Na Rússia sob censura de Putin, vencedor do Nobel luta para manter vivo o jornalismo independente

Dmitri Muratov decidiu manter a cobertura da Novaya Gazeta, adaptando-se às leis impostas pelo Kremlin

PUBLICIDADE

Por Paul Sonne e Mary Ilyushina
Atualização:
14 min de leitura

THE WASHINGTON POST - O vencedor do Prêmio Nobel da Paz em 2021, Dmitri Muratov, editor do jornal independente russo Novaya Gazeta, convocou uma reunião de emergência minutos depois que o presidente russo, Vladimir Putin, lançou sua guerra contra a Ucrânia.

“Estamos de luto”, disse Muratov em um discurso em vídeo após a reunião na sede do jornal em Moscou. “Nosso país, por ordem do presidente Putin, iniciou uma guerra com a Ucrânia e não há ninguém para parar a guerra. Portanto, junto com a dor, carregamos a vergonha.”

Muratov canalizou a agonia de sua redação em desafio. “A Rússia está bombardeando a Ucrânia” em letras enormes na capa da próxima edição do jornal. As histórias foram impressas lado a lado em russo e ucraniano. “Não reconhecemos a Ucrânia como um inimigo ou o ucraniano como a língua de um inimigo”, disse ele em seu vídeo. “E nunca o faremos.”

O jornalista russo Dmitri Muratov recebe o Prêmio Nobel da Paz em Oslo, em 10 de dezembro de 2021. Foto: Odd Andersen/AFP

Quase um mês depois, essa manchete de primeira página é ilegal. E Muratov é praticamente o último homem entre Putin e uma mídia independente na Rússia.

O coração-leão do jornalismo russo, de 60 anos, há décadas administra a Novaya Gazeta em momentos angustiantes, incluindo os assassinatos de seus próprios repórteres. Agora, enquanto a nação caminha rumo ao totalitarismo, ele enfrenta a possibilidade da morte do próprio jornalismo russo.

No processo, Muratov se deparou com uma escolha que afligiu muitos ganhadores do Prêmio Nobel que encaravam o despotismo: se agarrar à pureza dos ideais (e fechar o jornal) ou continuar dentro das restrições de um sistema repressivo (e mantê-lo vivo).

Continua após a publicidade

Muratov escolheu a última. Enquanto centenas de jornalistas fugiram da Rússia, ele ainda está em Moscou publicando o Novaya Gazeta três vezes por semana. Mas o jornal deve cumprir uma nova lei de censura, assinada em 4 de março, que ameaça com até 15 anos de prisão a publicação do que a Rússia chama de notícias “falsas” sobre os militares do país. Entre outras coisas, a censura significa que a mídia russa não pode chamar a guerra de guerra - apenas de “operação militar especial”.

A Novaya Gazeta está tecnicamente cumprindo a nova lei da Rússia, mas está longe de ser intimidada - contando com narrativa visual, testemunho em primeira mão, transparência sobre omissões e significado implícito para transmitir o horror da guerra a um público russo que pode ler nas entrelinhas.

“Ouça, não vou me dar um tiro no pé só para fugir dessa batalha de informações”, disse Muratov em entrevista por telefone de Moscou. “Quando o governo quer nos calar, eles vão nos calar. Mas não vou contra a vontade de nossos jornalistas e leitores e apagar as luzes aqui sozinho.”

‘Censura é proibida’

Durante a maior parte da história moderna da Rússia, a liberdade de imprensa foi a exceção e não a norma. Mas na década de 1980, a política de glasnost - ou abertura - do líder soviético Mikhail Gorbachev levou a um despertar da cobertura jornalística crítica que se tornou mais robusta após o colapso da União Soviética em 1991.

Em 1993, Muratov e um grupo de outros jornalistas romperam com o Komsomolskaya Pravda, que já foi o órgão oficial da liga juvenil Komsomol da União Soviética, para criar o Novaya Gazeta. Para fundar o jornal, os jornalistas investiram seu próprio dinheiro e receberam ajuda de Gorbachev, usando recursos do Prêmio Nobel da Paz recebido pelo ex-líder soviético para comprar computadores.

