Rússia quer usar julgamento de 1000 soldados ucranianos presos em Mariupol como propaganda

Foto: Alessandro Guerra/EPA/EFE

Ucrânia espera uma troca de prisioneiros, mas parlamentares russos pretendem discutir ‘a proibição de trocas de criminosos nazistas’, endossando a narrativa do Kremlin

Por Redação
Atualização:

Quase 700 combatentes ucranianos se renderam em Mariupol, anunciou a Rússia nesta quarta-feira, 18, elevando o total para mais de 900. Enquanto o governo da Ucrânia espera uma troca de prisioneiros, a Rússia planeja levar os rendidos a julgamento por crimes de guerra, com a intenção de usá-los como ferramentas de propaganda.

Os combatentes ucranianos que saíram das ruínas da siderúrgica Azovstal, que se tornou o último reduto de resistência na cidade, enfrentam um destino incerto. Alguns foram levados pelos russos para uma ex-colônia penal em território controlado por separatistas apoiados por Moscou.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

O Ministério da Defesa da Rússia disse que mais 694 combatentes se renderam durante a noite, elevando o número total de pessoas que depuseram suas armas para 959. Porém, líder dos separatistas pró-Rússia no controle da área, Denis Pushilin, foi citado por uma agência de notícias local DNA como dizendo que os principais comandantes ainda estavam dentro da fábrica.

Autoridades ucranianas confirmaram a rendição de mais de 250 combatentes na terça-feira. Mas eles não disseram quantos mais estavam dentro ou o que poderia acontecer com eles.

Enquanto a Ucrânia disse que espera recuperar os soldados em uma troca de prisioneiros, a Rússia ameaçou levar alguns deles a julgamento por crimes de guerra. Moscou diz que nenhum acordo foi feito para os combatentes, muitos de uma unidade com origens de extrema-direita, que Moscou chama de nazistas.

Um vídeo publicado nesta quarta-feira pelo Zvezda, um canal de televisão do Ministério da Defesa russo, parecia mostrar soldados russos em uma estrada repleta de detritos verificando sacos de combatentes ucranianos, alguns deles visivelmente feridos.

Frame de vídeo divulgado pelo Ministério da Defesa russo mostra combatentes ucranianos após a rendição da usina Azovstal em Mariupol
Frame de vídeo divulgado pelo Ministério da Defesa russo mostra combatentes ucranianos após a rendição da usina Azovstal em Mariupol Foto: Russian Defense Ministry Press Service via AP

Não está claro para onde esses soldados serão levados. O Estado-Maior da Ucrânia disse anteriormente que seus soldados foram transportados para duas cidades ucranianas que estão sob controle russo.

A declaração russa também não ofereceu clareza sobre o que acontecerá a seguir. Em particular, o destino dos membros do Batalhão de Azov, carrega um peso simbólico descomunal para ambos os lados da guerra. O grupo ucraniano com vínculos com a extrema-direita deram um verniz de credibilidade às falsas alegações da Rússia de que seu exército estava lutando contra nazistas na Ucrânia.

Em seu discurso de fevereiro anunciando o início da invasão, o presidente Vladimir Putin disse que a Rússia “procuraria desmilitarizar e desnazificar a Ucrânia, bem como levar a julgamento aqueles que cometeram vários crimes sangrentos contra civis”.

A Anistia Internacional exigiu nesta quarta que a Cruz Vermelha tenha acesso imediato aos combatentes ucranianos de Mariupol, que agora estão em mãos russas. A agência disse que tinha “sérias preocupações sobre seu destino como prisioneiros de guerra”, em parte porque eles foram desumanizados na mídia russa.

Na terça-feira, autoridades russas abriram caminho para o que alguns temem que se transforme em um julgamento-espetáculo.

Viacheslav Volodin, presidente da câmara baixa do Parlamento russo, disse que o corpo legislativo discutirá a proibição de “trocas de criminosos nazistas”. O procurador-geral russo pediu à Suprema Corte do país que declarasse a brigada Azov uma “organização terrorista”, e o tribunal marcou uma audiência sobre o assunto para 26 de maio, disse o Ministério da Justiça russo em comunicado.

O Comitê de Investigação da Rússia, o equivalente do país ao FBI americano, disse na terça-feira que os investigadores interrogariam os combatentes capturados para “verificar seu envolvimento em crimes cometidos contra civis”.

Para a Ucrânia, a ordem dos militares para que os combatentes se rendam pode deixar o governo do presidente Volodmir Zelenski aberto a alegações de que abandonou as tropas que ele descreveu como heróis.

“Zelenski pode enfrentar questões desagradáveis”, disse Volodmir Fesenko, que dirige o think tank independente Penta em Kiev. “Houve vozes de descontentamento e acusações de trair soldados ucranianos.”

Na terça-feira, Hanna Malyar, vice-ministra da Defesa da Ucrânia, disse que as medidas dos legisladores russos para proibir a troca de prisioneiros eram “uma declaração política destinada à propaganda interna e aos processos políticos internos na Rússia”.

O Kremlin diz que Putin garantiu pessoalmente o tratamento humano daqueles que se renderem. Outros políticos russos de alto nível pediram publicamente que eles nunca fossem trocados, ou mesmo que fossem executados.

