Análise|O que realmente está em jogo no debate sobre a ajuda à Ucrânia

Duas ideias-chave estão no centro do debate do auxílio para a Ucrânia versus Taiwan

PUBLICIDADE

No fim de semana, o senador J.D. Vance, de Ohio, foi à Conferência de Segurança de Munique para desempenhar um papel impopular - ser o porta-voz, em uma reunião do establishment da política externa ocidental, da crítica populista ao apoio americano ao esforço de guerra da Ucrânia.

PUBLICIDADE

Se fosse necessário extrair uma frase-chave de seus comentários, seria “mundo da escassez”, que Vance usou cinco vezes para descrever a situação estratégica americana: sobrecarregada por nossos compromissos globais, incapaz de apoiar a Ucrânia e, ao mesmo tempo, manter nossa posição no Oriente Médio e se preparar para uma guerra no Leste Asiático e, portanto, forçada a limitar nossos recursos e esperar que nossos aliados na Europa combatam os armamentos e as ambições da Rússia.

Em minha coluna de sábado, escrevi sobre as tensões no argumento hawkish a favor dos gastos dos EUA com a Ucrânia, a tendência do argumento de desviar do reforço (“Temos Putin nas cordas!”) para a condenação (“Putin está ficando mais forte a cada dia!”), enquanto descreve o mesmo cenário estratégico.

Senador J. D. Vance em coletiva com jornalistas no dia 12 de fevereiro em Washington, D.C. No fim de semana, Vance foi porta-voz da crítica ao apoio americano à Ucrânia em evento da Conferência de Segurança de Munique  Foto: Chip Somodevilla / Getty Images via AFP

O caso apresentado por Vance em Munique é mais consistente, e suas premissas - não isolacionista, mas com foco na Ásia, mais preocupado com o Estreito de Taiwan do que com o Donbas - forneceram o terreno comum para os críticos republicanos de nossa política para a Ucrânia desde o início da guerra. Mas consistência não é o mesmo que correção, e vale a pena analisar por um momento por que esse tipo de argumento deixa os falcões da Ucrânia tão frustrados.

Em parte, há uma suspeita de que algumas das pessoas que defendem a Ásia em primeiro lugar não acreditam totalmente nisso, que é apenas uma maneira mais respeitável de se livrar das obrigações americanas e que, se a base conservadora ou Donald Trump decidisse que não valia a pena lutar por Taiwan, muitos republicanos que defendem a China arranjariam alguma desculpa para justificar a inação.

Mas, supondo que haja boa fé - e quaisquer que sejam os cálculos dos políticos republicanos, muitos falcões da China são totalmente honestos - há também o problema de que esse argumento privilegia uma agressão hipotética em detrimento de uma agressão real, uma guerra potencial em detrimento de uma guerra atual, “contingências no Leste Asiático” (para citar Vance, novamente) em detrimento de uma realidade na Europa Oriental. Não podemos fazer tudo para deter Vladimir Putin hoje por causa de algo que Pequim pode fazer amanhã, é a alegação fundamental, e você pode ver por que as pessoas se irritam com isso.

Na verdade, apesar de concordar com a avaliação geral da Ásia em primeiro lugar, eu mesmo me irrito com ela - o suficiente para pensar que o governo Biden tomou a decisão certa ao apoiar a Ucrânia inicialmente e que um corte brusco na ajuda seria um erro, mesmo que devêssemos buscar um armistício.

Publicidade

Mas ponderar as contingências em relação à realidade é sempre parte do que os estadistas têm de fazer. E a ponderação que prioriza Taiwan em detrimento da Ucrânia, o perigo no Leste Asiático em detrimento da guerra real na Europa, depende de dois pressupostos que vale a pena explicitar e discutir.

A primeira é que a China está falando sério não apenas sobre a tomada de Taiwan, mas também sobre fazê-lo em breve. Se você acha que o acúmulo militar e a belicosidade da China estão sinalizando uma possível anexação em um futuro distante, então não há um trade-off imediato entre a Europa e o Pacífico. Em vez disso, nesse caso, torna-se razoável pensar que derrotar Putin na década de 2020 dará a Pequim uma pausa na década de 2030 e que o compromisso de longo prazo com a produção militar necessária para armar a Ucrânia para a vitória também ajudará a deter a China daqui a 10 anos.

