PUBLICIDADE

Equador: agentes penitenciários e funcionários administrativos feitos reféns são liberados

Segundo relatório divulgado pelo presidente equatoriano Daniel Noboa, todos passaram por avaliações médicas

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

QUITO - O presidente do Equador, Daniel Noboa, afirmou na madrugada deste domingo, 14, que 169 agentes penitenciários detidos em sete prisões equatorianas durante as revoltas que ocorreram no país nesta semana foram soltos. Um dos agentes morreu em uma prisão no sul do país.

O presidente parabenizou “o trabalho patriótico” das Forças Armadas, da Polícia e do corpo diretivo das prisões, bem como os ministros do setor de segurança “por conseguirem a libertação” do corpo de segurança das prisões e da equipe administrativa nas prisões de Azuay, Cañar, Esmeraldas, Cotopaxi, Tungurahua, El Oro e Loja.

PUBLICIDADE

O anúncio do presidente na rede social X, antigo Twitter, foi seguido por um relatório do Serviço Nacional de Atenção Integral a Adultos Carentes (SNAI), órgão que controla as prisões, que indicou que “avaliações médicas” estão sendo realizadas nos prisioneiros libertados. Ele acrescentou que serão iniciadas investigações para determinar os responsáveis e as causas da violência nas prisões do país.

As circunstâncias das liberações não foram divulgadas.

O SNAI havia indicado, no meio da semana, que um total de 178 agentes penitenciários estavam detidos, oito foram libertos no dia anterior e 169 neste sábado, 13. Enquanto isso, um dos agentes morreu na manhã de sábado após um “confronto armado” entre membros das forças de segurança e detentos do centro de detenção na cidade costeira de Machala, no sul do país, confirmou o SNAI.

A entidade governamental não forneceu detalhes sobre o estado de saúde ou a condição de dezenas de guardas e funcionários administrativos dentro dessas prisões.

Presos deitam-se no chão depois que a polícia e as forças armadas do Equador libertaram funcionários penitenciários que haviam sido mantidos como reféns pelos prisioneiros, em Ambato, Equador, nesta foto de 13 de janeiro de 2024.  Foto: Armed Forces of Ecuador/Handout via REUTERS

Carlos Ordóñez, vice-presidente da Associação Equatoriana de Servidores de Prisões, disse à The Associated Press antes do anúncio da libertação: “Estou preocupado e desamparado”. “Já se passaram vários dias e não sabemos o que está acontecendo com nossos companheiros”, disse ele.

Publicidade

Ordóñez reclamou que o SNAI não lhes forneceu informações oficiais sobre a situação dos detentos e o que eles deveriam estar fazendo para libertá-los.

“Não sei por que eles não entram para proteger suas vidas”, questionou, “As famílias ficam do lado de fora dos centros sem saber se eles estão vivos ou feridos”. O país tem 2.800 agentes de segurança penitenciária guardando uma população de mais de 30 mil prisioneiros.

A incerteza aumentou com a circulação de vários vídeos que mostravam guardas ajoelhados, algemados ou até mesmo ameaçados com facas pelos detentos, que os forçavam a ler uma mensagem exigindo que o governo não transferisse os prisioneiros para outras instalações porque eles atentariam contra suas vidas.

O presidente Daniel Noboa, em uma entrevista recente na Radio Canela, enfatizou que seu governo não cederia à pressão de grupos que tentam pressioná-lo a sair das prisões.

A segurança rodou o carro do presidente do Equador, Daniel Noboa, quando a estação de rádio Canela foi vendida, onde ele deu uma entrevista em Quito, Equador, nos dias 10 de janeiro de 2024.  Foto: Dolores Ochoa / AP

“Eles mesmos divulgam imagens para aterrorizar o público e ver se conseguem colocar o presidente da república de joelhos, o que não vai acontecer”, disse ele. “Estamos fazendo todos os esforços para recuperar todos os reféns”, disse ele.

“É difícil, é duro e eu me solidarizo com as famílias, (mas) estamos em um estado de guerra e não podemos ceder a esses grupos terroristas”, enfatizou.

Ação judicial

Jaime Vela, chefe do Comando Conjunto das Forças Armadas, afirmou há alguns dias que “o SNAI tem que fazer seu trabalho para poder continuar a libertar os reféns”, mas descartou uma negociação por parte dos militares. “Ainda há certos grupos que querem exercer pressão e nós não vamos ceder.”

Publicidade

Diante da situação, o sindicato dos funcionários públicos entrou com uma “ação constitucional de proteção” demandando que o SNAI forneça garantias para proteger a integridade física, psicológica e sexual dos funcionários detidos, disse o advogado Diego Pozo à AP. Medidas cautelares também foram solicitadas perante a Corte Interamericana de Direitos Humanos, disse ele.

“Eles foram detidos em seus próprios locais de trabalho e a autoridade máxima não disse nada e não fez nada”, afirmou o jurista.

Enquanto isso, as patrulhas e operações policiais continuaram no sábado na capital e em outras cidades do país, que está em estado de emergência desde segunda-feira devido a uma série sem precedentes de ataques violentos.

A polícia informou em sua conta na rede social X que recapturou dois dos seis detentos que “escaparam” na noite de sexta-feira da Penitenciária do Litoral, uma das mais perigosas do país.

A onda de violência aumentou com o desaparecimento do traficante de drogas Adolfo Macias, conhecido como Fito, de uma prisão em Guayaquil no último domingo. Segundo as autoridades, Macias lidera o Los Choneros, uma das gangues mais perigosas ligadas ao cartel mexicano de Sinaloa, que controla o tráfico de drogas ao longo da rota do Pacífico e é acusado de todos os tipos de crimes.

Últimos balanços

O último balanço oficial do estado de emergência registra 1.105 pessoas presas, 94 delas por “terrorismo”, e cinco criminosos classificados como “terroristas” mortos. Não foi detalhado se essas mortes fazem parte das 14 mortes registradas em Guaiaquil. Além disso, 28 grupos criminosos foram desmantelados, acrescentou o relatório.

A AP solicitou à polícia um número de mortos, mas não obteve resposta.

Além disso, 21 ataques contra infraestruturas públicas e privadas e a apreensão de 413 armas de fogo, 224 armas brancas, 338 explosivos, mais de 8.700 cartuchos de munição e 1.487 dólares foram registrados na execução de cerca de 10.478 operações./AP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.