Zelenski assina acordos de segurança de 10 anos com Alemanha e França, em sinal de desafio a Putin

Acordos, válidos por 10 anos, sublinham a intenção de europeus em fornecer apoio militar a longo prazo à Ucrânia e promete assistência contra futuras agressões russas

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

BERLIM - O presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski, assinou um acordo bilateral de segurança de 10 anos com a Alemanha e outro similar com a França nesta sexta-feira, 16, em um forte sinal de apoio de longo prazo a Kiev em meio a impasses nas ajudas dos EUA e com Ucrânia necessitando desesperadamente de mais armas na guerra que completa dois anos nos próximos dias.

PUBLICIDADE

Zelenski reuniu-se em Berlim com o chanceler alemão Olaf Scholz, que disse que Berlim ia fornecer outro pacote de ajuda militar de 1,1 bilhões de euros (R$ 5,9 bilhões), incluindo 36 obuseiros, 120 mil munições de artilharia e mais dois sistemas de defesa aérea.

Scholz descreveu o acordo de segurança como um passo histórico. É o segundo acordo bilateral deste tipo entre a Ucrânia, depois do assinado no mês passado com o Reino Unido. A Alemanha é agora o segundo maior fornecedor de ajuda militar à Ucrânia, depois dos EUA, e Scholz apelou recentemente a outros países europeus para que intensificassem o fornecimento de mais armas.

O presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski, e o chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, mostram o acordo de segurança assinado nessa sexta, 16  Foto: Markus Schreiber/AP

Em seguida, o ucraniano viajou para Paris onde se encontrou com o presidente Emmanuel Macron e ambos assinaram um acordo de cooperação bilateral no Palácio do Eliseu que inclui ajuda militar adicional de até 3 bilhões de euros (R$ 16 bilhões) para a Ucrânia neste ano.

Macron enfatizou que esse acordo mostra que a Ucrânia terá o apoio da França a longo prazo, mas concentrou sua intervenção no regime do Kremlin, fazendo um alerta sobre a crescente agressividade da Rússia em nível global. “A Rússia perdeu seu lugar e sua credibilidade no cenário internacional”, opinou.

Os acordos de segurança parecem ter como objetivo principal enviar uma mensagem de solidariedade a longo prazo, uma vez que a Ucrânia voltou à defensiva na guerra, prejudicada pelo baixo fornecimento de munições e pela escassez de pessoal.

“Dois anos após o início desta terrível guerra, enviamos hoje uma mensagem clara ao presidente russo: não vamos abrandar o nosso apoio à Ucrânia”, disse Scholz. Ele estimou as entregas e promessas de ajuda militar do seu país até agora num total de 28 mil milhões de euros.

Publicidade

O acordo alemão, válido por 10 anos, sublinha a “intenção da Alemanha de fornecer apoio militar a longo prazo às forças de segurança e defesa ucranianas”. Afirma que a Alemanha e a Ucrânia “trabalharão em conjunto para garantir uma força sustentável capaz de defender a Ucrânia agora e dissuadir agressões futuras no futuro”.

Em caso de futura agressão russa, a Alemanha forneceria à Ucrânia, conforme apropriado, assistência de segurança rápida e sustentada e equipamento militar moderno, conforme necessário, bem como procuraria acordo sobre a imposição de custos econômicos e outros à Rússia, afirma o acordo. Diz ainda que a Ucrânia continuará a implementar um ambicioso programa de reformas, que é essencial para as suas ambições de aderir à União Europeia e à Otan.

O acordo segue os compromissos assumidos pelo Grupo das Sete economias mais avançadas, que inclui a Alemanha, a França e o Reino Unido, em uma cúpula da Otan em Vilnius, na Lituânia, em julho. O Grupo dos Sete prometeu na época fornecer armas e equipamento militar, incluindo poder aéreo de combate, bem como mais treinamento militar para o Exército encurralado da Ucrânia.

PUBLICIDADE

No sábado, Zelenski deverá participar na Conferência de Segurança de Munique, um encontro anual de altos funcionários de segurança e política externa, onde planeia reuniões com a vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, entre outros.

Os aliados europeus apelaram ao Congresso dos EUA nos últimos dias para aprovar um pacote que inclui ajuda à Ucrânia de 60 bilhões de dólares (R$ 298 bilhões) que iria em grande parte para entidades de defesa dos EUA para fabricar mísseis, munições e outro equipamento militar que está sendo enviado para os campos de batalha em Ucrânia. O pacote, aprovado no Senado, enfrenta resistência dos republicanos da Câmara.

Zelenski e Emmanuel Macron apertam as mãos após reunião em Paris nesta sexta, 16 Foto: Thibault Camus/EPA/EFE

Scholz viajou para Washington há uma semana para enfatizar a urgência de liberar mais financiamento dos EUA. Depois de se encontrar com Zelenski, ele renovou seu apelo ao Congresso para liberar a ajuda. “Os EUA são uma grande potência e o seu apoio é essencial para a segurança da Ucrânia e para a sua capacidade de depender de si mesma”, disse o líder alemão. “Também estamos dando toda nossa contribuição, mas a dos EUA não deve ser subestimada.”

A Ucrânia necessita urgentemente de munições antes do que os especialistas em segurança dizem que poderá ser um ano crítico para a sua luta contra a Rússia.

Publicidade

“Zelenski sabe quem são os seus aliados mais importantes neste momento – Scholz e Macron – mas ambos têm de dar o próximo passo”, disse Thomas Kleine-Brockhoff, analista do German Marshall Fund em Berlim. “Os europeus estão perante uma bifurcação na estrada: quando e se os Estados Unidos recuar como apoio financeiro, eles poderão assumir?”

Este mês, os líderes da União Europeia prometeram 50 bilhões de euros (R$ 268 bilhões) em nova ajuda à Ucrânia. No entanto, para substituir totalmente a assistência militar americana este ano, de acordo com a avaliação do Instituto Kiel, a Europa ainda teria “de duplicar o seu atual nível e ritmo de assistência armamentista”./AP e NYT

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.