PUBLICIDADE

EUA realizam 1ª execução com asfixia por nitrogênio para matar homem que escapou de injeção letal

O estado executou Kenneth Smith nesta quinta-feira usando o método não testado de hipóxia de nitrogênio depois que a Suprema Corte se recusou a intervir

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

THE NEW YORK TIMES - O Estado do Alabama, nos EUA, realizou a primeira execução americana com gás nitrogênio na noite desta quinta-feira, 25, contra um assassino condenado cujo júri havia votado para poupar sua vida. A medida abriu uma nova fronteira na forma como os Estados executam prisioneiros no corredor da morte.

PUBLICIDADE

O prisioneiro condenado, Kenneth Smith, 58 anos, foi declarado morto às 20h25, horário central, de acordo com a governadora do Alabama, Kay Ivey. Os advogados de Smith disseram que acreditam ser a primeira execução com nitrogênio no mundo.

Foi a segunda vez que o Alabama tentou matar Kenneth, depois de uma injeção letal fracassada em novembro de 2022, na qual os médicos não conseguiram encontrar uma veia adequada antes que sua sentença de morte expirasse.

Esta foto sem data fornecida pelo Departamento de Correções do Alabama mostra o presidiário Kenneth Eugene Smith, que foi condenado pelo assassinato de aluguel da esposa de um pregador em 1988.  Foto: Alabama Department of Corrections via AP

A Suprema Corte permitiu que a execução fosse levada adiante, apesar das objeções de seus três juízes liberais e das preocupações dos oponentes da pena de morte, que disseram que o método não testado poderia causar sofrimento a Kenneth.

Smith foi um dos três homens condenados pelo assassinato, em 1988, de uma mulher cujo marido, um pastor, os havia recrutado para matá-la.

O protocolo divulgado pelas autoridades penitenciárias previa amarrar Smith a uma maca na câmara de execução do estado em Atmore, no Alabama, e bombear nitrogênio para uma máscara em sua cabeça, privando-o de oxigênio.

A ordem da Suprema Corte que permitiu que a execução fosse realizada não forneceu uma explicação, como geralmente acontece quando os juízes decidem sobre pedidos de emergência. Os três membros liberais do tribunal discordaram da decisão da maioria.

Publicidade

Em uma forte declaração de discordância, a juíza Sonia Sotomayor expressou preocupações sobre o novo método do Alabama. “Não tendo conseguido matar Smith em sua primeira tentativa, o Alabama o escolheu como ‘cobaia’ para testar um método de execução nunca experimentado”, escreveu ela. “O mundo está assistindo.”

O que é hipóxia de nitrogênio e como funciona?

A hipóxia de nitrogênio, como o método é conhecido, tem sido usada em alguns suicídios assistidos na Europa e em outros lugares, embora o método preciso usado pelo Alabama seja diferente da prática comum. Os advogados do Estado argumentaram que a morte por hipóxia de nitrogênio, como é conhecida, é indolor, com a inconsciência ocorrendo em questão de segundos, seguida pela parada do coração. Eles também observaram que o próprio Smith e seus advogados identificaram o método como preferível à prática problemática da injeção letal no estado.

Os advogados do condenado alegaram que o Alabama não estava adequadamente preparado para realizar a execução, que uma máscara - em vez de um saco ou outro invólucro - poderia teoricamente permitir a entrada de oxigênio suficiente para prolongar o processo e fazer com que o prisioneiro sofresse, e que Smith, que ultimamente tem experimentado náuseas frequentes, poderia sufocar sob a máscara se vomitasse.

A governadora Ivey disse em um comunicado que optou por não exercer seu poder de clemência para poupar Smith.

PUBLICIDADE

“A execução foi realizada legalmente por hipóxia de nitrogênio, o método solicitado anteriormente por Smith como alternativa à injeção letal”, disse Ivey. “Finalmente, Smith recebeu o que pediu, e esse caso pode finalmente ser encerrado.”

Em sua última petição para que a Suprema Corte interviesse, os advogados do condenado argumentaram que o plano do Alabama para sua execução, incluindo o que eles descrevem como uma “máscara de tamanho único”, criaria um risco substancial de que ele “ficasse em estado vegetativo persistente, sofresse um derrame ou se asfixiasse em seu próprio vômito”.

