Zelenski diz que a Ucrânia está pronta para lançar contraofensiva para recuperar territórios

Em entrevista ao ‘Wall Street Journal’, presidente ucraniano diz, porém, que país ainda espera mais armas fornecidas pelos países ocidentais

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação

A Ucrânia está pronta para lançar sua tão esperada contraofensiva para retomar o território ocupado pela Rússia, disse o presidente Volodimir Zelenski em uma entrevista ao Wall Street Journal neste sábado, 3.

Há vários meses a Ucrânia vem preparando uma grande contraofensiva para tentar recuperar os territórios ocupados por Moscou desde a o início da invasão russa em fevereiro de 2022.

Zelenski insistiu, no entanto, que o país precisa de mais tempo e de armas. “Muitos soldados morrerão se Kiev não receber armamento para enfrentar o poder aéreo de Moscou”, afirmou.


Zelenski espera que Otan sinalize apoio à entrada do país na aliança militar Foto: Vladislav Culiomza/Reuters

PUBLICIDADE

O presidente ucraniano afirmou que seria “perigoso” iniciar a contraofensiva sem mais ajuda ocidental, apesar de Kiev estar “preparada” para recuperar os territórios perdidos após 15 meses de invasão.

As declarações coincidiram com novos bombardeios executados esta semana contra a capital ucraniana.

“Todo mundo sabe perfeitamente que qualquer contraofensiva sem superioridade aérea é muito perigosa”, insistiu. “Imaginem o sentimento de um soldado que sabe que não tem um teto e não entende por que os países vizinhos têm.”

Zelenski destacou que o único armamento capaz de proteger a Ucrânia é o sistema de defesa antiaérea Patriot, fabricado pelos Estados Unidos, e pediu mais equipamentos. “A realidade é que 50 Patriots evitarão, na maioria das vezes, que as pessoas morram”, afirmou.

Publicidade

Zelenski também expressou frustração antes da reunião de cúpula da Otan, a aliança militar da qual a Ucrânia deseja fazer parte, na capital da Lituânia no próximo mês. “Se não formos reconhecidos e recebermos um sinal em Vilnius, acredito que não faz sentido para a Ucrânia estar nesta reunião de cúpula”, disse. /AFP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.