PUBLICIDADE

Previsões para 2024? Não pergunte às cartas, pergunta à IA; veja apps que ‘mostram o futuro’

Oráculo digital com inteligência artificial é nova moda entre curiosos pelo futuro

Foto do author Alice Labate
Por Alice Labate
Atualização:

Quem nunca quis saber sobre o seu próprio futuro? Oráculos e tiragens de tarô são as opções mais tradicionais quando o desejo é descobrir mais sobre o que nos aguarda, mas, agora, com a evolução da tecnologia, a tradição mística encontra a inovação tecnológica: os sites de tiragens de tarô alimentados por inteligência artificial (IA).

O oráculo online pode ser uma maneira simplificada de buscar respostas imediatas para dúvidas sobre o futuro ou dentro do aspecto místico. E com a evolução da IA, já há alguns sites gratuitos que usam a tecnologia para fazer tiragens rápidas e responder a dúvidas dos usuários.

Plataformas como Tarolia e oTarot oferecem uma interpretação prática e fácil das cartas, entregando respostas concisas, seja um “Sim” ou um “Não”, para qualquer questão. Veja a seguir cinco plataformas de tiragens de tarô gratuitas e que usam IA.

Tarolia

PUBLICIDADE

O Tarolia é um site gratuito e fácil de usar. Ao rolar a tela, o usuário encontra uma barra de bate-papo onde deve escrever uma pergunta e clicar em Consultar o Tarot. Depois, o site vai dar 22 opções de cartas e o usuário deve escolher apenas uma, que será a base da sua resposta.

Após a interpretação da carta, o site interpreta a pergunta enviada e formula uma resposta clara e direta, dando uma explicação detalhada ao que foi questionado.

Tarolia usa o baralho de 22 cartas para responder a uma pergunta do usuário Foto: Reprodução/Tarolia

Tarot Ativo

O Tarot Ativo também é uma plataforma gratuita, mas um pouco diferente do Tarolia. Nele, o usuário pode experimentar o tarô “Sim ou Não” de três cartas. A ferramenta sugere que o usuário se concentre antes de optar por uma das três cartas disponíveis, mentalizando sua pergunta.

Após a escolha, o site revela não apenas o significado da carta selecionada, mas também a resposta que ela simboliza.

Publicidade

Tarot Ativo pede ao usuário que escolha uma carta das três oferecidas para responder a pergunta feita Foto: Reprodução/Tarot Ativo

Tarot Moon

Parecido com o Tarolia, o Tarot Moon também pede ao usuário que escreva ou selecione uma pergunta na barra de bate-papo, e, em seguida, orienta a clicar no segundo passo Aleatório para “embaralhar” as cartas.

Depois, o terceiro passo é clicar em Cartão de revelação e, para finalizar, selecionar Mostrar o significado para ver a sua resposta.

Tarot Moon pede que o usuário escreva sua pergunta para formular uma resposta Foto: Reprodução/Tarot Moon

Horóscopo Virtual

O Horóscopo Virtual, por sua vez, utiliza o baralho de 20 cartas no tarô “Sim ou Não”. Nas instruções, a plataforma indica que é necessário se concentrar em uma pergunta objetiva, respirar fundo e, só depois, clicar em Embaralhar as cartas. Em seguida, deve-se escolher uma carta para descobrir a resposta.

Para fazer outra pergunta, basta clicar em Jogar novamente. O jogo oferece apenas respostas simples de “sim” ou “não”, sem realizar análises aprofundadas sobre as cartas obtidas.

Horóscopo Virtual não interpreta as respostas, apenas responde objetivamente com 'sim' ou 'não' Foto: Reprodução/Horóscopo Virtual

oTarot

PUBLICIDADE

O jeito como a tiragem funciona no oTarot é diferente. Você começa pensando numa pergunta clara, aperta o botão Embaralhar e escolhe 10 cartas do baralho. Depois, o site orienta a selecionar três cartas enquanto pensa em seus pontos fortes, três cartas enquanto pensa em seus pontos fracos e três cartas enquanto pensa sobre seu futuro.

Ao final, o site interpreta o que essas cartas querem dizer sobre o futuro, mas sem responder explicitamente a pergunta, apenas dá dicas sobre o que é possível melhorar e tomar cuidado em todos os âmbitos da vida e indica algumas características pessoais conforme a escolha das cartas.

oTarot exige que o usuário escolha seis cartas do baralho para começar a tiragem Foto: Reprodução/oTarot

*Alice Labate é estagiária sob supervisão do editor Bruno Romani

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.