Na Venezuela de Maduro, crianças passam fome e perdem aulas por causa da inflação

Dez anos após a morte de Hugo Chávez e da chegada do atual presidente ao poder, uma geração de crianças venezuelanas conhece apenas derrotas e dificuldades

PUBLICIDADE

Por Regina Garcia Cano, Associated Press

CARACAS - A mãe de Valerie Torres tentou protegê-la do pior da prolongada crise da Venezuela - os protestos letais, os doentes implorando por ajuda, as crianças desnutridas com costelas protuberantes. Na escola, seus professores nem tocam no assunto.

PUBLICIDADE

Mas a menina é perspicaz. Pouco antes de seu 10.º aniversário, este mês, ela sabe que seu colega de quarta série mentiu para a professora dizendo que esqueceu um livro em casa quando na verdade não tinha dinheiro para comprá-lo; que vizinhos, amigos e até sua avó fugiram do país em busca de uma vida melhor; que sua mãe está trazendo menos comida para casa.

“A inflação é horrível. Um doce é 3 bolívares. Um doce!”, diz Valerie, incrédula, lembrando-se de quando custava meio bolívar, a moeda oficial da Venezuela, hoje quase sem valor, praticamente substituída pelo dólar americano. “E antes, um dólar custava 5 ou 7 bolívares. Agora são 23. Não consigo mais comprar nada.”

Valerie escuta com atenção a mãe falar sobre a situação que vivem em Caracas Foto: Ariana Cubillos / AP

Valerie faz parte de uma geração de crianças venezuelanas que conhecem apenas um país em crise, cujas vidas até agora cresceram em meio a dificuldades e sob o governo de um único presidente, Nicolás Maduro, que assumiu o comando há uma década, quando seu mentor, Hugo Chávez, morreu de câncer.

A sucessão coincidiu com uma forte queda no preço do petróleo, o recurso que alimentava a economia do país e financiava os programas sociais de Chávez. Isso, juntamente com a má administração do governo sob ambos os presidentes, mergulhou a nação sul-americana na atual crise.

Muitas crianças cresceram sendo forçadas a comer alimentos deficientes em nutrientes ou pular refeições, a dar adeus a pais imigrantes e sentar-se em salas de aula em ruínas para aulas que mal as preparam para somar e subtrair. As consequências podem ser duradouras.

Venezuelanos coletam grãos de arroz que vazaram de caminhão nos arredores de Puerto Cabello Foto: AP Photo/Ariana Cubillos

Cerca de três quartos dos venezuelanos vivem com menos de US$ 1,90 por dia – a referência internacional da pobreza extrema. O salário mínimo pago em bolívares equivale a US$ 5 por mês, ante US$ 30 em abril.

Publicidade

Nenhum desses salários é suficiente para alimentar uma pessoa, muito menos uma família. Um grupo independente de economistas que acompanha os aumentos de preços e outras métricas estimou que uma cesta básica de bens para uma família de quatro pessoas custava US$ 372 em dezembro.

Essa dura realidade se espalhou para a sala de aula, com os professores saindo para protestar contra seus salários miseráveis, que alguns complementam trabalhando como tutores, vendendo assados e até fazendo striptease em clubes. Milhares desistiram completamente, e muitos dos que ainda ensinam o fazem em instalações infestadas por pragas, mofo, sujeira e água parada que atrai mosquitos.

Kevin Paredes, um aluno de 12 anos da quinta série, frequenta uma dessas escolas públicas do outro lado da rua da casa que divide com seus pais e seis irmãos em Caracas, capital da Venezuela. No ano passado, a escola foi pintada de laranja e verde brilhante, mas o trabalho para consertar paredes de cavernas e outras questões estruturais continua inacabado.

Kevin começou a memorizar a tabuada na terceira série. Os professores deveriam tê-lo apresentado à divisão naquele mesmo ano, mas ainda não o ensinaram.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Recentemente, ele ficou em casa por várias semanas porque sua família não tinha dinheiro para comprar cadernos e acabou de voltar para a aula. Sentado na calçada em frente à escola, ele descreveu com entusiasmo um projeto escolar recente de que gostou: “Estou plantando um pimentão”.

