PUBLICIDADE

Região separatista da Moldávia pede proteção à Rússia e alimenta tensões na região

A região da Transnístria declarou independência em 1992, mas não é reconhecida internacionalmente. A aproximação dos separatistas com a Rússia pode aumentar as tensões regionais

Por Andrew Higgins

THE NEW YORK TIMES - Uma estreita faixa de terra encurralada entre a Ucrânia e a Moldávia solicitou proteção à Rússia na quarta-feira, repetindo em miniatura o cenário altamente inflamável vivenciado por regiões do leste da Ucrânia atualmente ocupadas por Moscou.

PUBLICIDADE

O apelo à proteção russa por parte da Transnístria, um microestado autodeclarado mas não reconhecido internacionalmente na margem oriental do rio Dniestre, aumentou as tensões que remontam ao colapso da União Soviética. O território, em sua maioria de língua russa, separou-se da Moldávia e, após uma breve guerra em 1992, estabeleceu seu próprio governo nacional.

O apelo a Moscou foi feito em uma sessão especial do Congresso de Deputados da Transnístria, uma assembleia no estilo soviético que raramente se reúne. Em sua última sessão, em 2006, a assembleia pediu para ser anexada pela Rússia, embora Moscou não tenha agido sobre esse pedido.

Um monumento a Lênin fica em frente ao edifício legislativo na Transnístria, um território que reivindica a independência da Moldávia, em 5 de maio de 2022. Foto: Cristian Movila / NYT

O último apelo à Rússia ocorreu um dia antes de um discurso sobre o estado da nação em Moscou pelo presidente Vladimir V. Putin.

O Congresso da Transnístria apelou às duas casas do Parlamento da Rússia para tomar medidas não especificadas “para proteger a Transnístria diante da crescente pressão” da Moldávia, considerando que “mais de 220.000 cidadãos russos residem permanentemente na região”.

Relatos da mídia russa citaram Vadim Krasnoselsky, o autoproclamado presidente do enclave, pedindo ajuda a Moscou porque “uma política de genocídio está sendo aplicada contra a Transnístria”. Reivindicações semelhantes e infundadas foram feitas por anos por representantes russos no leste da Ucrânia e utilizadas por Moscou para ajudar a justificar sua invasão em 2022.

Mas a Transnístria parou muito antes de solicitar a anexação pela Rússia — algo que a Moldávia temia que pudesse fazer — e também pediu ajuda ao Parlamento Europeu, à Organização para a Segurança e Cooperação na Europa e à Cruz Vermelha.

Publicidade

O primeiro vice-presidente do Comitê de Assuntos Internacionais da Legislatura russa, Aleksei Chepa, disse à agência de notícias Interfax que a Transnístria estava pedindo assistência econômica, não militar.

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, acusou a Moldávia e o Ocidente de alimentarem desnecessariamente as tensões com especulações sobre uma possível anexação russa. “A OTAN está literalmente tentando moldar outra Ucrânia”, disse ela, acrescentando que isso “ia contra as atitudes da maioria da população moldava”.

Pessoas carregam uma bandeira russa (C) e uma bandeira com um retrato do presidente da Rússia, Vladimir Putin, onde se lê "Nós somos a favor de Putin!" em Tiraspol, a principal cidade da região separatista da Transnístria, na Moldávia, em 9 de maio de 2014, durante as comemorações do Dia da Vitória. Foto: VADIM DENISOV / AFP

Ao contrário das regiões ucranianas que Putin declarou parte da Rússia no ano passado, a Transnístria fica a centenas de quilômetros das fronteiras russas e é cercada por todos os lados pela Ucrânia e pela Moldávia, ambas hostis a Moscou.

A Rússia tem uma base militar no enclave, guarnecida por uma suposta força de paz de cerca de 1.500 pessoas que está estacionada no território desde 1992.

PUBLICIDADE

Mas a força, que costumava receber entregas de equipamentos e alimentos pelo porto ucraniano de Odesa, teve seus suprimentos cortados desde o início da invasão em larga escala da Rússia na Ucrânia dois anos atrás. A Ucrânia fechou sua fronteira com a Transnístria, deixando a Moldávia, cujas fronteiras internacionalmente reconhecidas incluem o território, como a única entrada ou saída.

As tensões sobre a Transnístria têm borbulhado desde o início dos anos 1990, quando se tornou um dos vários conflitos congelados deixados pela retirada de Moscou do império durante o colapso do poder soviético. É reconhecido como um estado apenas por Abkhazia e Ossétia do Sul, outras duas antigas regiões da União Soviética que também declararam independência e não têm reconhecimento internacional.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.