Entenda em um guia simples como funciona a extensa rede de túneis do Hamas em Gaza

Debaixo da pequena faixa costeira e dos seus mais de 2 milhões de habitantes, existe uma vasta rede de caminhos subterrâneos, salas, celas e até estradas para veículos

PUBLICIDADE

Foto do author Carolina Marins
Por Carolina Marins
Atualização:

FAIXA DE GAZA - Após mais de três semanas de uma guerra intensa entre Israel e o grupo terrorista Hamas, surgem questionamentos sobre em que momento as forças israelenses farão sua aguardada invasão da Faixa de Gaza. Embora já estejam em operação terrestre desde a semana passada, a incursão tem sido muito menor que a esperada - e ameaçada por Israel - e o motivo pode estar no subsolo do enclave densamente povoado.

PUBLICIDADE

Um extenso labirinto de túneis construídos pelo Hamas se estende pela região, escondendo terroristas, seu arsenal de foguetes e mais de 200 reféns que agora mantêm após um ataque sem precedentes em 7 de outubro contra Israel.

A limpeza e o desmantelamento desses túneis serão cruciais se Israel pretender desmantelar o Hamas. Mas os combates em áreas urbanas densamente povoadas e a movimentação clandestina poderiam retirar aos militares israelenses algumas das suas vantagens tecnológicas, ao mesmo tempo que dariam uma vantagem ao Hamas, tanto acima como abaixo do solo.

“Costumo dizer que é como andar pela rua esperando levar um soco na cara”, diss John Spencer, major aposentado do Exército dos EUA e presidente de Estudos de Guerra Urbana no Modern War Institute em West Point.

Durante a noite de sábado, 29, os militares israelenses disseram que os seus aviões de guerra atingiram 150 alvos subterrâneos do Hamas no norte de Gaza, descrevendo-os como túneis, espaços de combate e outras infra-estruturas subterrâneas. Os ataques – o que parecia ser o bombardeio de túneis mais significativo de Israel até à data – ocorreram num momento em que o país intensificava as suas operações terrestres em Gaza.

O Metrô: uma teia de aranha abaixo de Gaza

A guerra em túneis tem sido uma característica da história, desde o cerco romano à antiga cidade grega de Ambracia até os combatentes ucranianos retendo as forças russas em 24 quilômetros de túneis da era soviética sob a Usina de Ferro e Aço Azovstal de Mariupol por cerca de 80 dias em 2022.

A razão é simples: as batalhas em túneis são consideradas algumas das mais difíceis de serem travadas pelos exércitos. Um inimigo em um túnel ou sistema de cavernas pode escolher onde a luta começará – e muitas vezes determinar como ela terminará – dadas as abundantes oportunidades para emboscadas.

Publicidade

Isto é ainda mais real na Faixa de Gaza, onde fica o sistema de túneis do Hamas, que Israel chamou de “Metrô”.

Um oficial do exército israelense conduz jornalistas por um túnel supostamente usado por terroristas do Hamas para ataques na fronteira Israel-Gaza, em 2014 Foto: Jack Guez/AP

Debaixo da pequena faixa costeira e dos seus mais de 2 milhões de habitantes, existe uma vasta rede de caminhos subterrâneos, salas, celas e até estradas para veículos.

Quando Israel e o Egito impuseram um bloqueio punitivo a Gaza depois de o Hamas ter tomado o controle do território em 2007, o grupo terrorista expandiu a construção da sua rede de túneis para contrabandear armas e outros itens do Egito.

Embora o Egito tenha posteriormente encerrado a maior parte desses túneis transfronteiriços, acredita-se agora que o Hamas tenha uma enorme rede subterrânea que se estende por toda Gaza, permitindo-lhe transportar armas, abastecimentos e terroristas fora da vista dos drones israelenses.

PUBLICIDADE

Yehia Sinwar, líder político do Hamas, afirmou em 2021 que o grupo tinha 500 quilômetros de túneis. A Faixa de Gaza em si tem apenas cerca de 360 quilômetros quadrados, aproximadamente o dobro do tamanho de Washington, D.C.

“Começaram a dizer que destruíram 100 quilômetros de túneis do Hamas. Estou dizendo que os túneis que temos na Faixa de Gaza excedem 500 quilômetros”, disse Sinwar após uma sangrenta guerra de 11 dias com Israel. “Mesmo que a narrativa deles seja verdadeira, eles destruíram apenas 20% dos túneis.”

Os túneis custaram ao Hamas cerca de 3 milhões de dólares cada, segundo os militares de Israel. Alguns são feitos de concreto pré-fabricado e ferro e contam com salas médicas para atendimento aos terroristas feridos. Outros têm espaços a 40 metros abaixo do solo, onde as pessoas podem se esconder durante meses.

Publicidade

Um palestino descansa dentro de um túnel de contrabando em Rafah, na fronteira entre o Egito e o sul da Faixa de Gaza em 2013 Foto: Hatem Moussa/AP

O General Joseph L. Votel, antigo líder do Comando Central dos Estados Unidos, responsável pelo Oriente Médio, que visitou um túnel controlado pela milícia libanesa Hezbollah perto da fronteira de Israel, disse que ficou “surpreso com o nível de esforço envolvido na criação destas estruturas”.

“Aquilo não eram apenas buracos no chão, era uma arquitetura”, disse ele. “Eles foram ligados a salas e construídos de forma a resistir a impactos na superfície.”

À medida que o Hamas expandia o sistema subterrâneo, ocultava as entradas dos túneis em casas e outras pequenas estruturas no lado egípcio da fronteira, disse Joel Roskin, professor de geologia da Universidade Bar-Ilan, em Israel.

