PUBLICIDADE

Campus Party foca nos empreendedores

Maior feira de tecnologia, ciência e internet do País chega à sétima edição buscando promover startups brasileiras

PUBLICIDADE

 Foto:

SÃO PAULO – Fazer da Campus Party uma grande Disneylândia para o empreendedor brasileiro. Essa é a intenção de Paco Ragageles, fundador da feira de tecnologia, ciência e cultura digital que chega à sua sétima edição em São Paulo a partir de segunda-feira.

PUBLICIDADE

Com sede no Anhembi Parque, na zona norte de São Paulo, a Campus Party Brasil quer, até o próximo sábado, se tornar um espaço para ajudar e promover startups nacionais. “O Brasil hoje vive um boom do empreendedorismo. A quantidade de jovens querendo transformar ideias em negócios é cada vez maior na Campus”, diz Marcelo Pimenta, curador de empreendedorismo da feira.

Uma amostra disso é o Startup&Makers Camp, área da feira que será dedicada a empresas iniciantes escolhidas por concurso. Lá, poderão procurar financiamento, vender serviços, trocar conhecimento e mostrar suas ideias aos 8 mil “campuseiros”, que conseguiram vaga para acampar no local. Quem não conseguiu ingresso, poderá acompanhar o evento pelo site Campuse.ro, desenvolvido pela organização para transmitir ao vivo as palestras e encontros da programação.

Entre os palestrantes, os destaques são o vocalista do Iron Maiden, Bruce Dickinson, que vem falar sobre seus negócios no setor de aviação; o criador do serviço de telefonia via internet Viber, Talmon Marco; e Andreas Gal, vice-presidente de dispositivos móveis da Mozilla. Ao todo, serão mais de 500 horas de atividades, distribuídas em 13 palcos.

Paco Ragageles explica que a programação está focada mais em qualidade do que em quantidade. “Prefiro gastar o orçamento da feira em 500 horas de alto nível do que com quatro ou cinco grandes estrelas que falarão por apenas alguns momentos”, explica.

Criada na Espanha, em 1997, a Campus Party consolidou em seus primeiros anos a imagem de um evento voltado para nerds e fãs de tecnologia. Com o tempo, defende seu criador, isso mudou. “Todos somos geeks, mas geek não é mais aquele cara antissocial que ficava na frente do computador. Hoje é quem tem um blog, quem usa redes sociais, quem é designer. A Campus Party não mudou, foram os geeks que mudaram”, diz Ragageles, para quem os dias de hoje reservam grandes possibilidades a quem tem boas ideias relacionadas ao mundo digital.

“Hoje, com a internet, um garoto de 15 anos pode ter mais conhecimento do que professores de universidade, e com pouco gasto pode montar um negócio mundial. Isso muda os negócios da maneira como conhecemos hoje”, avalia o espanhol, que vê no País um grande potencial. “O Brasil tem um pré-sal no talento dos brasileiros.” A seguir, os principais trechos da entrevista com o idealizador do evento.

Publicidade

As últimas edições da Campus Party já traziam bastante conteúdo relacionado a empreendedorismo, mas parece que agora esse é o foco da vez. Por quê?Começamos o apoio a desenvolvedores e startups há cinco anos, com um projeto que permitia aos campuseiros lançarem seus projetos. O que acontece em 2014 é a máxima expressão desse projeto, com mecanismos que apoiam fortemente as novas ideias. Nosso objetivo é que mais de 200 empresas brasileiras, com alta possibilidade de se transformarem em grandes companhias, obtenham na feira chances de financiamento, de melhorar seus talentos e fazer contatos com desenvolvedores e designers. Além disso, o conteúdo do palco de empreendedorismo está voltado para quem teve uma ideia, mas ainda não sabe como dar os primeiros passos. Acredito que será um grande empurrão.

É uma evolução? Primeiro, a Campus atendia aos nerds e agora se dedica a empreendedores. Isso ocorreu em outros países? É um processo natural na Campus Party, que acontece de forma parecida ao redor do mundo. Os idiomas podem ser diferentes, mas a tecnologia não fala inglês, português ou alemão. Ela fala em Java, HTML ou Photoshop. Não é difícil.

Isso significa que o campuseiro brasileiro é igual a outros campuseiros ao redor do mundo? Não. A Campus Party brasileira tem conteúdo semelhante à de outros países, mas os ambientes são totalmente diferentes. Os brasileiros são muito calorosos.

No meio digital, você considera o brasileiro inovador? Os brasileiros são criativos e extrovertidos, o que, cruzado com a cultura da internet, traz um resultado fenomenal. Digo sempre que o próximo Facebook, Twitter ou Google será brasileiro. É um processo que leva tempo. Quantos brasileiros estão no Vale do Silício e não aqui? É preciso tentar manter os talentos no Brasil. O País tem um pré-sal não explorado no talento dos brasileiros.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Empreender no digital é o atual grande negócio na economia? Estamos vendo uma grande transformação. Até a aparição da internet, quem queria empreender precisava ir até a universidade e, depois disso, ter muito capital para montar um negócio. Hoje, com a internet, um garoto de 15 anos pode ter mais conhecimento que professores de universidade, e gastando muito pouco, pode montar um grande negócio. Isso muda muita coisa. Nossa tarefa é atender aos interesses desses garotos.

Como é a relação da Campus Party com a Prefeitura? A Campus Party é um evento extremamente caro e complexo de se organizar. Ocupamos todo o Anhembi, cujo aluguel para o período da feira é de R$ 5 milhões. Com o dinheiro que arrecadamos pela venda das vagas aos campuseiros, não conseguiríamos pagar por esse espaço. O apoio da Prefeitura é fundamental porque ela entra com o Anhembi, o que corresponde a 40% do gasto que a Campus Party tem.

Como foi o processo para definir a programação? Buscamos atender aos diversos interesses que existem na feira e, além disso, focamos na qualidade. Preferimos ter 500 horas boas de conteúdo do que apenas 4 ou 5 grandes estrelas para darem palestras por alguns momentos. Isso é o que os campuseiros querem – a confiança deles fez a gente esgotar as 8 mil vagas sem nem ter anunciado toda a programação. É óbvio que eu gostaria de ter mais palestrantes importantes, mas, pelo orçamento, prefiro a qualidade.

Publicidade

Qual é o papel da Campus Party daqui para a frente? Precisamos estar sempre pesquisando qual é a cultura da internet e o que os nossos campuseiros querem. Antigamente, o maior destaque da feira era a banda larga de alta velocidade. Agora, é o conhecimento e o investimento. Temos de seguir avançando. Não sei como seremos daqui a cinco anos, mas estaremos melhores do que estamos hoje.

E a reação do Brasil quanto aos escândalos de espionagem? O Brasil é o único país forte do mundo que está honestamente se posicionando sobre o que aconteceu – não dá para acreditar no que os russos dizem, por exemplo. O discurso da presidente Dilma na ONU foi maravilhoso. Espero que vocês consigam transformar as coisas, porque eu não vejo nenhum país com força suficiente para melhorar isso.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.