O nitrogênio compõe cerca de 78% do ar da Terra e normalmente é inofensivo; o oxigênio, que compõe cerca de 21%, é essencial para a vida humana. Mas quando o nitrogênio é bombeado para em um recinto ou de uma máscara, ele pode rapidamente expulsar o oxigênio e levar à inconsciência rápida e à morte.

O Dr. Philip Nitschke, um pioneiro em suicídio assistido que estima ter testemunhado cerca de 50 mortes por nitrogênio, disse que o uso de uma máscara pelo Alabama poderia causar problemas se houvesse um vazamento que permitisse a entrada de muito oxigênio. Ele disse que poderia imaginar uma série de cenários em potencial, desde uma morte rápida até uma que envolvesse sofrimento e dor substanciais.

A Suprema Corte já se recusou a intervir no recurso dos advogados em um caso separado na quarta-feira, no qual eles argumentaram que a tentativa de executar Smith pela segunda vez equivalia a uma punição cruel e incomum inconstitucional, em parte devido ao quão angustiante foi a tentativa fracassada de execução em 2022.

O que torna o caso diferente?

O caso de Smith é único, em parte porque o júri que o condenou por assassinato também votou por 11 votos a 1 para condená-lo à prisão perpétua, em vez da morte, mas o juiz anulou a decisão. Desde então, o Alabama tornou ilegal que juízes anulem júris que recomendaram uma sentença de prisão perpétua - uma proibição que agora existe em todos os Estados - mas a nova lei não se aplicava a casos anteriores.

A execução ocorreu em um trecho rural do sul do Alabama, a cerca de uma hora de carro a nordeste de Mobile, perto da fronteira com a Flórida. Os policiais bloquearam a estrada para a prisão William Holman, onde a execução ocorreu, e ela estava envolta em árvores, fora da vista da rodovia próxima.

Um punhado de manifestantes contrários à pena de morte se reuniu por um tempo em uma zona de protesto designada nas proximidades, mas a estrada de terra foi rapidamente marcada por poças de lama após uma forte chuva.

Ex-presidiários da morte que foram exonerados, a partir da esquerda, Randall Padgent, Gary Drinkard e Ron Wright, estavam entre os quase cem manifestantes reunidos no edifício do Capitólio do estado em Montgomery, Alabama, na terça-feira, 23 de janeiro de 2024, para pedir ao governador Kay Ivey para impedir a execução planejada de Kenneth Eugene Smith.  Foto: Mickey Welsh/The Montgomery Advertiser via AP

Antes da execução na quinta-feira, uma porta-voz da Casa Branca se recusou a comentar o fato.

Publicidade

“Esse é um caso ao nível estadual e não vou falar sobre os detalhes desse caso em particular”, disse a porta-voz, Olivia Dalton, acrescentando que o presidente Biden tem amplas preocupações sobre como a pena de morte “é implementada e se é ou não consistente com nossos valores de equidade e justiça”.

A política de pena de morte

Biden fez campanha para acabar com a pena de morte federal depois que ela foi ressuscitada pelo ex-presidente Donald Trump. Sob o comando de Biden, o Departamento de Justiça instituiu uma moratória nas execuções federais, mas o departamento também disse este mês que buscaria a pena de morte contra o atirador branco que matou 10 pessoas negras em um ataque racista em um supermercado de Buffalo.

A execução de quinta-feira levantou a possibilidade de que o método também seja examinado por outros Estados que enfrentam problemas crescentes para obter medicamentos para injeção letal das empresas farmacêuticas devido à pressão de grupos médicos, ativistas e advogados. Mississippi e Oklahoma autorizaram suas prisões a realizar execuções por hipóxia de nitrogênio se não puderem usar a injeção letal, embora nunca tenham tentado fazer isso.

O que levou Smith a pena de morte?

A Sra. Sennett foi esfaqueada 10 vezes no ataque por Smith e outro homem, segundo os documentos do tribunal. Seu marido, Charles Sennett, havia recrutado um homem para cuidar de seu assassinato, que por sua vez recrutou Smith e um terceiro homem. Sennett organizou o assassinato em parte para cobrar uma apólice de seguro que ele havia contratado para sua esposa, de acordo com os registros do tribunal. Ele havia prometido aos homens US$ 1 mil cada um pelo assassinato.

Sennett se matou mais tarde; um dos outros homens envolvidos no assassinato foi executado por injeção letal em 2010, e o terceiro foi condenado à prisão perpétua e morreu em 2020./NYT

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.