PUBLICIDADE

Detalhes que fazem a diferença

Em vez de reinventar o iPad, Apple melhora as características de seu tablet

PUBLICIDADE

Por Redação Link
Atualização:
Funcionário da Apple segura o novo iPad 2 em loja de Londres. FOTO: Luke MacGregor/ REUTERS 

Por David Pogue, do New York Times

PUBLICIDADE

“Um fracasso terrível” para o blog Orange County Web Design. “Céus, quanta indiferença ele inspira”, tripudiou o Gizmodo. Seja qual for o objeto destas opiniões, deve ser mesmo uma bomba. O que poderia ser? Ele mesmo, o iPad. Poupemos os críticos. Eles tinham razão, ao menos do ponto de vista racional. O iPad não satisfazia a nenhuma necessidade óbvia. Para quem já tinha um telefone com tela sensível ao toque e um laptop, não havia motivo para ter um iPad, que parecia ser apenas uma versão grandona do iPod Touch.

Mas, ao que parece, ele apela mais à emoção do que à razão. Depois de tê-lo nas mãos, o usuário é apanhado pelo fascínio de manipular objetos na tela por meio do toque. A Apple vendeu 15 milhões deles em nove meses.

Agora, desde o dia 11 deste mês, está à venda o iPad 2, pelo mesmo preço do modelo original (de US$ 500, com Wi-Fi e 16 Gb, a US$ 830, com Wi-Fi e 3G e 64 Gb). E para aqueles que viam no iPad 1 um lapso intelectual/emocional, esperem até por os olhos na nova versão.

Na prática, a Apple não fez muito: reduziu a espessura do iPad em um terço, diminuiu seu peso em 15% e dobrou a velocidade de processamento. Não há recursos novos além de duas câmeras e um giroscópio. Mas, meus amigos, vou contar: essas pequenas melhorias mudam tudo. Não se trata de um laptop ou de uma TV, cuja espessura não é notada durante o uso. Isso é um tablet. Quase invariavelmente, nós o seguramos. Fino e leve são características muito importantes para o conforto e a delícia da experiência. E o mesmo pode ser dito das bordas arredondadas, ausentes no primeiro iPad.

O iPad 2 tem 0,86 cm de espessura. Perto dele, o Motorola Xoom – o melhor concorrente da plataforma Android até agora – parece obeso. Mesmo assim, ele aguenta 10 horas de uso por carga da bateria. Alguns de seus novos recursos do iPad são maneiras de alcançar a concorrência. Há uma câmera na parte traseira (sem flash) capaz de gravar vídeos em alta definição. Aqueles que nunca usaram o tablet como uma câmera terão uma agradável surpresa: a tela inteira serve como visor. É como usar uma ampliação de 20 cm x 25 cm para compor a cena. Mas há um detalhe frustrante: as imagens still têm resolução baixa (0,7 MP).

Há também uma nova câmera frontal de baixa resolução, útil para chamadas de vídeo, como aquelas feitas no iPhone 4, Touch, iPad 2 e Mac equipados com o software FaceTime.

Publicidade

Capa. Normalmente, dedicar o espaço de uma resenha tecnológica à capa de proteção da tela pode ser um indício de que o colunista ficou sem assunto. Mas a nova capa da Apple é um símbolo perfeito do seu apreço pelos truques da alta tecnologia. A capa é afixada ao ser encaixada sobre a tela do iPad como quem faz uma cama. Com um satisfatório clique, ímãs ocultos prendem o objeto com firmeza ao iPad.

“Mas, pai, devemos manter os ímãs longe dos aparelhos eletrônicos!”, interveio meu filho de 6 anos, “Eu sei”, respondi. “Mas estamos falando da Apple.” E mostrei a ele como o iPad é ativado automaticamente quando abrimos a tampa. Ao fechá-la, o aparelho volta ao modo de espera.

O objetivo da capa (US$ 40 pela versão em poliuretano, ou US$ 70 pela versão em couro) não é proteger a tela, cujo vidro reforçado dispensa cuidados adicionais. Ela serve para acrescentar um toque de estilo, para ajudar na limpeza (a Apple diz que as microfibras dela afastam o pó) e para sustentar o iPad: inteligentes dobradiças nos painéis rígidos da capa sustentam o iPad em duas posições diferentes, para ver filmes ou para usar o teclado na tela com as mãos livres.

Há também um giroscópio no iPad, assim como no iPhone 4. Só reparamos nele ao jogar games que explorem o recurso, como Nova 2, jogo de tiro, em que você olha para trás no cenário 3D ao mover o iPad para o lados.

PUBLICIDADE

Concorrentes. Imagino que os próximos meses tragam uma avalanche de tablets para fazer frente ao iPad. E eles oferecerão alguns recursos sedutores. Num tablet com o Android, pode-se falar para inserir texto em qualquer caixa que aceite digitação. E há um excelente aplicativo de orientação geográfica que acompanha os movimentos curva a curva – uma tela de 25 cm transforma o GPS numa nova experiência. É como ser guiado a seu destino por um filme.

Além disso, os novos tablets com Android exibirão vídeos e animações em Flash, coisa que Apple e Adobe dizem que nunca será possível no iPad (nem no iPhone). Rodar Flash num tablet pode ser decepcionante e consumir muita bateria, mas costuma ser melhor do que nada.

Milhares de sites ainda dependem do Flash, e o iPad, o iPhone e o iPod Touch não conseguem exibi-los.

Publicidade

Mas sabem de uma coisa? O iPad continuará dominando o mercado, pois é melhor em todos os critérios mais importantes: espessura, peso, integração, beleza e aplicativos.

Ah, sim, os aplicativos: há 65 mil deles disponíveis para o iPad (além dos 290 mil para o iPhone que rodam numa resolução reduzida no iPad.) Mas o kit de ferramentas de programação do Google para os tablets acaba de ser lançado, e por isso há poucos aplicativos para telas maiores com o sistema Android.

Em altaLink
Loading...Loading...
Loading...Loading...
Loading...Loading...

O grande trunfo, ao que parece, está no preço. A Apple está no auge de sua forma – e no comando da indústria. A regra diz que paga-se mais para ter a elegância dos produtos da Apple.

Mas o que impressiona neste caso é que o iPad 2 é mais barato do que os concorrentes Android mais diretos, como o Xoom e o Samsung Galaxy Tab. Esta reviravolta deve estar relacionada a grande influência da Apple enquanto compradora – quando se faz uma encomenda de 5 milhões de unidades de um componente, em geral é possível convencer o vendedor a propor um preço mais atraente.

Mas o detalhe do preço pode ser sedutor. Significa que, pela primeira vez, o coração poderá ignorar as orientações práticas enviadas pelo cérebro.

/ TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL

—-Leia mais:Link no papel – 28/03/2011Aberta a temporada de tablets no BrasilPortáteis estão na agenda de DilmaSem demanda, sem ofertaCom vendas pífias no formato digital, editoras hesitamNova versão do app EstadãoPara baixar

Publicidade

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.