PUBLICIDADE

Comentários de Trump colocam em risco negociações para liberar ajuda de US$ 60 bi à Ucrânia

Líder da minoria no Senado, Mitch McConnell reconheceu dificuldades nas negociações em uma reunião privada

Por Liz Goodwine e Leigh Ann Caldwell

O destino de um acordo bipartidário da política de fronteira que os republicanos do Senado exigiram para financiar a ajuda à Ucrânia ficou mais sombrio esta semana, depois que o líder da minoria no Senado, Mitch McConnell, reconheceu aos republicanos que a oposição do ex-presidente Donald Trump complicou o futuro das negociações.

PUBLICIDADE

Os republicanos exigiram mudanças rigorosas na política de fronteiras para aprovar US$ 60 bilhões em ajuda à Ucrânia solicitada pela Casa Branca no ano passado, e um pequeno grupo de negociadores do Senado estava se aproximando de um acordo na semana passada, quando Trump criticou as negociações em uma postagem em rede social que dizia que ele só aceitaria um acordo “PERFEITO”. Trump também telefonou para os senadores Lindsey Graham e James Lankford para falar sobre o acordo, segundo o senador John Cornyn.

Em uma reunião a portas fechadas na tarde de quarta-feira, 24, McConnell, que está pressionando pelo financiamento da Ucrânia e relutantemente concordou em vincular a ajuda externa à segurança da fronteira, reconheceu que pode não haver um caminho para a aprovação de um acordo de fronteira, de acordo com duas pessoas familiarizadas com seus comentários, que falaram sob condição de anonimato para discutir a reunião privada.

As dúvidas de McConnell foram divulgadas depois que um número significativo de senadores republicanos, apoiados pela mídia de direita, expressou cada vez mais sua oposição a um acordo de segurança na fronteira antes que os detalhes fossem divulgados e mesmo quando eles deram o alarme sobre o fluxo de migrantes na fronteira.

As negociações estão concentradas em dificultar a busca de asilo por parte dos migrantes, em mudanças no uso da liberdade condicional pelo presidente para os migrantes e em um mecanismo para fechar efetivamente a fronteira nos dias em que as travessias forem particularmente altas. O pacote geral de ajuda inclui assistência militar para Israel, Ucrânia e nações do Indo-Pacífico, bem como ajuda humanitária e fundos para a fronteira dos EUA.

Líder da minoria no Senado, Mitch McConnell reconheceu dificuldades nas negociações após declarações de Trump. Foto: SAMUEL CORUM / Getty Images via AFP

As negociações estão em andamento, disse McConnell aos repórteres na manhã desta quinta-feira, 25, e um importante aliado de McConnell disse na quinta-feira que o líder não estava desistindo das negociações. “O que ele estava falando era sobre o que ele via como uma espécie de desafios políticos para seguir em frente”, disse Cornyn. “Ele não estava acenando com a bandeira branca sobre a segurança na fronteira.”

Mas a liderança começou a discutir a retirada da parte de segurança de fronteira do pacote de ajuda e a avançar com um projeto de lei de financiamento suplementar que incluiria ajuda para a Ucrânia, Israel e o Indo-Pacífico, de acordo com três pessoas familiarizadas com as discussões.

Publicidade

McConnell disse em sua conferência na quarta-feira que as circunstâncias para um acordo de fronteira mudaram, apontando para a provável nomeação presidencial de Trump após sua vitória nas primárias de New Hampshire, segundo as pessoas familiarizadas com seus comentários, que foram relatados pela primeira vez pelo Punchbowl News.

Trump incentivou publicamente os republicanos em sua conta na rede social Truth Social a não aceitarem nenhum acordo de fronteira com os democratas na semana passada, prometendo conseguir um acordo melhor quando ele for presidente — uma teoria que vários republicanos questionaram.

O presidente da Câmara dos Representantes, Mike Johnson, disse recentemente na Fox News que Trump estava “extremamente inflexível” quanto ao fato de que o acordo deveria ser rejeitado. “Ele e eu temos conversado sobre isso com bastante frequência”, disse Johnson.

Os comentários de McConnell foram feitos durante uma reunião sobre a questão do financiamento da Ucrânia enquanto ela continua a se defender de uma invasão russa — uma das principais prioridades de McConnell, mesmo que tenha se tornado impopular entre os eleitores republicanos.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Vários senadores do Partido Republicano argumentaram contra a continuidade do envio de ajuda dos EUA ao país em apuros. ”Todos têm a mesma opinião sobre Vladimir Putin: ele é um bandido”, disse o senador Mike Braun sobre o tom da reunião. “Ele invadiu um país. Para muitos, é uma questão de saber se isso terá de ser uma questão resolvida, negociada, ou se, se continuar gastando dinheiro, haverá algum tipo de resultado.”

Alguns conservadores argumentaram que um acordo sobre a fronteira daria uma vitória ao presidente Biden em uma de suas questões mais vulneráveis, já que ele está a menos de um ano de sua reeleição.

Os defensores republicanos das negociações apontaram que, se aprovado, o acordo representaria a primeira vez em décadas que qualquer negociação sobre segurança de fronteira não incluiria exigências democratas para fornecer cidadania ou residência legal a imigrantes sem documentos que vivem nos Estados Unidos, como o Dream Act.

Publicidade

“Acho que a fronteira é uma questão muito importante para Donald Trump. E o fato de que ele comunicaria aos senadores e deputados republicanos que não quer que resolvamos o problema da fronteira porque quer culpar Biden por isso é realmente terrível”, disse o senador Mitt Romney a repórteres na quinta-feira.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.