Imprensa da Síria acusa Israel de bombardear bairro residencial de Damasco e matar dois civis

Observatório Sírio de Direitos Humanos e emissora de TV local relataram que bombardeio atingiu um prédio residencial em bairro rico da capital síria

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Pelo menos duas pessoas morreram nesta quarta-feira, 21, em um bombardeio atribuído a Israel em um bairro da capital da Síria, disse uma ONG e a televisão estatal do país árabe. “Um ataque israelense com mísseis atingiu o bairro residencial de Kafr Sousa na capital Damasco”, afirmou a televisão estatal da Síria.

“Pelo menos duas pessoas morreram no ataque aéreo israelense contra um apartamento” nesse distrito, disse, por sua vez, o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), uma ONG com sede no Reino Unido que dispõe de uma ampla rede de fontes nesse país.

Edifício em Damasco, capital da Síria, atingido por míssil Foto: Youssef Badawi/EFE

PUBLICIDADE

Kafr Sousa é um bairro rico de Damasco que acolhe edifícios oficiais, quartéis do Exército e dos corpos de segurança e um centro cultural iraniano perto do imóvel atingido pelo ataque, revelou a organização.

A agência estatal Sana publicou imagens que mostram um edifício de vários andares com parte da fachada queimada e as janelas quebradas. Ainda saíam chamas de um apartamento que supostamente foi atingido pelo projétil.

Segundo um fotógrafo da AFP, o ataque atingiu um edifício de nove andares e o quarto ficou bastante danificado. As autoridades isolaram a área, onde os bombeiros tentavam apagar as chamas, acrescentou.

Desde a eclosão da guerra civil da Síria em 2011, Israel lançou centenas de ataques aéreos contra seu vizinho, principalmente contra grupos armados apoiados pelo Irã como o Hezbollah, mas também contra posições do Exército.

Israel raramente comenta os ataques na Síria, mas afirmou diversas vezes que não permitirá que o Irã, seu arqui-inimigo regional e patrocinador do regime do presidente Bashar al Assad, expanda sua presença no país./AFP.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.