Continua após a publicidade

O editor-chefe da Novaya Gazeta, Dmitri Muratov, entrevista o então presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, em 13 de abril de 2009. Foto: Ria Novosti/Reuters

Na época, a liberdade de imprensa na Rússia parecia irrevogável. No final de 1993, os russos votaram para aprovar sua nova constituição, que declarava claramente, como ainda faz: “A liberdade da mídia está garantida. A censura é proibida.”

A Novaya se consolidou como a principal publicação da intelectualidade liberal da Rússia durante o auge do jornalismo independente na década de 1990. O jornal prosseguiu com uma cobertura investigativa pioneira, particularmente da guerra na Chechênia, apesar de um ambiente cada vez pior para a imprensa do país.

Na década seguinte, quando Putin tomou o controle dos canais de televisão do país para construir uma máquina de propaganda, o jornal enfrentou uma forma diferente de pressão. Seis membros de sua equipe foram mortos de 2000 a 2009 - um teve a cabeça esmagada com um martelo; outro envenenado; outro sequestrado, seu corpo encontrado mais tarde na beira de uma estrada. A repórter Anna Politkovskaia foi morta a tiros no elevador de seu prédio em 2006.

Quando Muratov chegou a Oslo em dezembro passado para receber seu Prêmio Nobel da Paz - como co-vencedor, ao lado da jornalista filipina Maria Ressa - a mídia independente da Rússia se mantinha viva com ajuda de aparelhos. As autoridades de Putin estavam rotulando muitos dos melhores jornalistas de “agentes estrangeiros” e os forçando a fugir do país.

Em seu discurso no Nobel, Muratov alertou que o governo da Rússia estava se agitando em direção à guerra e disse que os jornalistas continuariam sua missão de testemunhar. “À medida que os governos melhoram continuamente o passado”, disse ele, “os jornalistas tentam melhorar o futuro”.

Na terça-feira, Muratov anunciou que ele e o jornal decidiram leiloar sua medalha do Nobel e dar os lucros aos refugiados ucranianos.

Continua após a publicidade

‘Vamos continuar a trabalhar’

Quando Putin invadiu a Ucrânia, repórteres e editores do Novaya Gazeta já haviam realizado uma conversa séria sobre o que o jornal faria se uma guerra eclodisse e sobre as dificuldades decorrentes da guerra - uma espécie de verificação de quem estava pronto e quem não estava.

“Mas até o último segundo, não tínhamos certeza de que em um instante eles destruiriam a vida de toda uma futura geração de ucranianos e russos”, disse Muratov. A decisão tomada naquela reunião de 24 de fevereiro de publicar a primeira edição do jornal em russo e ucraniano procurou enfatizar “nossa postura em relação ao povo da Ucrânia”, acrescentou.

Repórteres e editores do Novaya Gazeta se reuniram antes da invasão russa à Ucrânia para decidir se seguiriam trabalhando em caso de guerra. Foto: NTB

“É impossível viver da mesma maneira que você vivia antes quando os bombardeiros e a artilharia de seu país estão por perto demolindo as cidades de um país estrangeiro”, disse Muratov.

Dentro de dois dias, o regulador de comunicações da Rússia, Roskomnadzor, ameaçou bloquear a Novaya Gazeta e exigiu a exclusão de “informações falsas sobre o bombardeio de cidades ucranianas e a morte de civis ucranianos como resultado das atividades do Exército russo”.

O regulador mirou o jornal e outros meios de comunicação por chamar a operação especial de ataque de invasão ou guerra - e disse que apenas informações oficiais do governo russo devem ser usadas.

Continua após a publicidade

Muratov reagiu publicamente dizendo que confiaria nas reportagens de seus próprios correspondentes. Mais tarde, ele disse a New Yorker em uma entrevista: “Respeitamos a soberania da Ucrânia - e a soberania da Novaya Gazeta”.

A pressão só aumentaria. As autoridades russas bloquearam o Facebook e desligaram a estação de rádio Echo of Moscow. A polícia prendeu milhares de manifestantes em todo o país, incluindo alguns segurando cartazes em branco. A cobertura da Novaya Gazeta documentou dezenas de russos sendo demitidos de seus empregos por expressarem oposição à guerra.

