PUBLICIDADE

Inflação alta, Guerra na Ucrânia, Metaverso, Trump vs Biden: as 10 tendências do mundo em 2023

Todos os desafios que serão tendência no mundo no próximo ano estão acoplados, como uma série de engrenagens interligadas. Aqui estão dez temas e tendências a serem observados

PUBLICIDADE

Por Tom Standage*

Depois de dois anos em que a pandemia foi a força que moldou o futuro imediato, o principal motor agora é a guerra na Ucrânia. Nos próximos meses, o mundo terá que lidar com a imprevisibilidade do impacto do conflito na geopolítica e na segurança; a luta para controlar a inflação; caos nos mercados de energia; e o caminho pós-pandêmico incerto da China.

Para complicar ainda mais, todas essas coisas estão acopladas, como uma série de engrenagens interligadas. Aqui estão dez temas e tendências a serem observados no próximo ano.

1. De olho na Guerra na Ucrânia

Preços de energia, inflação, taxas de juros, crescimento econômico, escassez de alimentos – tudo depende de como o conflito se desenvolverá nos próximos meses. O rápido progresso da Ucrânia pode ameaçar Vladimir Putin, mas um impasse parece ser o resultado mais provável. A Rússia tentará prolongar o conflito na esperança de que a escassez de energia e as mudanças políticas nos Estados Unidos prejudiquem o apoio ocidental à Ucrânia.

Menina passa em frente a um mural que retrata a crise entre Rússia e Ucrânia, em Mumbai, na Índia  Foto: Francis Mascarenhas / EFE

2. As recessões se aproximam

As principais economias entrarão em recessão à medida que os bancos centrais aumentarem as taxas de juros para conter a inflação, um efeito colateral da pandemia desde então inflamado pelos altos preços da energia. A recessão americana deve ser relativamente branda; A da Europa será mais brutal. A dor será global, pois o dólar forte prejudica os países pobres já atingidos pelo aumento dos preços dos alimentos.

3. É o clima, estúpido

À medida que os países correm para garantir seus suprimentos de energia, estão voltando para os combustíveis fósseis sujos. Mas, a médio prazo, a guerra acelerará a mudança para as energias renováveis como uma alternativa mais segura aos hidrocarbonetos fornecidos pelos autocratas. Além da energia eólica e solar, a nuclear e o hidrogênio também se beneficiarão.

4. Pico da China?

Em algum momento de abril, a população da China será ultrapassada pela da Índia, que chegará a 1,43 bilhão. Com a população da China em declínio e sua economia enfrentando ventos contrários, espere muita discussão sobre se o país atingiu seu pico demográfico. Um crescimento mais lento significa que sua economia pode nunca ultrapassar a dos Estados Unidos em tamanho.

5. EUA dividido

Embora os republicanos tenham se saído pior do que o esperado nas eleições de meio de mandato, as divisões sociais e culturais sobre aborto, armas e outras questões controvertidas continuam a aumentar após uma série de decisões polêmicas da Suprema Corte. A entrada formal de Donald Trump na corrida presidencial de 2024 colocará lenha na fogueira.

Publicidade

6. Conflitos vão espocar por aí

O foco intenso na guerra na Ucrânia aumenta o risco de conflito em outros lugares. Com a Rússia distraída, os conflitos estouram em seu quintal. A China pode decidir que nunca haverá um momento melhor para fazer um movimento em Taiwan. As tensões Índia-China podem aumentar no Himalaia. E a Turquia pode tentar capturar uma ilha grega no mar Egeu?

Um helicóptero de ataque AH-1W é visto durante um exercício militar em Hualien, no leste de Taiwan  Foto: Tyrone Siu / Reuters

7. Mudança de alianças

Em meio a mudanças geopolíticas, as alianças estão respondendo. A Otan, revitalizada pela guerra na Ucrânia, receberá dois novos membros. A Arábia Saudita se juntará aos acordos de Abraão, um bloco emergente? Outros agrupamentos de importância crescente incluem o Quad e o Aukus (dois clubes liderados pelos americanos destinados a lidar com a ascensão da China) e o I2U2 – não é uma banda de rock, mas um fórum de sustentabilidade que liga Índia, Israel, Emirados Árabes Unidos e Estados Unidos.

8. Turismo da vingança

Tome esta, covid! À medida que os viajantes se envolvem no turismo de “vingança” pós-bloqueio, os gastos dos viajantes quase recuperarão seu nível de US$ 1,4 trilhão em 2019, mas apenas porque a inflação aumentou os preços. O número real de viagens turísticas internacionais, de 1,6 bilhão, ainda estará abaixo do nível pré-pandêmico de 1,8 bilhão em 2019. As viagens de negócios permanecerão fracas à medida que as empresas cortam custos.

9. O metaverso vem aí?

Será que a ideia de trabalhar e jogar em mundos virtuais vai além dos videogames? 2023 fornecerá algumas respostas quando a Apple lançar seu primeiro fone de ouvido e a Meta decidir se deve mudar sua estratégia à medida que o preço de suas ações definha. Enquanto isso, uma mudança menos complicada e mais imediatamente útil pode ser o surgimento de “chaves de acesso” para substituir as senhas.

10. Ano novo, jargão novo

PUBLICIDADE

Nunca ouviu falar em chave-mestra? Não tema! Reunimos o vocabulário vital que será útil em 2023. Nimbys estão fora e Yimbys estão dentro; as criptomoedas não são legais e a criptografia pós-quântica é quente; mas você pode definir um conflito congelado ou synfuel? Estamos protegendo você.

Em retrospecto, a pandemia marcou o fim de um período de relativa estabilidade e previsibilidade na geopolítica e na economia. O mundo de hoje é muito mais instável, convulsionado pelas vicissitudes da rivalidade entre grandes potências, os tremores secundários da pandemia, turbulência econômica, clima extremo e rápidas mudanças sociais e tecnológicas.

A imprevisibilidade é o novo normal. Não há como fugir disso. Mas esperamos que a leitura do The World Ahead 2023 ajude você a enfrentar essa nova realidade com confiança.

Publicidade

* É editor do especial The World Ahead 2023 da revista The economist

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.