PUBLICIDADE

Cooperação une startups da cena de ?San Pedro Valley? em BH

Bairro da capital mineira comparado ao Vale do Silício se tornou um importante reduto empreendedor no centro do País e hoje abriga novos negócios na área de tecnologia

Por Ligia Aguilhar
Atualização:

*Início da série sobre as principais cenas de startups do Brasil; ao longo das próximas semanas, além de Belo Horizonte, visitaremos Recife, Florianópolis e São Paulo para entender o que move os polos de novas empresas de tecnologia

 

PUBLICIDADE

BELO HORIZONTE – Depois de semanas encontrando outros empreendedores de tecnologia ao acaso pelas ruas de São Pedro, bairro de Belo Horizonte, os empreendedores Mateus Bicalho, Diego Gomes e mais alguns amigos concluíram: “Isso aqui está parecendo o Silicon Valley”, em referência ao nome em inglês do Vale do Silício. Da constatação para a piada foi um pulo. “Estamos em San Pedro Valley”, decretaram.

Foi a brincadeira que mudou o futuro da região para sempre. Hoje, empresas de toda Belo Horizonte dizem pertencer a “San Pedro Valley”, slogan que tornou a comunidade local uma das mais conhecidas do País – e também internacionalmente. No ano passado, San Pedro Valley foi eleita a melhor comunidade para startups no Brasil pelo prêmio Spark Awards, uma espécie de Oscar das startups.

A região virou um centro efervescente de novos negócios de tecnologia, onde a proximidade e a troca de experiências entre os empreendedores ajudou o número de startups a crescer de cerca de 60 negócios em 2011, para 227 atualmente.

“Nunca imaginamos que a nossa brincadeira com o nome do bairro viraria slogan”, relembra Bicalho, hoje à frente de uma das startups mais bem-sucedidas da região, a Hotmart, que é apoiada pela Koolen & Partners, fundo de investimento do holandês Kees Koolen, fundador da Booking.com.

Quando recebeu a visita do Estado, a equipe da Hotmart tinha acabado de concretizar sua terceira mudança de escritório em três anos e agora ocupa dois andares em um prédio comercial na Savassi, bairro vizinho de São Pedro. Um espaço grande o suficiente para dobrar o tamanho da equipe, hoje de 41 pessoas.

Criar uma comunidade forte de startups é um dos requisitos principais para se criar um polo reconhecido e inovador como o dos EUA ou Israel, especialmente em um país como o Brasil, onde o déficit educacional dos empreendedores é um dos principais problemas. Nesse contexto, Belo Horizonte tem assumido a dianteira no País, apesar de não ter um mercado tão desenvolvido quanto o de São Paulo ou oferecer acesso fácil a investidores de capital de risco.

Publicidade

“Não é porque Nova York é a maior cidade dos EUA que hoje ela é o principal polo de startups dos EUA”, diz Alan Leite, diretor da Startup Farm, programa itinerante que oferece apoio gratuito para transformar ideias em novos negócios e que ajudou a formar dez novas empresas em San Pedro Valley em sua última edição. “Uma das coisas que favorecem o sistema local é a densidade.”

A maioria das startups da região ainda está em estágio inicial, e, por isso, é difícil medir o impacto delas na economia local. O que prova o potencial de Belo Horizonte é o rápido crescimento de alguns negócios e o profissionalismo das startups que aproveitaram o clima interiorano para criar um grupo unido que tenta resolver seus problemas pela troca experiências.

Em San Pedro Valley, os donos de startups estão conectados por um grupo no WhatsApp e pelo Slack, um sistema de comunicação corporativa criado por uma iniciante do Vale do Silício. Qualquer novato pode entrar no grupo e pedir conselhos para os mais experientes, incluindo para expoentes do mercado brasileiro como Gustavo Caetano, fundador da Samba Tech e considerado pelo Massachussetts Institute of Technology (MIT) um dos jovens mais inovadores do Brasil.