Polícia prende manifestante anti-guerra em São Petersburgo, em 13 de março. Foto: Anatoly Maltsev/EFE

Em 4 de março, Putin assinou a nova lei sobre notícias “falsas”. O canal independente TV Rain fechou. Centenas de jornalistas fugiram do país.

Não estava claro se a lei seria aplicada retroativamente, então a Novaya Gazeta rapidamente removeu de seu site reportagens que poderiam ser vistas como uma violação e pausou as operações online, temendo que o texto postado na hora pudesse levar um editor à prisão.

O jornal convocou outra reunião de emergência. Dois caminhos possíveis foram considerados.

“O primeiro foi de fecharmos, porque é objetivamente impossível trabalhar sob as condições da censura de guerra, e vamos expor muito de nosso pessoal que produz notícias a processos criminais, porque qualquer notícia pode ser declarada ‘falsa”, disse Muratov.

Continua após a publicidade

“O segundo”, continuou ele, “foi de escrevermos um aviso explicando aos leitores que vamos ficar para trabalhar em condições de guerra, porque há informações muito importantes a serem entregues, mas que devem entender que teremos que nos autocensurar”.

Muratov recorreu à plataforma de financiamento coletivo do jornal - um grupo de leitores leais que o jornal chama de “cúmplices” - e fez uma pesquisa. Das 7.800 respostas, 96% disseram ao jornal para permanecer aberto. A redação, disse ele, recebeu 3.500 cartas em 24 horas também pedindo que o jornal continuasse publicando. Em uma pesquisa na redação, 75% dos funcionários apoiaram permanecer abertos.

“Dissemos que continuaríamos a trabalhar”, disse Muratov.

Poucos dias depois, o jornal lançou sua primeira edição sob as novas regras. A manchete da primeira página dizia: “Esta edição do Novaya foi criada de acordo com todas as leis do código penal alterado da Rússia”. Sob ela havia uma imagem de quatro bailarinas cantando “O Lago dos Cisnes” na frente de uma gigantesca nuvem de cogumelo.

A mensagem era clara. A televisão estatal russa notoriamente ligou “O Lago dos Cisnes” durante a tentativa de golpe contra Gorbachev em 1991, tornando o balé um sinal universalmente entendido na Rússia do governo tentando esconder uma crise.

Continua após a publicidade

“Olá a todos, este é o serviço de informação da Novaya Gazeta! Prometemos aprender a viver e escrever nas garras da censura militar e retornar. Então, estamos de volta!”, escreveu Nikita Kondratiev, chefe do serviço de informações, em uma nota de 16 de março aos leitores do site.

Ele disse que os editores do site tiveram um tempo para aprender novos padrões para “não serem bloqueados ou acabarem na prisão”, e observou que a equipe editorial permaneceu na Rússia, então “os riscos são, digamos, maiores do que o normal.”

“Sim, os últimos dentes do jornalismo russo estão sendo arrancados”, escreveu Kondratiev. “Mas tem o maravilhoso hábito de cultivar novos.”

Andrei Kolesnikov, editor da Novaya de 2010 a 2014 e agora membro sênior do Carnegie Moscow Center, creditou a Muratov a manutenção do jornal. “É em grande parte graças à sua autoridade que o jornal ainda não foi ‘morto’ pelo Kremlin”, disse Kolesnikov.

‘Eu pessoalmente vi esses corpos’

Desde a lei de 4 de março, Novaya evitou usar a palavra “guerra” ou citar oficiais militares ucranianos. “Operação especial” sempre aparece no equivalente russo de aspas. A marcação <…> aparece no lugar da palavra “guerra” ou outro conteúdo censurado.

Uma história recente mostrava o perfil de uma mãe russa cujo filho mais novo foi enviado para a Ucrânia junto com outros recrutas. Outro relatou a morte de soldados russos.

Funcionário de necrotério carrega maca com corpo de civil morto durante ataques russos em Mikolaiv. Foto de 21 de março de 2022. Foto: Nacho Doce/Reuters

Em uma reportagem recente sobre mortes de civis na cidade ucraniana de Mikolaiv, a correspondente especial Elena Kostiuchenko visitou o necrotério e encontrou os corpos de duas irmãs, uma de 17 anos e uma de 3 anos, empilhadas na geladeira. O enfermeiro explica que ele é o padrinho deles e eles foram trazidos em seu turno. “É claro que eu os reconheci”, disse ele. “Eu não posso te dizer o que eu passei naquele momento.”

