un, em paralelo, ordenou a produção de mais armas atômicas modernas para contra-atacar a ameaça dos Estados Unidos. A informação foi divulgada nesta quinta-feira, 28, pela KCNA, a agência estatal de notícias norte-coreana.

Apesar das sanções internacionais contra seu programa nuclear e armamentista, a Coreia do Norte realizou um número recorde de testes de mísseis este ano, ignorando as advertências dos Estados Unidos, da Coreia do Sul e de outros países.

PUBLICIDADE

Os esforços diplomáticos fracassaram para convencer a Coreia do Norte a renunciar a seu arsenal atômico. E depois que Kim declarou o status de potência nuclear do país como algo “irreversível”, o princípio está agora consagrado na Constituição.

“A política de construção de uma força nuclear da RPDC (República Popular Democrática da Coreia) foi estabelecida de forma permanente como lei básica do Estado, que ninguém pode burlar por nenhum meio”, disse o líder norte-coreano Kim Jong Un durante uma reunião da Assembleia Popular, segundo a agência oficial de notícias KCNA. O Parlamento se reuniu na terça, 26, e na quarta-feira, 27.

Kim afirmou que o país precisa do armamento para sua defesa contra a ameaça existencial dos Estados Unidos e seus aliados. Washington “maximizou suas ameaças de guerra nuclear contra a nossa República ao retomar os exercícios de guerra nuclear em larga escala com uma clara natureza agressiva e com a mobilização de seus ativos nucleares estratégicos perto da Península Coreana”, disse o líder norte-coreano.

Foto tirada durante sessão parlamentar mostra o líder norte-coreano Kim Jong Un, no centro inferior. Kim disse que a Coreia do Norte precisa de armamento nuclear para se defender da ameaça dos EUA. Foto: KCNA/Serviço de Notícias da Coreia do Norte/AP

Kim disse que o aumento da cooperação na área de defesa entre Washington, Seul e Tóquio é a “pior ameaça real” para seu país e que, portanto, é muito importante “acelerar a modernização das armas nucleares”.

Ele também destacou a “necessidade de avançar com os trabalhos para aumentar exponencialmente a produção de armas nucleares e diversificar os recursos de ataque nuclear”, segundo a KCNA.

Publicidade

Emenda foi condenada

O Japão reagiu e afirmou que o programa atômico de Pyongyang é “absolutamente inaceitável, uma ameaça à paz e segurança”. “Vamos trabalhar com Estados Unidos, Coreia do Sul e o restante da comunidade internacional para que as resoluções pertinentes do Conselho de Segurança da ONU sejam cumpridas, assim como a plena desnuclearização da Coreia do Norte”, disse o porta-voz do governo japonês, Hirokazu Matsuno.

O governo sul-coreano afirmou que seu representante para Assuntos de Paz e Segurança na Península Coreana conversou com emissários dos Estados Unidos e Japão, e que os três “condenaram com veemência” a emenda constitucional.

Neste sentido, os países concordaram em trabalhar na criação de um contexto “em que a Coreia do Norte não tenha outra opção que a desnuclearização”, informou o ministério da Relações Exteriores da Coreia do Sul.

“À beira de uma guerra nuclear”

Entre os testes militares de Pyongyang realizados este ano estão os lançamentos de mísseis balísticos intercontinentais e uma simulação de “ataque tático nuclear”. O país também tentou, sem sucesso, em duas ocasiões colocar em órbita um satélite de inteligência militar.

PUBLICIDADE

Coreia do Sul e Estados Unidos responderam com o reforço da cooperação de defesa, incluindo vários exercícios militares conjuntos, com a participação do Japão. As relações entre as duas Coreias estão em um dos piores momentos e a diplomacia se encontra estagnada, após as tentativas frustradas de discutir uma desnuclearização.

O representante de Pyongyang na ONU, Kim Song, alertou esta semana na Assembleia Geral que a península “está à beira de uma guerra nuclear”.

O teste mais recente de armas conhecido do país incluiu os lançamentos de dois mísseis de curto alcance no momento em que Kim viajava para a Rússia para uma reunião com o presidente Vladimir Putin. A reunião alimentou os temores do Ocidente de que Moscou e Pyongyang assinariam contratos de vendas de armas.

Publicidade

Analistas acreditam que Moscou está interessada em adquirir munições norte-coreanas para a guerra na Ucrânia, enquanto Pyongyang deseja a ajuda russa para desenvolver mísseis e satélites./AFP.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.