 

Incentivo

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Caetano fundou a plataforma de vídeo online Samba Tech, uma espécie de YouTube para empresas, em 2005, quando o grupo que hoje forma o San Pedro Valley nem sonhava em existir. “Eu queria ter uma empresa flexível e divertida, mas não fazia ideia do que era uma startup”, conta, do quinto andar do BH.Tec, parque tecnológico de Belo Horizonte, para onde se mudou há dois anos.

O prédio está estrategicamente posicionado em frente à Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), líder no ranking do Enade nos últimos dois anos na área de ciências da computação, e responsável por abastecer a mão de obra das startups da região.

Ali, Caetano construiu a sede da Samba Tech, inspirada em empresas de tecnologia americanas. Além da cozinha com frutas e refeições gratuitas, a Samba Tech tem mesa de sinuca e videogame para os 41 funcionários brincarem à vontade. A companhia não divulga dados financeiros, mas em entrevista ao Estado no ano passado, Caetano projetou um faturamento de R$ 40 milhões para 2014.

Publicidade

O que inspirou Caetano a embarcar no mercado de startups foi a aquisição, em 2005, da empresa mineira de tecnologia Akwan pelo Google. Desde então, a gigante das buscas instalou um centro de pesquisa e desenvolvimento em Belo Horizonte e chamou a atenção de investidores para a região.

Foi só a partir de 2011 que a cidade até então conhecida como um polo de empresas de biotecnologia (o que continua até hoje) começou a abrigar uma nova geração de startups que adotavam a metodologia “Lean”, popular no Vale do Silício, que prevê gestão enxuta e o desenvolvimento de negócios escaláveis no curto prazo.

Caetano formou dentro de casa alguns dos novos empreendedores que hoje tem seus próprios negócios na região, como Diego Gomes, que ajudou a criar o nome San Pedro Valley e hoje é cofundador da empresa de marketing digital Rock Content. “O Diego é nossa referência em vendas. Todo estagiário que entra na Samba Tech vai passar uma semana na Rock Content para aprender a vender com ele”, conta Caetano.

“Nós não competimos. Para nós, quanto mais informações a gente compartilha, mais vamos nos fortalecer e crescer como ecossistema”, diz Vitor Peçanha, sócio de Diego.

 

Integração

A Rock Content está espremida em uma casa no bairro de Santo Antônio, de onde a companhia vai se mudar nos próximos dias porque o espaço já não comporta seus 65 funcionários. “Mudamos para cá em junho com um plano de dois anos de estadia e em dezembro já não cabia mais gente”, diz Peçanha. A startup cria conteúdo para blogs corporativos e acumula grandes clientes como a Porto Seguro e a faculdade Anhembi Morumbi.

Já a Sympla está exatamente na intersecção entre o San Pedro Valley e a Savassi, o bairro “bacana” e “cool” de Belo Horizonte. É pelo fato de o aluguel ali ser caro que muitas empresas resolveram literalmente atravessar a rua e abrir seus escritórios em São Pedro.

Publicidade

A startup, criada em 2012, é desenvolvedora de uma plataforma de venda de ingressos, inscrições e gestão de eventos e viu uma enxurrada de competidores chegarem ao mercado na sequência da sua estreia. Apesar de sediada em uma cidade menor, a companhia prosperou. Hoje a Sympla diz movimentar 1 mil eventos simultâneos, número maior do que de empresas como a Ingresso.com. Este ano, deve processar R$ 35 milhões em operações.

“Aqui é mais fácil encontrar mão de obra qualificada, a disputa é bem menor”, diz Rodrigo Cartacho, cofundador da empresa. Para ele, a rede de conexões da BH compensa as deficiências da cidade. “Aqui se faz fogo e não fumaça. Os empreendedores estão preocupados em desenvolver os seus negócios e compartilhar conhecimento.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.