PUBLICIDADE

Análise|Jack Dorsey, fundador do Twitter, também largou o Bluesky para fugir de suas responsabilidades

Ex-executivo está mais próximo de Elon Musk do que se pode imaginar

Um dos desdobramentos mais interessantes do X, antigo Twitter, na esteira da aquisição polarizada de Elon Musk em 2022, foi o Bluesky. Incubado no X pelo ex-CEO Jack Dorsey, o serviço foi lançado em 2023 como uma alternativa independente ao X de Musk.

Essa associação não existe mais. Dorsey parou de postar na Bluesky em 2023 e, em 4 de maio, ele divulgou via X que não fazia mais parte do conselho da empresa. Cinco dias depois, em uma longa entrevista com Mike Solana, figura do capital de risco favorável a Musk, Dorsey explicou seu motivo.

PUBLICIDADE

A entrevista lançou luz sobre o enigmático empresário e sua relação difícil com a moderação de conteúdo online - ou “censura”, como muitos da direita a chamam, incluindo agora o próprio Dorsey. Ela também ajuda a explicar o recente ressurgimento de Dorsey como usuário ativo do X, que ele recentemente descreveu como “uma tecnologia de liberdade”.

O interesse de Dorsey pela “mídia social descentralizada”, que o Bluesky deveria incorporar, teve uma motivação direta, segundo ele: escapar da responsabilidade pelo que os usuários dizem online.

“Era a única maneira de nos livrarmos de muitos dos problemas que estávamos vendo em relação às decisões que tínhamos que tomar sobre as contas e as pressões que tínhamos como uma empresa pública baseada inteiramente em um modelo de publicidade”, disse Dorsey a Solana. “A única maneira de fazer isso era remover a camada de protocolo do X e torná-la algo que não controlávamos.”

Em outras palavras, o Bluesky foi concebido para ser um sistema aberto que qualquer pessoa poderia usar e ninguém poderia controlar, como o e-mail, a web ou o blockchain. Empresas como o X poderiam usar o sistema para sustentar seus próprios aplicativos, algoritmos e políticas de discurso - da mesma forma que o Gmail, o Microsoft Outlook e o Yahoo têm seus próprios aplicativos de e-mail e filtros de spam. Mas nenhum deles teria o poder de banir totalmente qualquer conta ou remover qualquer publicação.

Jack Dorsey largou o Bluesky por acreditar que a companhia está cometendo os mesmos erros do Twitter  Foto: Joe Raedle/Getty Images via AFP

Dorsey viu isso como uma saída para não ter que tomar decisões difíceis sobre discurso online, como banir Donald Trump depois de 6 de janeiro. Banir Trump, diz ele a Solana, foi “certo para o X, para o negócio, mas foi absolutamente errado para o mundo e para a internet”.

Publicidade

Dorsey abandonou a Bluesky quando percebeu que ele não havia conseguido escapar dessa responsabilidade.

Quando a aquisição do X por Musk fez com que os usuários insatisfeitos corressem em busca de alternativas, os líderes do Bluesky viram uma oportunidade de criar um aplicativo próprio sobre o sistema descentralizado que já estavam desenvolvendo.

O Bluesky tem trabalhado em muitas das ideias endossadas por Dorsey, como uma forma de os usuários escolherem seus próprios algoritmos e filtros de moderação. Mas, à medida que o aplicativo decolava, rapidamente ficou claro que a empresa ainda teria que tomar suas próprias decisões de moderação de conteúdo - como retirar do ar uma conta cujo identificador fosse um xingamento contra negros.

Isso pode parecer senso comum ou decência comum. Mas, para Dorsey, era a prova de que o projeto havia perdido o rumo.

PUBLICIDADE

Na entrevista com Solana, ele sugeriu que a pressão que as empresas de rede social sofrem para remover conteúdo é produto de um modelo de negócios que depende da publicidade de grandes marcas. Essa é uma linha familiar para qualquer pessoa que tenha acompanhado as dificuldades de Musk com os anunciantes, que se afastaram da X quando ele relaxou suas regras sobre discurso de ódio e adotou teorias de conspiração de direita.

Em vez do Bluesky, Dorsey agora está promovendo outro sistema de mídia social emergente chamado Nostr, que ele vê como uma realização mais pura de sua visão original. Até mesmo Dorsey reconhece que o Nostr, neste momento, é “estranho e difícil de usar”. Mas ele diz que “se você realmente acredita na resistência à censura e na liberdade de expressão, precisa usar as tecnologias que realmente permitem isso e defender seus direitos”.

O que Dorsey e Musk parecem ignorar é que não são apenas as grandes marcas corporativas que não gostam de redes sociais repletas de fanatismo e extremismo. A maioria dos usuários comuns também não quer essas coisas.

Publicidade

Esse é um ponto que Mike Masnick, um analista de mídia social, fez em um post em seu blog TechDirt. Embora Dorsey tenha citado com aprovação o artigo de Masnick de 2019, “Protocols, not Platforms” (Protocolos, não plataformas), Masnick diz que acha que as expectativas de Dorsey em relação a uma solução tecnológica perfeita para a liberdade de expressão não são realistas e que o Bluesky está realmente no caminho certo.

“Não importa o que aconteça, mesmo em um sistema descentralizado, será impossível fazer uma moderação bem feita, e as pessoas ainda vão procurar alguém para culpar”, escreveu Masnick. “Essa é a natureza humana.”

A CEO atual da Bluesky, Jay Graber, defendeu a plataforma. “Com todo o respeito devido a Jack por ter a visão de investir em protocolos descentralizados, realizamos o trabalho de uma forma que não acho que ele entenda completamente”, escreveu ela. Um representante da empresa disse que o Bluesky está “prosperando” e agora tem mais de 5,6 milhões de usuários ativos.

O rompimento de Dorsey com o Bluesky e o reengajamento com o X podem surpreender aqueles que o consideravam um contraponto a Musk. Mas as pessoas de dentro da empresa dizem que ele nunca foi o anti-Elon que alguns imaginam.

“Para mim, Jack sempre foi uma espécie de Elon-lite”, diz Anika Collier Navaroli, ex-funcionária sênior de políticas do X que agora é membro sênior do Tow Center for Digital Journalism da Columbia. Ambos veem a “liberdade de expressão” como um bilhete de saída da responsabilidade - algo que Dorsey almejava depois de ter sido atormentado tanto pela direita quanto pela esquerda por causa das políticas de discurso do X.

“Ser levada ao Congresso em várias ocasiões muda uma pessoa”, diz ela. “Não é uma boa experiência. Você não quer voltar atrás.”

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Publicidade

Análise por Will Oremus
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.