Vídeo: Putin voa em bombardeio estratégico em aparente recado ao Ocidente sobre poderio militar

Voo de 30 minutos começou na Fábrica Aeronáutica de Kazan e foi em direção desconhecida por ‘segredo de Estado’; líder russo descreveu a aeronave como ‘excelente’ após o trajeto

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, embarcou na quinta-feira, 22, como copiloto em um bombardeiro estratégico com capacidade de transportar armas nucleares. O voo de 30 minutos começou na pista da Fábrica Aeronáutica de Kazan, capital da república russa do Tartaristão, e foi em uma direção desconhecida por ser “segredo de Estado”, de acordo com o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

PUBLICIDADE

Putin, de 71 anos, entrou no bombardeio Tu-160M por uma escada especial vestindo um uniforme de piloto. No dia anterior, o presidente russo, que está em campanha eleitoral, visitou a fábrica de aeronaves na cidade de Kazan, no rio Volga, que constrói bombardeiros pesados desde os tempos soviéticos.

A fábrica recebeu ordens estatais para produzir uma versão modernizada do bombardeiro Tu-160, que voou pela primeira vez na década de 1980 e recebeu o codinome Blackjack da Otan. A aeronave em que Putin voou foi um dos primeiros bombardeiros renovados construídos, equipado com novos motores.

Cisne Branco

Os bombardeiros supersônicos Tu-160M são conhecidos na Rússia como Cisne Branco. Em 2000, Putin assumiu o assento de copiloto em outro tipo de avião de guerra, um caça Su-27, para voar para a Chechênia durante os combates separatistas lá, e em 2005 ele copilotou um Tu-160 durante exercícios militares.

O voo de 30 minutos de Putin no bombardeiro estratégico supersônico Tu-160M pode ter a intenção de enviar um lembrete do poderio nuclear da Rússia em meio às crescentes tensões com o Ocidente devido à guerra na Ucrânia.

Falando aos repórteres após o voo, Putin elogiou a nova aeronave como “excelente”, observando que ela apresenta grandes melhorias em comparação com a versão inicial./Associated Press e EFE.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.