A internet está sendo inundada por chatbots inteligentes: estamos prontos para isso?

A era dos assistentes autônomos de IA pode ter implicações enormes.

Por Kevin Roose

THE NEW YORK TIMES - Você poderia pensar na história recente dos chatbots de inteligência artificial (IA) como tendo duas fases distintas.

PUBLICIDADE

A primeira, que teve início no ano passado com o lançamento do ChatGPT e continua até hoje, consiste principalmente em chatbots capazes de falar sobre qualquer coisa. Mitologia grega, receitas veganas, scripts Python - você escolhe o tópico e o ChatGPT e seus semelhantes podem gerar um texto convincente (embora ocasionalmente genérico ou impreciso) sobre ele.

Essa capacidade é impressionante e frequentemente útil, mas na verdade é apenas um prelúdio para a segunda fase: IA que pode realmente fazer coisas. Muito em breve, as empresas de tecnologia nos dizem, os “assistentes” de IA poderão enviar e-mails e agendar reuniões para nós, fazer reservas em restaurantes, comprar passagens aéreas e lidar com tarefas complexas como “negociar um aumento com meu chefe” ou “comprar presentes de Natal para todos os membros da minha família”.

OpenAI criu os GPTs que podem ser personalizados para se tornarem chatbots pessoais Foto: REUTERS / REUTERS

Essa fase, embora ainda remota, ficou um pouco mais próxima na segunda-feira, 6, quando a OpenAI, criadora do ChatGPT, anunciou que os usuários agora podem criar seus próprios chatbots personalizados.

Tive uma primeira amostra desses chatbots, que a empresa chama de GPTs - e que estarão disponíveis para usuários pagantes do ChatGPT Plus e clientes corporativos. Eles diferem do ChatGPT comum em alguns aspectos importantes.

Primeiro, eles são programados para tarefas específicas (exemplos criados pela OpenAI incluem “Creative Writing Coach” e “Mocktail Mixologist”, um robô que sugere receitas de bebidas não alcoólicas). Em segundo lugar, os robôs podem extrair dados privados, como documentos internos de RH de uma empresa ou um banco de dados de listagens de imóveis, e incorporar esses dados em suas respostas. Terceiro, se você permitir, os robôs podem se conectar a outras partes de sua vida online - seu calendário, sua lista de tarefas- e realizar ações usando suas credenciais.

Parece assustador? É, se você perguntar a alguns pesquisadores de segurança de IA, que temem que dar mais autonomia aos robôs possa levar a um desastre. O Center for AI Safety, uma organização de pesquisa sem fins lucrativos, listou os assistentes autônomos como um de seus “riscos catastróficos de IA” este ano, dizendo que “assistentes mal-intencionados poderiam criar intencionalmente IAs desonestos com objetivos perigosos”.

Publicidade

Mas há dinheiro a ser ganho com assistentes de IA que podem realizar tarefas úteis para as pessoas, e os clientes corporativos estão ansiosos para treinar chatbots com seus próprios dados. Há também um argumento de que a IA não será realmente útil até que realmente compreenda seus usuários - seus estilos de comunicação, seus gostos e desgostos, o que eles veem e compram online.

Portanto, aqui estamos nós, entrando rapidamente na era do assistente autônomo de IA - que se danem os haters.

Para ser justo, os robôs da OpenAI não são particularmente perigosos. Tive uma demonstração de vários GPTs durante a conferência de desenvolvedores da empresa em São Francisco, EUA, na segunda-feira, e eles automatizaram principalmente tarefas inofensivas, como criar páginas para colorir para crianças ou explicar as regras de jogos de cartas.

Os GPTs personalizados também ainda não podem fazer muita coisa, além de pesquisar documentos e conectar-se a aplicativos comuns. Uma demonstração que vi na segunda-feira envolveu um funcionário da OpenAI pedindo a um GPT para procurar reuniões conflitantes em seu calendário do Google e enviar uma mensagem do Slack para seu chefe. Outra aconteceu no palco, quando Sam Altman, chefe-executivo da OpenAI, criou um chatbot “mentor de startup” para dar conselhos a aspirantes a fundadores, com base em um arquivo carregado de um discurso que ele havia feito anos antes.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Isso pode parecer um truque. Mas a ideia de personalizar nossos chatbots e permitir que eles realizem ações em nosso nome representa uma etapa importante no que Altman chama de estratégia da OpenAI de “implantação iterativa gradual”, ou seja, liberar pequenos aprimoramentos para a IA em um ritmo acelerado, em vez de grandes saltos em períodos prolongados.

Por enquanto, os robôs da OpenAI estão limitados a tarefas simples e bem definidas, e não podem lidar com planejamentos complexos ou longas sequências de ações. Eventualmente, disse Altman na segunda-feira, os usuários poderão oferecer seus GPTs ao público por meio da versão da OpenAI de uma loja de aplicativos. (Ele não deu muitos detalhes, mas disse que a empresa planejava compartilhar parte de sua receita com os criadores de GPTs populares).

