PUBLICIDADE

Ucrânia diz que Rússia atacou o sul do país com 42 drones

Segundo Kiev, queda de destroços atingiu um edifício em Odessa e feriu 11 pessoas, incluindo três crianças

Foto do author Redação
Por Redação

O governo da Ucrânia anunciou nesta quinta-feira, 14, que seus sistemas de defesa derrubaram dezenas de drones de produção iraniana que foram lançados durante a noite pelas forças russas contra a cidade de Odessa, no sul do país. Segundo Kiev, um dos dispositivos deixou 11 feridos.

“Registramos o lançamento de 42 veículos aéreos não tripulados inimigos”, afirmou a Força Aérea ucraniana, que citou a destruição de 41 drones lançados do território controlado pela Rússia, incluindo a península da Crimeia anexada por Moscou em 2014.

PUBLICIDADE

A queda de destroços atingiu um edifício em Odessa e 11 pessoas ficaram feridas, incluindo três crianças, segundo o governador Oleg Kiper. “Os demônios russos efetuaram um ataque contra Odessa pela segunda noite consecutiva”, afirmou.

Moscou ataca com frequência as instalações portuárias da Ucrânia, incluindo a cidade de Odessa, desde que a Rússia se retirou em julho do acordo que pretendia proteger as exportações de cereais no Mar Negro.

Pelo menos 11 pessoas ficaram feridas durante os ataque, incluindo três crianças. Onze prédios também foram danificados. Foto: EFE/EPA/IGOR TKACHENKO

Ao mesmo tempo, o governo russo anunciou que os sistemas de defesa aérea derrubaram nove drones ucranianos que avançavam em direção a Moscou, poucas horas antes de uma aguardada entrevista coletiva do presidente Vladimir Putin.

O Ministério da Defesa russo denunciou o ataque horas antes de Putin conceder a sua primeira entrevista coletiva anual desde o início da ofensiva na Ucrânia, em fevereiro de 2022, já que no ano passado ele cancelou o tradicional evento.

“Impedimos uma tentativa do regime de Kiev de executar um ataque terrorista com drones aéreos contra vários pontos no território russo”, afirmou o ministério em um comunicado, que cita nove drones “destruídos ou interceptados” nas regiões de Kaluga e de Moscou./AFP.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.