PUBLICIDADE

Amazon contrata a rival SpaceX, de Elon Musk, para lançar satélites de internet

Parceria acontece após acionista da Amazon acusar a empresa em ação judicial de não conceder um contrato de lançamento à SpaceX devido a uma rivalidade entre Jeff Bezos e Elon Musk

Por Christian Davenport
Atualização:

THE WASHINGTON POST - A Amazon anunciou na sexta-feira, 1º, que assinou um contrato com a SpaceX, sua principal rival no setor de satélites de internet, para três lançamentos de seus satélites Kuiper. O contrato é uma vitória para a SpaceX e uma demonstração adicional de que seu foguete Falcon 9 se tornou importante para a indústria espacial dos Estados Unidos.

PUBLICIDADE

A parceria ocorre meses depois que um acionista da Amazon acusou a empresa em uma ação judicial de não conceder um contrato de lançamento à SpaceX devido a uma rivalidade entre o fundador da Amazon, Jeff Bezos, e o fundador da SpaceX, Elon Musk (veja abaixo).

Anteriormente, a Amazon havia anunciado contratos com outras três empresas de foguetes, incluindo a Blue Origin, a empresa espacial de Bezos. No entanto, nenhum desses foguetes havia voado, e, de acordo com a licença da Comissão Federal de Comunicações, a Amazon precisa colocar metade dos 3.236 satélites planejados para seu serviço em órbita até julho de 2026.

O serviço de internet via satélite Starlink da SpaceX já está operacional e expandindo rapidamente, com cerca de 5 mil satélites em órbita. A Amazon lançou seus dois primeiros satélites protótipos apenas em outubro.

Ambos os serviços são projetados para transmitir sinais de internet para estações terrestres em áreas remotas que não têm acesso confiável à banda larga. A Amazon afirmou que os lançamentos na SpaceX ocorrerão em 2025, destacando o histórico comprovado do Falcon 9, que “completou mais de 270 lançamentos bem-sucedidos até o momento”.

Para competir com a SpaceX, a Amazon pretende investir US$ 10 bilhões no projeto Kuiper e anunciou planos de lançar seus satélites nos foguetes New Glenn da Blue Origin, Vulcan da United Launch Alliance e Ariane 6 da Arianespace.

O foguete SpaceX Falcon 9, transportando satélites Starlink, decola da Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral, na Flórida  Foto: Craig Bailey/Florida Today via AP

Ação judicial

Esses contratos de lançamento resultaram em uma ação judicial, movida em agosto por um acionista da Amazon, alegando que a empresa violou seu dever fiduciário ao não considerar a SpaceX, um dos provedores de lançamento mais acessíveis e confiáveis do mundo.

Publicidade

A ação alega que a rivalidade entre Bezos e Musk foi a causa da recusa em conceder o contrato de lançamento à SpaceX. No ano passado, Dave Limp, então vice-presidente sênior de dispositivos e serviços da Amazon, afirmou em uma entrevista que a Amazon estava “aberta a conversar com a SpaceX” e reconheceu a competência do Falcon 9, mas mencionou a possibilidade de usar o Falcon Heavy ou o Starship, que têm maior capacidade de carga.

Limp assumirá o cargo de CEO na Blue Origin na segunda-feira. A Amazon celebrou o voo bem-sucedido de seus dois protótipos, mas afirmou que ainda há um longo caminho pela frente. “Kuiper era uma ideia em um pedaço de papel alguns anos atrás, e tudo o que aprendemos até agora com nossa missão de protótipo valida nossa visão e arquitetura originais”, disse Rajeev Badyal, vice-presidente de tecnologia do Projeto Kuiper, em um comunicado. “Ainda temos muito trabalho pela frente, e a escalabilidade para a produção em massa não será fácil”.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.