Mas suponhamos que o perigo esteja muito mais próximo, que a consciência de Pequim sobre seus desafios de longo prazo a torne mais propensa a apostar enquanto os Estados Unidos estiverem presos a outras crises, divididos internamente e potencialmente caminhando para quatro anos de capacidade presidencial limitada sob o candidato de qualquer um dos partidos. Nesse caso, nossos possíveis pontos fortes em 10 anos são irrelevantes, e o fato de estarmos atualmente construindo mísseis antitanque e antiaéreos apenas para gastá-los, acrescentando mais de US$ 7 em novos gastos com a Ucrânia para cada US$ 1 em gastos relacionados aos nossos aliados asiáticos e australianos e amarrando a atenção militar e diplomática a uma guerra de trincheiras na Europa Oriental, significa que estamos basicamente convidando os chineses a agir, e logo.

Imagem do dia 21 mostra cidade de Xiamen, na China, vista da costa da Ilha Kinmen, Taiwan. Queda de ilha para Pequim mudaria mundo ao enfraquecer democracias liberais  Foto: Ann Wang / REUTERS

O que, por sua vez, nos leva à segunda presunção: o fato de Taiwan cair nas mãos de seu vizinho imperial mudaria o mundo para pior em uma escala maior do que a Ucrânia ceder território ou até mesmo enfrentar uma derrota total.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Se você vê os dois países como essencialmente equivalentes, ambos clientes americanos, mas não aliados formais no estilo da OTAN, ambas as democracias vulneráveis a vizinhos autoritários de grandes potências, então há um argumento mais forte para fazer tudo pela Ucrânia quando ela for imediatamente ameaçada, independentemente das consequências para Taiwan.

Mas eles não são equivalentes. O compromisso americano com Taiwan remonta a quase 70 anos e, apesar de toda a ambiguidade que cultivamos desde a era Nixon, ainda se entende que a ilha está sob o guarda-chuva americano de uma forma que nunca aconteceu com a Ucrânia. Taiwan também é uma democracia madura de uma forma que a Ucrânia não é, o que significa que sua conquista representaria uma forma muito mais acentuada de retrocesso para o mundo democrático liberal. E a indústria de semicondutores de Taiwan faz dela um prêmio econômico muito maior do que a Ucrânia, com maior probabilidade de lançar o mundo em recessão se a indústria for destruída em uma guerra ou conceder a Pequim um novo poder se ela for simplesmente absorvida pela infraestrutura industrial da China.

Igualmente importante, a China não é equivalente à Rússia. Esta última é uma ameaça, mas que - como argumenta Vance - teoricamente deveria ser contida e dissuadida, mesmo sem o envolvimento dos Estados Unidos, por uma Europa cujo PIB é absolutamente inferior ao da Rússia.

Publicidade

Por outro lado, a riqueza e o potencial de hard power da China superam todos os seus vizinhos asiáticos, e a conquista de Taiwan permitiria o avanço de sua força naval, uma projeção muito mais ampla de influência autoritária e uma reformulação das relações econômicas na Ásia e no mundo.

Para uma discussão aprofundada sobre esses tipos de consequências, recomendo “The Taiwan Catastrophe” (A catástrofe de Taiwan) de Andrew S. Erickson, Gabriel B. Collins e Matt Pottinger na Foreign Affairs. Não é preciso ser convencido por cada parte da análise deles para entender os possíveis riscos. Se uma vitória russa na Ucrânia alimentaria as ambições autoritárias, uma vitória chinesa as sobrecarregaria. Se a derrota da Ucrânia prejudicaria os interesses americanos, a queda de Taiwan os devastaria.

Isso faz com que a primeira presunção seja a mais decisiva. Se você está buscando a vitória total na Ucrânia, se inscrevendo para anos de luta em que Taiwan será uma prioridade secundária, sua escolha basicamente exige apostar que as intenções agressivas da China serão um problema para muito mais tarde - a ameaça de amanhã, não a de hoje.

Ao contrário dos falcões da Ucrânia, eu não faria essa aposta. Ao contrário das pombas, eu não simplesmente isolaria os ucranianos. Há um caminho plausível entre essas opções, no qual a ajuda continua fluindo enquanto os Estados Unidos buscam um acordo e um pivô. Mas muito depende da possibilidade de se percorrer esse caminho estreito: não apenas para a Ucrânia ou para Taiwan, mas também para o império americano como o conhecemos, o poder dominante no mundo que consideramos garantido por muito tempo.

Ross Douthat é colunista de opinião do The Times desde 2009. Ele é o autor, mais recentemente, de “The Deep Places: A Memoir of Illness and Discovery”. @DouthatNYT - Facebook

Análise por Ross Douthat
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.