PUBLICIDADE

Rússia: autoridades eleitorais barram candidatura de rival de Putin crítico à invasão da Ucrânia

Comissão Eleitoral Central declarou que mais de 9 mil assinaturas apresentadas pela campanha eram inválidas, o suficiente para desqualificá-lo

Foto do author Redação
Por Redação

A candidatura a presidente de Boris Nadezhdin, político anti-guerra e rival do presidente Vladimir Putin, foi rejeitada nesta quinta-feira, 8, pelas autoridades eleitorais russas, um sinal do Kremlin de que não toleraria nenhuma oposição pública à invasão da Ucrânia. A ação da Comissão Eleitoral Central fornece um caminho ainda mais tranquilo para o ganhar um quinto mandato no poder. Ele enfrenta apenas uma oposição simbólica de candidatos pró-Kremlin na votação de 15 a 17 de março e é praticamente certo que vença, dado seu firme controle do sistema político da Rússia.

PUBLICIDADE

Nadezhdin, um legislador local em uma cidade perto de Moscou, precisava reunir pelo menos 100 mil assinaturas de apoiadores — um requisito que se aplica a candidatos de partidos políticos que não estão representados no parlamento russo. A Comissão Eleitoral Central declarou que mais de 9 mil assinaturas apresentadas pela campanha de Nadezhdin eram inválidas, o que foi o suficiente para desqualificá-lo. As regras eleitorais da Rússia afirmam que os potenciais candidatos não podem ter mais de 5% de suas assinaturas enviadas rejeitadas.

Nadezhdin, 60 anos, pediu abertamente o fim da guerra na Ucrânia e o início de um diálogo com o Ocidente. Milhares de russos se alinharam em todo o país no mês passado para assinar papéis em apoio à sua candidatura, uma exibição incomum de simpatia da oposição no rígido cenário político controlado do país. Falando aos funcionários da comissão eleitoral na quinta-feira, Nadezhdin pediu-lhes para adiar sua decisão, mas eles recusaram. Ele disse que apelaria contra sua desqualificação na Justiça. “Não sou eu que estou aqui,” disse Nadezhdin. “Centenas de milhares de cidadãos russos que assinaram por mim estão atrás de mim.”

Boris Nadezhdin diante de caixas com folhas de assinaturas coletadas para ele para a eleição presidencial Foto: Dmitry Serebryakov/AP

Quatro candidatos

Putin está concorrendo como candidato independente, e sua campanha precisava reunir pelo menos 300 mil assinaturas em seu apoio. As autoridades eleitorais desqualificaram apenas 91 de 315 mil assinaturas que sua campanha apresentou. A maioria das figuras de oposição que poderiam ter desafiado Putin foram ou presas ou exiladas no exterior, e a vasta maioria dos meios de comunicação russos independentes foram proibidos.

Três outros candidatos registrados para concorrer foram indicados por partidos representados no parlamento e não precisaram coletar assinaturas: Nikolai Kharitonov, do Partido Comunista, Leonid Slutsky do Partido Liberal Democrata Nacionalista, e Vladislav Davankov, do Partido das Novas Pessoas. Os três partidos têm sido em grande parte favoráveis às políticas do Kremlin. Kharitonov concorreu contra Putin em 2004, terminando em segundo lugar. Ativistas de oposição exilados apoiaram Nadezhdin no mês passado, instando seus apoiadores a assinar suas petições de indicação.

O porta-voz de Putin, Dmitry Peskov, disse que o Kremlin não vê Nadezhdin como “um rival”. Nadezhdin instou seus apoiadores a não desistirem apesar do contratempo. “Uma coisa aconteceu que muitos não puderam acreditar: os cidadãos sentiram a possibilidade de mudanças na Rússia”, escreveu ele em uma declaração online. “Foram vocês que ficaram em longas filas para declarar ao mundo todo: ‘A Rússia será um país grande e livre.’ E eu representei cada um de vocês hoje no auditório da Comissão Eleitoral Central.”

Outra candidatura negada

Nadezhdin é o segundo esperançoso anti-guerra a ter negado um lugar na cédula. Em dezembro, a comissão eleitoral se recusou a certificar a candidatura de Yekaterina Duntsova, citando problemas como erros de grafia em seus documentos. Duntsova, uma jornalista e ex-legisladora da região de Tver ao norte de Moscou, havia anunciado planos no ano passado para desafiar Putin. Promovendo uma visão de uma Rússia “pacífica, amigável e pronta para cooperar com todos com base no princípio do respeito”, ela disse que queria encerrar o conflito na Ucrânia rapidamente e que Moscou e Kiev se sentassem à mesa de negociações.

Publicidade

Abbas Gallyamov, ex-redator de discursos de Putin que se tornou analista político, disse que a decisão de manter Nadezhdin fora da cédula mostrou como o apoio a Putin era oco. “Toda a mega-popularidade de Putin, que a sociologia oficial transmite constantemente, todo esse ‘rally em torno do líder nacional’ (...) é, na verdade, uma estrutura altamente artificial e instável que não suporta nenhum contato com a realidade”, ele disse./AP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.