A OpenAI tornou muito fácil a criação de um GPT personalizado, mesmo que você não saiba uma linha de código. Basta responder a algumas perguntas simples sobre seu robô - seu nome, sua finalidade, o tom que ele deve usar ao responder aos usuários - e o robô se constrói sozinho em apenas alguns segundos. Os usuários podem editar suas instruções, conectá-lo a outros aplicativos ou fazer upload de arquivos que desejam que ele use como material de referência (e para responder à pergunta que está passando pela cabeça de todos os advogados corporativos neste momento: a OpenAI afirma que não usa arquivos enviados para treinar seus modelos de IA).

Publicidade

Depois que a OpenAI me deu acesso antecipado ao seu criador de GPT personalizado, passei vários dias brincando com ele.

O primeiro robô personalizado que criei foi o “Day Care Helper”, uma ferramenta para responder a perguntas sobre a creche do meu filho. Como pai de um bebê que não dorme, estou sempre esquecendo detalhes - se podemos enviar um lanche com amendoim ou não, se a creche fica aberta ou fechada em determinados feriados - e procurar tudo no manual dos pais é uma dor de cabeça.

Então, carreguei o manual dos pais na ferramenta de criação de GPT da OpenAI e, em questão de segundos, eu tinha um chatbot que poderia usar para procurar facilmente as respostas às minhas perguntas. Ele funcionou muito bem, especialmente depois que mudei suas instruções para esclarecer que ele deveria responder usando apenas as informações do manual e não inventar uma resposta para perguntas que o manual não abordava.

Com novidade da OpenAI, será possível fazer upload de qualquer documento para ter um assistente de IA pessoal Foto: Florence Lo/Reuters

Meu segundo chatbot chamava-se “Conselhos financeiros do vovô Roose”. Ele se baseava em outro documento - um livreto de conselhos de 23 páginas que foi escrito pelo meu avô, um economista e apaixonado por escolher ações, com toda a sua sabedoria acumulada sobre planejamento financeiro ao longo dos anos em que ele estava vivo. É um documento que eu consultava ocasionalmente e me perguntei se, ao colocá-lo em um chatbot, eu poderia ser inspirado a usá-lo com mais frequência.

Fiz o upload do texto do livreto e, menos de cinco minutos depois, eu tinha um chatbot capaz de reproduzir os conselhos financeiros do meu avô e responder a perguntas com uma voz vagamente parecida com a dele (embora, curiosamente, muitas vezes ele passava da linguagem popular do vovô para a linguagem padrão do ChatGPT no meio de uma resposta, como quando respondeu a uma pergunta sobre ações da Tesla dizendo: “É como eu sempre digo, antes de tomar qualquer decisão específica de investimento, como comprar ações da Tesla, é crucial avaliar suas próprias metas de investimento, tolerância a riscos e horizonte de investimento”).

Nenhum dos meus chatbots personalizados funcionou perfeitamente, e havia muitas coisas que eles não podiam fazer. Mas se você olhar com atenção, poderá ver dicas dos tipos de trabalhos que os assistentes autônomos de IA poderiam substituir, se realmente funcionarem.

Imagine o departamento de benefícios de uma grande empresa. Em um dia normal, os administradores de benefícios podem passar 20% do tempo respondendo a perguntas dos funcionários como: “Nosso seguro odontológico cobre ortodontia?” ou “Que formulários preciso preencher para solicitar licença parental?” Crie um chatbot para responder a essas perguntas e você poderá liberar esses administradores para realizar tarefas de maior valor - ou talvez precise de 20% menos deles.

Publicidade

Ou imagine uma empresa que treina assistentes de IA para responder à grande maioria das solicitações de atendimento ao cliente, fornecendo-lhes informações e conectando-os a um banco de dados de problemas anteriores dos clientes. O departamento de atendimento ao cliente dessa empresa diminuiria? Será que ele poderia ser tão bom ou superior a um departamento de atendimento ao cliente com uma equipe humana?

Não me entenda mal - não estou dizendo que milhões de empregos desaparecerão amanhã ou que os GPTs personalizados da OpenAI são o prenúncio da desgraça. Elas parecem bastante inofensivas e limitadas em seu escopo, e nada do que vi esta semana me preocupou em um nível existencial.

Mas tornar os assistentes de IA mais autônomos, dar a eles acesso aos nossos dados pessoais e incorporá-los a todos os aplicativos que usamos tem implicações profundas e surpreendentes. Em breve, se as previsões estiverem certas, as IA poderão nos conhecer em um nível profundo - talvez, em alguns casos, melhor do que nós mesmos - e serão capazes de realizar ações complexas com ou sem nossa supervisão.

Se a OpenAI estiver certa, talvez estejamos fazendo a transição para um mundo em que as IA sejam menos nossos parceiros criativos do que extensões de nós baseadas em silício - cérebros artificiais via satélite que podem se movimentar pelo mundo, coletando informações e realizando ações em nosso nome. Ainda não estou totalmente preparado para esse mundo, mas, pelo que parece, é melhor começar a me preparar. /TRADUZIDO POR ALICE LABATE

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.