Os pais de Kevin, que vivem da costura, ganham apenas o suficiente para comprar três ou quatro alimentos de cada vez, em vez de a granel como costumavam fazer alguns anos atrás. Está entrando menos dinheiro porque os clientes estão focados em comprar necessidades básicas, não roupas novas.

Seu pai, Henry Paredes, de 41 anos, migrou para o Equador em 2018 para trabalhar na colheita de bananas e ganhou o suficiente para ajudar no sustento da família em casa. Mas ele voltou para a Venezuela depois de apenas oito meses ao perceber a crescente raiva e tristeza de Kevin pela separação. Suas filhas pequenas não o reconheceram quando ele voltou para casa.

Publicidade

“Um adulto suporta, mas as crianças não”, disse ele sobre a fome que sente quando pula as refeições para alimentar seus filhos. “Eles pedem pão, banana.”

Crianças fazem fila para entrar nas salas de aula em Caracas; muitos desses alunos só conhecem uma Venezuela sob crise econômica Foto: Ariana Cubillos / AP

Por meio de uma rede nacional de organizações de bairro do chavismo, o governo distribui mensalmente pacotes de produtos secos para as famílias por menos de meio dólar. Quem consegue fazer outro pagamento, mais ou menos no mesmo valor, consegue frango ou mortadela nos caminhões que aparecem nos bairros de vez em quando.

O Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas estimou em 2020 que um terço dos venezuelanos não comia o suficiente e precisava de ajuda. Começou a oferecer assistência alimentar aos venezuelanos por meio de escolas no ano seguinte e, em janeiro, atingiu 450 mil pessoas em oito Estados.

Laura Melo, diretora do programa para a Venezuela, disse que as escolas onde opera tiveram um aumento de até 30% nas matrículas. A organização está trabalhando para reformar os refeitórios escolares para fornecer refeições quentes aos alunos.

Huniades Urbina, pediatra e membro do conselho da Academia Nacional de Medicina da Venezuela, disse que algumas crianças têm baixo desempenho acadêmico porque chegam à escola fracas e famintas depois de passar 12 horas ou mais sem comer. Acrescentou que as crianças nascidas durante a crise tiveram seu crescimento atrofiado em cerca de 5 a 6 centímetros, em média, devido à má nutrição.

“Não vamos mais ter aquela Miss Venezuela de 1,80 ou 1,90 metro de altura”, disse Urbina, referindo-se ao famoso entusiasmo do país pelos concursos de beleza. “No final, podemos ter uma geração magra e baixa, mas o problema é que esse cérebro... a longo prazo não terá o desenvolvimento de uma criança que consumiu proteínas e calorias adequadas”.

O número de crianças nascidas na crise é desconhecido desde que o governo parou de publicar números de nascimentos depois de 2012, um ano que viu cerca de 620.000 recém-nascidos. A crise levou mais de 7 milhões de venezuelanos a deixar seu país de origem.

Publicidade

Valerie, a inteligente aluna da quarta série, espera se juntar a eles algum dia e está de olho em ir para Miami. Ela sonha em ser modelo, ter uma Ferrari e morar em uma mansão. Mas ela não pode ignorar o presente. “Às vezes ela pergunta: ‘Por que as pessoas não gostam de Maduro?’”, disse Francys Brito, mãe de Valerie e de outra menina de 15 anos.

De olho no futuro das meninas, Brito disse que a família paga US$ 100 por mês para cada uma estudar em uma escola particular, onde podem se beneficiar de professores mais rigorosos e um currículo mais forte do que o típico do sistema público. O que sobra da renda de seu marido com um emprego no cassino e atividades secundárias vai para comida e outras necessidades.

“Espero e desejo que minhas filhas sejam independentes, trabalhadoras produtivas e, acima de tudo, felizes”, disse Brito.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.