Pesquisadores europeus alcançam marco na internet quântica para comunicação mais segura

Estudo registra primeira conexão bem-sucedida na internet quântica, o que promete uma web mais segura

PUBLICIDADE

Foto do author Alice Labate
Por Alice Labate
Atualização:

Em um avanço importante para a computação quântica, pesquisadores europeus anunciaram a realização bem-sucedida da primeira conexão entre dispositivos-chave na internet quântica, o que permite uma comunicação ainda mais segura na web. O estudo da conquista foi publicado na revista Science Advances na sexta-feira, 12.

A colaboração entre acadêmicos da Universidade de Stuttgart e da Universidade de Wurzburg, ambas alemãs, resultou na sincronização de dispositivos operando na mesma frequência ou comprimento de onda. Essa abordagem supera um dos desafios fundamentais enfrentados pela tecnologia emergente da internet quântica, o que promete facilitar para um futuro com maior segurança na internet.

Pesquisadores europeus alcançam marco na internet quântica, impulsionando a segurança online Foto: Nilton Fukuda/Estadão

PUBLICIDADE

Sarah Thomas, coautora do estudo e pesquisadora do Imperial College London, na Inglaterra, ao site de notícias Phys.org, ressaltou a importância desse avanço ao interligar dois dispositivos-chave. “É um passo crucial para permitir a rede quântica, e estamos empolgados por sermos os primeiros a demonstrar isso”, enfatizou.

Para realizar essa transmissão segura e eficiente de dados quânticos em longas distâncias, o sistema desenvolvido utilizou um “ponto quântico” (nanopartícula com propriedades especiais utilizada em aplicações avançadas, como eletrônica e óptica) para gerar fótons - unidades básicas de informação em sistemas quânticos. Em seguida, foi desenvolvido um sistema de memória quântica usando átomos de rubídio para armazenar os fótons gerados e, depois, os dispositivos de geração de fótons e de memória quântica foram sincronizados para operarem na mesma frequência ou comprimento de onda, garantindo a compatibilidade entre eles.

Assim, um laser foi utilizado para controlar o sistema de memória, permitindo o armazenamento e a liberação dos fótons de forma precisa e controlada e, por fim, fibras ópticas padrão foram empregadas para a transmissão dos fótons, possibilitando a conexão com a infraestrutura de telecomunicações existente.

Esse avanço na internet quântica permite a construção de redes escaláveis, então, usando cabos de fibra óptica comuns, oferece uma maneira de comunicação mais segura em grande escala, o que significa que em um futuro próximo, provavelmente será possível nos conectar globalmente de forma mais segura.

*Alice Labate é estagiária sob supervisão do editor Bruno Romani

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.