PUBLICIDADE

União Europeia diz que tiros contra palestinos na fila por comida em Gaza são ‘injustificáveis’

Autoridades do enclave acusam Israel de abrir fogo contra civis aglomerados ao redor de caminhões de ajuda; Tel-Aviv admite disparos, mas atribui número de mortos à confusão

Por Laís Adriana

O órgão de serviços diplomáticos da União Europeia disse neste sábado, 2, que vários palestinos mortos e feridos durante a entrega de alimentos de um comboio humanitário em Gaza foram atingidos pelo Exército de Israel. Em comunicado, o órgão pede ao Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) que ordene um “cessar urgente das hostilidades” para permitir a entrega de uma “ajuda humanitária massiva e adequada”.

PUBLICIDADE

“Na última quinta-feira, mais de 100 civis foram mortos e muitos outros feridos enquanto tentavam desesperadamente conseguir alimentos de um comboio, vários deles vítimas de disparos do Exército de Israel durante a debandada que se seguiu. O tiroteio por soldados israelenses contra civis tentando acessar alimentos é injustificável”, criticou o Serviço Europeu de Ação Externa, em nota.

No documento, o órgão pede que seja realizada uma investigação internacional independente e imparcial para esclarecer os acontecimentos e quem foram os devidos responsáveis. Mas reforça que, em todo o caso, recai sobre Israel a responsabilidade de cumprir as regras da lei internacional e proteger a distribuição de ajuda humanitária para populações civis.

Captura de imagem de drone divulgada pelo Exército israelense mostra multidão em torno do comboio de ajuda humanitária. Foto: Forças de Defesa de Israel / via AP

“Este acidente sério revela que as restrições na entrada de ajuda humanitária contribuíram para criar escassez, fome e doenças, mas também um nível de desespero que traz violência”, notou.

Desde o início das operações de Israel na Faixa de Gaza, o suprimento de ajuda humanitária diminuiu significativamente, sendo completamente cortado em alguns períodos, apesar de alertas de agências humanitárias sobre os riscos para a população palestina.

Moradores do norte de Gaza disseram à jornalistas da Associated Press que passaram a procurar em pilhas de entulho e lixo qualquer coisa para alimentar seus filhos, que mal fazem uma refeição por dia. Muitas famílias começaram a misturar alimentos para animais com grãos para fazer pão. A ONU alerta que a fome extrema “é iminente”.

Em nota, a UE lembrou que tem condenado repetidamente os ataques terroristas do Hamas e outros grupos em 7 de outubro, apoiando o direito de defesa de Israel nos limites da lei internacional. O órgão reiterou que seguirá pedindo a libertação dos reféns israelenses, mas defendeu uma pausa humanitária imediata para permitir entrega em larga escala de ajuda humanitária.

Publicidade

“Entregas aéreas devem ser o último recurso, considerando que seu impacto é mínimo, porém, não ausente de riscos para civis”, concluiu, contrariando a ideia dos Estados Unidos, que começaram neste sábado a lançar ajuda de aviões./COM INFORMAÇÕES DE AP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.