PUBLICIDADE

Robôs vão se tornar inteligentes com salto na IA em 2024; veja previsões

Área deve avançar em um ritmo acelerado, tornando-se mais poderosa e se espalhando pelo mundo físico

Por Cade Metz

THE NEW YORK TIMES — Em um evento em São Francisco em novembro, Sam Altman, presidente executivo da empresa de inteligência artificial OpenAI, foi questionado sobre as surpresas que o campo traria em 2024.

PUBLICIDADE

Os chatbots online, como o ChatGPT, da OpenAI, darão “um salto que ninguém esperava”, respondeu Altman imediatamente.

Sentado ao seu lado, James Manyika, executivo do Google, acenou com a cabeça e disse: “Mais um para isso”.

O setor de IA este ano deverá ser definido por uma característica principal: um aprimoramento extremamente rápido da tecnologia, à medida que os avanços se acumulam uns sobre os outros, permitindo que a IA gere novos tipos de mídia, imite o raciocínio humano de novas maneiras e penetre no mundo físico por meio de uma nova espécie de robô.

Nos próximos meses, os geradores de imagens com IA, como DALL-E e Midjourney, fornecerão instantaneamente vídeos e imagens estáticas. E eles se fundirão gradualmente com chatbots como o ChatGPT.

Isso significa que os chatbots se expandirão muito além do texto digital, lidando com fotos, vídeos, diagramas, gráficos e outras mídias. Eles apresentarão um comportamento que se assemelha mais ao raciocínio humano, lidando com tarefas cada vez mais complexas em áreas como matemática e ciências. À medida que a tecnologia se transforma em robôs, ela também ajudará a resolver problemas além do mundo digital.

O rápido progresso da IA continuará. É inevitável

David Luan, CEO da startup de inteligência artificial Adept

Muitos desses desenvolvimentos já começaram a surgir nos principais laboratórios de pesquisa e em produtos de tecnologia. Mas em 2024, o poder desses produtos aumentará significativamente e será usado por muito mais pessoas.

Publicidade

“O rápido progresso da IA continuará”, disse David Luan, presidente executivo da Adept, uma startup de IA. “É inevitável.”

A OpenAI, o Google e outras empresas de tecnologia estão avançando a IA muito mais rapidamente do que outras tecnologias devido à forma como os sistemas subjacentes são construídos.

A maioria dos aplicativos de software é criada por engenheiros, uma linha de código de computador por vez, o que normalmente é um processo lento e tedioso. As empresas estão aprimorando a IA mais rapidamente porque a tecnologia se baseia em redes neurais, sistemas matemáticos que podem aprender habilidades por meio da análise de dados digitais. Ao identificar padrões em dados como artigos da Wikipédia, livros e textos digitais extraídos da Internet, uma rede neural pode aprender a gerar textos por conta própria.

Este ano, as empresas de tecnologia planejam alimentar os sistemas de IA com mais dados - incluindo imagens, sons e mais texto - do que as pessoas conseguem entender. À medida que esses sistemas aprenderem as relações entre esses vários tipos de dados, eles aprenderão a resolver problemas cada vez mais complexos, preparando-os para a vida no mundo físico.

PUBLICIDADE

(O New York Times processou a OpenAI e a Microsoft no mês passado por violação de direitos autorais de conteúdo de notícias relacionadas a sistemas de IA).

Nada disso significa que a IA será capaz de se igualar ao cérebro humano em um futuro próximo. Embora as empresas e os empreendedores de IA tenham como objetivo criar o que chamam de “inteligência geral artificial” - uma máquina que pode fazer tudo o que o cérebro humano pode fazer - essa continua sendo uma tarefa assustadora. Apesar de todos os seus rápidos avanços, a IA ainda está nos estágios iniciais.

Aqui está um guia de como a IA deve mudar este ano, começando com os avanços mais próximos, que levarão a um maior progresso em suas habilidades.

‘Agentes de IA’

À medida que as empresas ensinam os sistemas de IA a resolver problemas complexos, um passo de cada vez, elas também podem melhorar a capacidade dos chatbots de usar aplicativos de software e sites em seu nome.

Os pesquisadores estão essencialmente transformando os chatbots em um novo tipo de sistema autônomo chamado de agente de IA. Isso significa que os chatbots podem usar aplicativos de software, sites e outras ferramentas on-line, incluindo planilhas, calendários on-line e sites de viagens. As pessoas poderiam, então, transferir o tedioso trabalho de escritório para os chatbots. Mas esses agentes também poderiam eliminar completamente os empregos.

Os chatbots já operam como agentes de pequenas maneiras. Eles podem agendar reuniões, editar arquivos, analisar dados e criar gráficos de barras. Mas essas ferramentas nem sempre funcionam tão bem quanto deveriam. Os agentes são totalmente ineficazes quando aplicados a tarefas mais complexas.

Este ano, as empresas de IA estão preparadas para revelar agentes mais confiáveis. “Você deve ser capaz de delegar qualquer trabalho tedioso do dia a dia do computador a um agente”, disse Luan.

Isso pode incluir o controle de despesas em um aplicativo como o QuickBooks ou o registro de dias de férias em um aplicativo como o Workday. Em longo prazo, isso se estenderá além dos serviços de software e Internet e entrará no mundo da robótica.

Robôs mais inteligentes

No passado, os robôs eram programados para executar a mesma tarefa repetidamente, como pegar caixas que sempre têm o mesmo tamanho e formato. Mas, usando o mesmo tipo de tecnologia que sustenta os chatbots, os pesquisadores estão dando aos robôs o poder de lidar com tarefas mais complexas, inclusive aquelas que eles nunca viram antes.

Publicidade

Robôs humanoides da Tesla já executam tarefas e têm previsão de chegar ao mercado entre 2026 e 2028 Foto: Tesla/Divulgação

Assim como os chatbots podem aprender a prever a próxima palavra em uma frase analisando grandes quantidades de texto digital, um robô pode aprender a prever o que acontecerá no mundo físico analisando inúmeros vídeos de objetos sendo cutucados, levantados e movidos.

“Essas tecnologias podem absorver enormes quantidades de dados. E à medida que absorvem dados, podem aprender como o mundo funciona, como a física funciona, como você interage com os objetos”, disse Peter Chen, ex-pesquisador da OpenAI que dirige a Covariant, uma startup de robótica.

Este ano, a IA vai turbinar os robôs que operam nos bastidores, como os braços mecânicos que dobram camisas em uma lavanderia ou classificam pilhas de coisas em um depósito. Titãs da tecnologia, como Elon Musk, também estão trabalhando para levar robôs humanoides para as casas das pessoas.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.