Ucrânia reivindica ataque de drones em Moscou após bombardeios russos

O presidente ucraniano Volodimir Zelenski havia ameaçado retaliar o bombardeio russo em Odessa no último fim de semana, que deixou dois mortos e causou danos a uma catedral

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação

Nesta segunda-feira, 24, Kiev reivindicou a responsabilidade por um ataque noturno de drones contra Moscou, enquanto os bombardeios russos também ocorreram na Crimeia e na região de Odessa, no sul da Ucrânia.

PUBLICIDADE

Uma fonte da defesa ucraniana, que pediu anonimato, disse à AFP que o ataque a Moscou foi “uma operação especial do GUR”, os serviços de inteligência militar da Ucrânia.

Essa afirmação incomum de Kiev foi feita depois que o presidente ucraniano Volodimir Zelenski ameaçou retaliar o bombardeio russo em Odessa no último fim de semana, que deixou dois mortos e causou danos a uma catedral.

Dois homens tentam restaurar a vitrine de uma loja danificada por um ataque de drone em Moscou, Rússia, na segunda-feira, 24 de julho de 2023.  Foto: Yuri Kochetkov / EFE

A Rússia, por sua vez, advertiu que contemplava uma “retaliação severa”, segundo sua diplomacia, acusando as potências ocidentais de estarem “por trás dos atos descarados de Kiev”.

A região de Moscou não era atacada por drones há quase três semanas. Os militares russos, que denunciaram um “ato terrorista”, disseram que dois drones ucranianos foram neutralizados e caíram sem causar vítimas.

Um dos dispositivos caiu em uma das principais vias da capital russa, a Komsomolsky Prospekt, perto do Ministério da Defesa, onde os jornalistas da AFP viram um prédio com o telhado danificado e vários veículos de emergência.

“Eram 03H39 da manhã. A casa realmente tremeu”, disse Vladimir, um vizinho de 70 anos. “É chocante que um drone ucraniano quase tenha voado contra o Ministério da Defesa”, acrescentou.

Publicidade

Outro drone atingiu o centro comercial na rua Likhacheva, onde um fotógrafo da AFP viu várias janelas quebradas de um prédio.

Moscou e sua região metropolitana, que fica a mais de 500 km da fronteira com a Ucrânia, já foram atacadas por drones antes. Em maio, um deles atingiu o Kremlin.

Em 4 de julho, cinco drones foram abatidos na região de Moscou, de acordo com as autoridades. O ataque interrompeu a operação do aeroporto internacional de Vnukovo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.