PUBLICIDADE

Na guerra da Rússia na Ucrânia, como é a espera pelo confronto? Veja imagens

Fotógrafo do jornal ‘The New York Times’ passou quatro dias em um remoto posto avançado da Ucrânia a cem metros das trincheiras russas no leste ucraniano

Por Tyler Hicks (The New York Times)

As caminhonetes com marcas de balas corriam ao amanhecer ao longo de uma estrada de terra irregular que atravessava uma densa floresta de pinheiros. Vários idiomas eram falados pelos homens dentro delas - ucraniano, espanhol, português, polonês - mas poucas palavras. Não era um momento para conversa fiada.

PUBLICIDADE

Eles tinham vindo para combater os russos. Os caminhões mal paravam para descarregar seus passageiros antes de acelerar novamente. A qualquer momento, drones armados poderiam aparecer no alto. Por isso, quando os homens continuavam a pé, também o faziam com urgência.

Os soldados da 2ª Legião Internacional haviam chegado. Depois de deixar seus veículos, os soldados se prepararam para terminar a jornada a pé.

Soldados da Legião Internacional chegam ao amanhecer para um rodízio em uma posição de linha de frente na Floresta Serebrianka, no leste da Ucrânia Foto: Tyler Hicks / The New York Times

O caminho dos soldados, entre milhares de combatentes estrangeiros que se alistaram para ajudar a Ucrânia após a invasão da Rússia, contava uma história de guerra.

A floresta de Serebrianka, no leste da Ucrânia, estava marcada por meses de combates. Agora, naquela manhã de fevereiro, os ursos, veados, raposas e pássaros que antes viviam ali sem serem perturbados não eram vistos em lugar algum. Muitas das árvores e plantas que os sustentavam haviam sido derrubadas e queimadas por artilharia, morteiros e fogo de tanques.

À medida que caminhavam, os homens viam crateras de bombas, algumas antigas, outras tão recentes que um confete verde de folhas trituradas ficava sob os pés. Passaram por uma cruz improvisada, duas varas grosseiramente amarradas, marcando o local onde um soldado ucraniano havia pisado em uma mina.

Então chegaram lá: a linha de trincheira coberta de neve que seria o lar de sua rotação.

Publicidade

Soldados ucranianos fortificam trincheiras em uma posição de linha de frente na Floresta Serebrianka, no leste da Ucrânia  Foto: Tyler Hicks/The New York Times

Vista do bunker ucraniano.

Os soldados que eles tinham vindo substituir estavam esperando por eles e se afastaram rapidamente. Poucos minutos depois de sua chegada, os novos combatentes foram atacados por russos de uma linha de árvores próxima.

Liderados por seu comandante ucraniano, Tsygan, os soldados da 2ª Legião Internacional responderam com uma barragem de artilharia própria, e os disparos de armas pequenas que entravam e saíam formavam uma orquestra confusa e em staccato.

Um soldado ucraniano após disparar uma granada propelida por foguete contra uma posição russa na Floresta Serebrianka, no leste da Ucrânia Foto: Tyler Hicks/The New York Times
Combate na floresta de Serebrianka, na Ucrânia, em 6 de fevereiro de 2024: soldados da legião estrangeira chegam a todo momento para batalha a menos de 100 metros das forças russas  Foto: Tyler Hicks/The New York Times

Trinta minutos depois, a luta diminuiu e os soldados acenderam cigarros. Eles estariam sozinhos nesse posto avançado, com a infantaria russa a apenas um campo de futebol de distância.

Em muitos aspectos, a posição tinha uma sensação de tempo que não passa.

Uma rede de abrigos e bunkers cobertos de troncos era interligada por um labirinto rudimentar de trincheiras cavadas à mão, algumas amarradas com redes de camuflagem. À frente não havia nada além de soldados russos.

A neve, a chuva, o vento e a guerra desmoronam as trincheiras e os bunkers que ajudam a manter os soldados vivos nesta guerra. Nos intervalos entre os combates, os soldados constantemente as fortificam, consertam e aprofundam.

Depois de deixar um veículo, um soldado da Legião Internacional se prepara para terminar a jornada a pé até uma posição na linha de frente na Floresta Serebrianka, no leste da Ucrânia Foto: Tyler Hicks/The New York Times

Mas, apesar de toda a semelhança com a guerra de trincheiras da Europa há um século, muita coisa mudou.

Publicidade

Um soldado não ergueu uma Mauser em seu ombro, mas uma arma anti-drone que apontou para o céu. Ela era silenciosa, direcionando um sinal invisível com o objetivo de desativar os drones inimigos e fazê-los cair no chão.

Esse tipo de arma tem se tornado cada vez mais comum em um campo de batalha em que é quase impossível para qualquer um dos lados se mover sem ser detectado, com operadores de drones incessantemente inspecionando e direcionando bombardeios de um laptop a até 10 quilômetros de distância.

Uma pausa nos combates.

Há muitos motivos pelos quais um estrangeiro pode se alistar para lutar em uma guerra que não tem nada a ver com ele.

Um deles, claro, é o dinheiro. Os contratos por tempo indeterminado na Ucrânia pagam, em média, cerca de US$ 2.500 por mês, uma quantia tentadora para alguns dos homens que vieram para lá de países com poucas oportunidades econômicas boas para eles.

Um soldado ucraniano fuma um cigarro durante uma pausa nos combates em uma posição de linha de frente na Floresta Serebrianka, no leste da Ucrânia, em 6 de fevereiro de 2024 Foto: Tyler Hicks/The New York Times

Mas alguns combatentes no posto na floresta da 2ª Legião Internacional, que foi criada sob a direção do presidente ucraniano nos dias após a invasão da Rússia em fevereiro de 2022, disseram que estavam procurando algo mais.

Um soldado, um polonês que atende pelo codinome Konrad 13, descreveu a guerra como um chamado, até mesmo uma bênção. Ele diz que teve uma educação problemática em seu país. Então, aos 41 anos, ele se sentiu em um beco sem saída.

Sim, o salário é atraente, disse Konrad, mas também o era sentir um senso de propósito. “Quando vim para cá, minha vida mudou”, disse. “Comecei a crescer aqui. Tem sido uma evolução, e senti que minha vida voltou para mim. Mudei e me tornei um tipo diferente de pessoa. Esta é minha família agora - minha verdadeira família”.

Publicidade

Ao longo de seu rodízio - o exército ucraniano proíbe que se diga quanto tempo dura e quantos combatentes há na unidade - os homens se envolveram em vários confrontos com os russos do outro lado do caminho.

Vista de um bunker ucraniano a menos de 100 metros de uma posição russa na Floresta Serebrianka, no leste da Ucrânia Foto: Tyler Hicks/The New York Times

Durante o dia, os combates começavam a cada três ou quatro horas, geralmente com duração de uma hora. À noite, vinham as bombas.

No final do rodízio, com um novo grupo de soldados chegando para substituí-los, os soldados prepararam suas mochilas para a viagem. Mas eles tiveram que esperar: um drone russo havia aparecido no alto da borda da última trincheira.

Passou-se mais de uma hora até que Tsygan liberasse seus homens para se aventurarem no espaço aberto que os separava das trincheiras e para um momento de paz.

Antes que chegasse a hora de voltar à luta.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.