Os militares israelenses sabem da ameaça pelo menos desde 2001, quando o Hamas utilizou um túnel para detonar explosivos sob um posto fronteiriço israelense. Desde 2004, o destacamento militar israelense Samur, ou “Doninhas”, tem-se concentrado na localização e destruição de túneis, por vezes com robôs controlados remotamente.

Difíceis de destruir

Israel bombardeou do ar e usou explosivos no solo para destruir túneis no passado. Mas desalojar totalmente o Hamas exigirá a limpeza desses túneis, onde os militantes podem surgir atrás das tropas israelenses que avançam.

Israel diz ter atingido túneis do Hamas em um intenso bombardeio em 28 de outubro de 2023 Foto: Tsafrir Abayov/AP

Durante a guerra de 2014, militantes do Hamas mataram pelo menos 11 soldados israelenses após se infiltrarem em Israel através de túneis. Num outro incidente, um oficial israelense, o tenente Hadar Goldin, foi arrastado para um túnel dentro de Gaza e morto. O Hamas tem mantido os restos mortais de Goldin desde então.

Ariel Bernstein, um antigo soldado israelense que lutou naquela guerra, descreveu o combate urbano no norte de Gaza como uma mistura de “emboscadas, armadilhas, esconderijos, franco-atiradores”. Ele lembrou que os túneis tinham um efeito surreal e desorientador, criando pontos cegos enquanto os terroristas do Hamas surgiam do nada para atacar. “Era como se eu estivesse lutando contra fantasmas”, disse ele. “Você não os vê.”

Publicidade

O ministro da Defesa israelense, Yoav Gallant, disse na sexta-feira que esperava uma ofensiva terrestre difícil, alertando que “levará muito tempo” para desmantelar a vasta rede de túneis do Hamas. Como parte da estratégia, Israel bloqueou todos os envios de combustível para Gaza desde o início da guerra. Gallant disse que o Hamas confiscaria combustível para geradores que bombeiam ar para a rede de túneis. “Para ar, eles precisam de combustível. Para o combustível, eles precisam de nós”, disse ele.

Os militares israelenses também disseram na sexta-feira que realizaram ataques aéreos “muito significativos” contra alvos subterrâneos. Normalmente, os militares modernos dependem de ataques aéreos punitivos para derrubar túneis.

Os ataques israelenses em Gaza até agora nesta guerra mataram mais de 7.300 pessoas, segundo o Ministério da Saúde de Gaza. Mas esses ataques só podem causar danos limitados à rede subterrânea.

Um homem palestino sai do lado egípcio da fronteira em um túnel de contrabando reparado que liga a Faixa de Gaza ao Egito, em Rafah, em 2012 Foto: Patrick Baz/AFP

As forças dos EUA que lutaram na Guerra do Vietnã lutaram para limpar a rede de 120 quilômetros conhecida como túneis de Cu Chi, na qual os soldados americanos enfrentavam cantos apertados, armadilhas e, às vezes, condições de escuridão total nos arredores do que era então Saigon, no Vietnã do Sul.

Mesmo o bombardeio implacável do B-52 nunca destruiu os túneis. Nem os ataques russos à siderurgia ucraniana em 2022. Sublinhando como os túneis podem ser difíceis de destruir, os Estados Unidos usaram um enorme explosivo contra um sistema de túneis do grupo Estado Islâmico no Afeganistão em 2017, chamado “a mãe de todas as bombas”, a maior não-arma nuclear já usada em combate pelos militares dos EUA.

Uma camada adicional de complexidade

No entanto, em todos esses casos, não havia o grau de desafio que Israel enfrenta agora com o sistema de túneis do Hamas. O grupo terrorista mantém cerca de 200 reféns que capturou no ataque de 7 de outubro, que também matou mais de 1.400 pessoas.

A libertação de Yocheved Lifshitz, de 85 anos, pelo Hamas, na segunda-feira, confirmou as suspeitas de que os militantes colocaram reféns nos túneis. Lifshitz descreveu membros do Hamas levando-a para um sistema de túneis que, segundo ela, “parecia uma teia de aranha”.

Publicidade

Eliminar os túneis com reféns presos no seu interior provavelmente será um “processo lento e metódico”, com a necessidade de robôs e outras informações de inteligência para mapear os túneis e as suas potenciais armadilhas, de acordo com o Soufan Center, um think tank de segurança de Nova York.

Um palestino é baixado por uma corda em um túnel de contrabando escavado sob a fronteira Gaza-Egito, no sul da Faixa de Gaza, em 2013 Foto: Sais Khatib/AFP

“Dado o planejamento metódico envolvido no ataque, parece provável que o Hamas terá dedicado um tempo significativo ao planeamento da próxima fase, conduzindo uma preparação extensiva do campo de batalha em Gaza”, escreveu o Centro Soufan num relatório. “O uso de reféns como escudos humanos acrescentará uma camada adicional de complexidade à luta.”

Os potenciais combates que os soldados israelenses enfrentarão também serão claustrofóbicos e aterradores. Muitas das vantagens tecnológicas dos militares de Israel entrarão em colapso, dando vantagem aos militantes, alertou Daphné Richemond-Barak, professora da Universidade Reichman de Israel, que escreveu um livro sobre guerra subterrânea.

“Quando você entra em um túnel, ele é muito estreito, escuro e úmido, e você rapidamente você perde a noção de espaço e tempo”, disse Richemond-Barak. “Você tem esse medo do desconhecido, quem vou encontrar ao virar da esquina? Isso vai ser uma emboscada? Ninguém pode vir e resgatar você. Você mal consegue se comunicar com o mundo exterior, com sua unidade.”

O campo de batalha poderia forçar os militares israelenses a trocas de tiros nos quais os reféns poderiam ser mortos. Armadilhas explosivas também podem detonar, enterrando vivos tanto os soldados quanto os reféns, disse Richemond-Barak.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.