PUBLICIDADE

Zelenski deve demitir principal general da Ucrânia após estagnação dos combates contra a Rússia

O presidente ucraniano avalia que um novo comandante pode dar uma nova energia aos combatentes após uma contraofensiva que não obteve os resultados esperados

Por John Hudson e Isabelle Khurshudyan
Atualização:

KIEV -O presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski, demitiu o principal comandante das Forças Armadas da Ucrânia, o general Valeri Zaluzhni, em uma reunião na segunda-feira, 29, segundo um funcionário do governo ucraniano que foi consultado pelo Washington Post.

PUBLICIDADE

Apesar disso, o general permanece no posto por enquanto, mas um decreto presidencial formal deve confirmar a sua demissão depois de dois anos de guerra contra a Rússia e uma aparente estagnação das forças ucranianas em sua tentativa de ganhar território contra as tropas de Moscou.

Na segunda-feira, o porta-voz de Zelenski, Serhi Nykiforov, negou que Zaluzhni tivesse sido despedido. “O presidente não demitiu o comandante-chefe”, apontou Nikiforov.

O general ucraniano Valeri Zaluzhni é o chefe das Forças Armadas da Ucrânia  Foto: Oksana Parafeniuk/The Washington Post

Zelenski optou pela destituição do general por conta dos poucos ganhos da contraofensiva ucraniana, que utilizou soldados treinados pela Otan e foi recheada de armas enviadas pelo Ocidente.

Zaluzhni e os seus homólogos americanos discordaram fortemente sobre as táticas, e o comandante ucraniano acabou por ignorar diversos conselhos de generais de Washington, que em sua visão, poderia ter levado a um número muito maior de baixas em seu contingente. Na conversa de segunda-feira, Zelensky disse a Zaluzhni que os ucranianos se cansaram da guerra e que os países que apoiam a luta de Kiev também reduziram a assistência militar, por isso um novo comandante poderia dar uma nova energia aos combatentes.

As informações foram repassadas ao Washington Post por duas pessoas que estiveram presentes na reunião e pediram anonimato devido a situação sensível e com implicações sobre a guerra na Ucrânia.

O presidente da Ucrania, Volodmir Zelenski, participa de uma coletiva de imprensa em Kiev, Ucrânia  Foto: Efrem Lukatsky / AP

Na reunião de segunda-feira, as diferenças entre os dois aumentaram devido ao desacordo sobre quantos soldados a Ucrânia precisa mobilizar este ano.

Publicidade

Zaluzhni propôs mobilizar cerca de 500 mil soldados, um número que Zelenski considerou impraticável dada a escassez de uniformes, armas e instalações de treinamento e os potenciais desafios relacionados ao recrutamento. Zelenski também afirmou publicamente que a Ucrânia não tem fundos para pagar tantos novos recrutas.

O general respondeu que a Ucrânia já está com falta de forças devido ao aumento das baixas e precisa equiparar os 400 mil novos soldados que a Rússia planeja mobilizar, disse uma pessoa familiarizada com a conversa.

Sucessor

Não ficou imediatamente claro quem substituirá Zaluzhni, de 50 anos. Um dos principais candidatos é o chefe da inteligência militar da Ucrânia, o tenente-general Kirilo Budanov, de 38 anos, sinalizando potencialmente um movimento em direção a táticas assimétricas em uma guerra onde as linhas da frente pouco mudaram no último ano. Mas Budanov, com experiência em forças especiais, não tem experiência como comandante do exército.

Outra opção é o coronel-general Oleksandr Sirski, comandante das forças terrestres da Ucrânia, a quem se atribui a liderança da defesa de Kiev no primeiro mês da guerra e depois a operação bem-sucedida para a retomada de Kharkiv no outono de 2022.

Foi oferecido a Zaluzhni outro cargo, mas ele recusou e planeja se aposentar do serviço militar, de acordo com um funcionário familiarizado com as conversas.

Novos recrutas das Forças Armadas da Ucrânia participam de treinamento em Kiev, Ucrânia  Foto: Brendan Hoffman/The NY Times

Por enquanto, ele permanece no cargo e a ordem formal de demissão pode ser adiada. No ano passado, o líder do partido de Zelensky no parlamento anunciou que Oleksii Reznikov, então ministro da Defesa, seria deposto, mas Reznikov permaneceu no cargo durante meses antes de ser destituído.

O atrito entre Zelenski e Zaluzhni vem aumentando há meses, e o general esperava que pudesse ser demitido desde 2022. Zaluzhni é o comandante-chefe da Ucrânia desde a invasão da Rússia em fevereiro de 2022 e, de acordo com as sondagens de opinião, rivaliza com Zelenski em popularidade, o que o torna uma potencial ameaça política caso ocorram eleições presidenciais. As eleições estão atualmente proibidas na Ucrânia devido à lei marcial, mas em condições normais estão marcadas para este ano.

Publicidade

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.