Fotos dos corpos correram com a história. Em um vídeo que acompanha, Kostiuchenko disse na câmera: “Eu pessoalmente vi esses corpos”.

O jornal é transparente sobre o que não está publicando. Na história de Mikolaiv, por exemplo, há várias passagens em cinza com descrições do que está faltando. Um dizia: “Aqui estavam as palavras das forças ucranianas sobre soldados russos mortos”. Onde oficiais militares ucranianos falam, suas citações são removidas e substituídas por <…>.

Um pôster desfocado

A decisão do Comitê do Nobel de homenagear Muratov no final do ano passado dividiu a oposição cercada e desunida da Rússia. Alguns partidários de Alexei Navalni sentiram que o líder da oposição preso deveria ter recebido o prêmio, classificando-o como um mártir puro em comparação com Muratov.

Depois que Marina Ovsiannikova, uma funcionária do principal canal da Rússia, controlado pelo Estado, entrou no set do noticiário da noite em 14 de março para protestar contra a guerra, o site do Novaya postou uma captura de tela dela, mas, para cumprir a lei de censura, todo o texto do pôster que ela carregava teve que ser borrado.

Jornalista russa Marina Ovsiannikova protesta contra a invasão da Ucrânia durante telejornal noturno do Canal 1. Foto: EFE

A secretária de imprensa de Navalni, Kira Yarmish, que fugiu da Rússia em meio à pressão sobre sua organização, rapidamente tuitou que a “garota do Channel One” era “mais corajosa” que a Novaya Gazeta. Outros se juntaram, alguns sugerindo que o jornal deveria fechar em vez de obedecer à nova lei.

Muratov disse que a equipe online cometeu um erro ao borrar todo o pôster. Ele disse que foi corrigido. Na edição impressa, onde a imagem corria na capa ao lado da manchete, apenas as duas menções de “guerra” no pôster estavam borradas.

“Tivemos uma discussão muito acalorada sobre isso e agimos de acordo com os padrões”, disse Muratov.

Ele reage com raiva a qualquer sugestão de que o jornal deva fechar por princípios diante das restrições. Ele comparou isso a alguém pedindo que ele se matasse, expressando desgosto com aqueles que lançavam injúrias contra ele enquanto estava sentado em segurança no exterior.

Ele disse que o jornal, com uma circulação impressa de 126 mil exemplares e cerca de 27,5 milhões de visitantes únicos por mês, está trazendo uma cobertura econômica e de guerra profundamente relatada para leitores agradecidos - que são o que importa.

A Novaya sofreu nova pressão quando seus distribuidores se recusaram a entregar nas bancas a edição com o pôster de Ovsiannikova na capa, temendo a responsabilidade sob a lei de censura. A Novaya começou a distribuir o jornal diretamente em seu escritório e filmou a horda de leitores que vinha buscá-lo.

Alguns disseram que estavam levando isso para leitores mais velhos que não têm conhecimento digital o suficiente para receber notícias no Telegram ou por meio de uma rede privada virtual (VPN) que pode acessar sites proibidos. Outros disseram que simplesmente confiam no jornal.

“É a única maneira, sem uma VPN, de saber a verdade que eles estão tentando tanto esconder de nós”, disse um jovem no vídeo do Novaya.

O Parlamento da Rússia aprovou na terça-feira uma legislação para expandir a lei de censura para proibir informações “falsas” não apenas sobre os militares russos, mas também sobre uma ampla gama de agências governamentais russas. Putin também sinalizou mais repressão, pedindo durante uma aparição em 16 de março por uma “autopurificação” da sociedade e dizendo que o povo russo distinguiria “verdadeiros patriotas” de “escória e traidores” e cuspirá os últimos como uma mosca que tinha voado em sua boca.

Muratov, em seu discurso no Nobel, colocou a imprensa livre como um contra-agente desse despotismo, comparando os jornalistas a cães que mantêm a caravana da sociedade avançando.

“Sim, nós rosnamos e mordemos. Sim, temos dentes afiados e uma pegada forte”, disse ele. “Mas nós somos o pré-requisito para o progresso. Nós somos o antídoto contra a tirania.”