Rússia publica vídeos de combatentes

O Ministério da Defesa da Rússia postou vídeos nesta quarta do que disse serem os combatentes ucranianos rendidos recebendo tratamento hospitalar.

Em um vídeo, um grupo de homens foi mostrado deitado em macas em um quarto, e dois falaram brevemente para a câmera. Um disse que tinha acesso a comida e médicos, enquanto o segundo disse que havia sido enfaixado e não tinha queixas sobre seu tratamento.

Em um segundo vídeo, um homem com um ferimento na cabeça disse que estava sendo bem alimentado e cuidado, e não estava sob nenhuma pressão física ou psicológica.

A autoproclamada milícia da República Popular de Donetsk (DPR) carrega garrafas de água enquanto a retirada de militares ucranianos é preparada na usina siderúrgica Azovstal sitiada em Mariupol
A autoproclamada milícia da República Popular de Donetsk (DPR) carrega garrafas de água enquanto a retirada de militares ucranianos é preparada na usina siderúrgica Azovstal sitiada em Mariupol Foto: Alessandro Guerra/EPA/EFE

Não foi possível estabelecer se os homens falavam livremente.

Mariupol foi alvo da Rússia desde o início. A cidade - sua população pré-guerra de cerca de 430.000 agora reduzida em cerca de três quartos - foi em grande parte arrasada por bombardeios constantes, e a Ucrânia diz que mais de 20.000 civis foram mortos lá.

A usina de Azovstal era a única coisa que impedia a Rússia de declarar a captura total de Mariupol. Sua queda faria dela a maior cidade ucraniana a ser tomada pelas forças de Moscou, dando um impulso a Vladimir Putin em uma guerra em que muitos de seus planos deram errado.

Sua captura total daria à Rússia uma ponte terrestre ininterrupta para a Península da Crimeia, que conquistou da Ucrânia em 2014. Também permitiria que a Rússia se concentrasse totalmente na batalha maior pelo Donbas, o leste industrial da Ucrânia.

Analistas militares, no entanto, disseram que a captura da cidade neste momento teria mais importância simbólica do que qualquer outra coisa, já que Mariupol já está efetivamente sob o controle de Moscou e muitas das forças russas que estavam presas pela luta prolongada já foram embora.

Mídia estatal comemora rendições

A mídia estatal russa está comemorando a decisão da Ucrânia de interromper os combates na siderúrgica Azovstal, com uma mistura de triunfalismo e alegria total, com comentaristas pró-guerra se gabando da rendição de alguns dos combatentes mais endurecidos da Ucrânia.

A rendição dos ucranianos estava sendo retratada na Rússia como sua maior vitória militar em anos – apesar de exigir que as forças de Moscou se envolvessem em um cerco de quase três meses que devastou a cidade do sudeste. E o tom das declarações aumentou as perguntas sobre se a Rússia tentaria julgar os soldados capturados em vez de liberá-los em uma troca de prisioneiros, como a Ucrânia indicou.

Comentaristas russos pró-guerra disseram que a queda de Mariupol sinalizou o fim do mito da resistência de Kiev contra Moscou e potencialmente um momento decisivo na guerra que poderia abalar o moral ucraniano e desequilibrar o presidente Volodmir Zelenski.

“Este é o momento da verdade para aqueles que se gabavam de defender Mariupol que lhes foi confiada até a última gota de sangue”, disse Viacheslav Nikonov, membro do Parlamento que apresenta um dos programas de entrevistas políticas mais populares da televisão russa.

Durante anos, a mídia estatal russa e comentaristas conservadores retrataram o regimento Azov como prova de uma falsa alegação de que o estado ucraniano foi infectado pelo nazismo. Putin argumentou que o Kremlin, que constrói sua própria legitimidade sobre o legado da vitória soviética sobre a Alemanha nazista na Segunda Guerra Mundial, não poderia tolerar isso e, portanto, foi obrigado a invadir.

Yuri Knutov, historiador militar e diretor do Museu das Forças de Defesa Aérea, chamou a luta pela siderúrgica de “pequena Stalingrado”, comparando a luta com a famosa Batalha de Stalingrado na Segunda Guerra Mundial.

Para muitos comentaristas conservadores, o regimento Azov também tem sido um símbolo do amplo sentimento anti-russo na Ucrânia. Andrei Medvedev, apresentador de televisão e deputado da legislatura da cidade de Moscou, chamou Azov de “a unidade mais motivada e ideologicamente mais animada” das forças ucranianas.

“Agora parece que esses ‘cavaleiros’ estão um pouco quebrados”, escreveu ele no aplicativo de mensagens Telegram. “Eles desmoronaram espiritualmente.”

Em meio a uma crescente sensação de frustração com o lento progresso da ofensiva da Rússia no leste da Ucrânia, a rendição em Azovstal encorajou alguns comentaristas. Maksim Fomin, um blogueiro pró-guerra, disse que a rendição era a prova de que os ucranianos “não estão prontos para morrer por seus ideais”.

Aleksandr Kazakov, um analista pró-Rússia, chamou a rendição de “uma grave derrota política” para o governo ucraniano, que “transformou Azovstal em um símbolo de sua luta, em um mito”.

“Agora esse mito foi destruído”, disse ele em um post. “O símbolo do confronto se transformou em um símbolo de derrota.”/AP, REUTERS e NYT

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Publicidade