PUBLICIDADE

Fim do home office gera êxodo de talentos nas gigantes da tecnologia

Nos meses após ordens de retorno ao escritório, um número maior de funcionários experientes deixou grandes empresas do setor

Por Taylor Telford (The Washington Post )

O fim do home office em algumas das empresas de tecnologia mais poderosas - Apple, Microsoft e SpaceX - foram seguidos por um aumento nas saídas dos talentos mais experientes e difíceis de substituir, de acordo com um estudo publicado na semana passada por pesquisadores da Universidade de Chicago e da Universidade de Michigan.

PUBLICIDADE

Os pesquisadores se basearam em dados de currículos do People Data Labs para entender o impacto que o retorno forçado aos escritórios teve sobre a permanência dos funcionários e a movimentação dos trabalhadores entre as empresas. O que eles descobriram foi uma forte correlação entre a saída de funcionários de nível sênior logo após a implementação de uma ordem de retorno, sugerindo que essas políticas “tiveram um efeito negativo sobre a permanência e a senioridade de sua respectiva força de trabalho”. A pesquisa sugere que os funcionários de alto escalão permaneceram vários meses a menos do que teriam permanecido sem a obrigatoriedade e, em muitos casos, foram trabalhar para concorrentes diretos.

Na Microsoft, a parcela de funcionários seniores como parte da força de trabalho geral da empresa diminuiu mais de 5 pontos percentuais após a entrada em vigor da obrigatoriedade de retorno ao escritório, segundo os pesquisadores. Na Apple, o declínio foi de 4 pontos percentuais, enquanto na SpaceX - a única empresa das três que exige que os funcionários sejam totalmente presenciais - a parcela de funcionários seniores caiu 15 pontos percentuais.

“Descobrimos que os funcionários experientes afetados por essas políticas nas principais empresas de tecnologia procuram trabalho em outro lugar, levando consigo alguns dos mais valiosos investimentos em capital humano e ferramentas de produtividade”, disse Austin Wright, professor assistente de políticas públicas da Universidade de Chicago, EUA, e um dos autores do estudo. “Os líderes empresariais devem avaliar cuidadosamente as preferências dos funcionários e as oportunidades de mercado ao decidirem quando, ou se, determinarão o retorno ao escritório.”

Estudo revela que a obrigatoriedade de retorno ao escritório nas empresas de tecnologia líderes resultou em uma significativa saída de funcionários experientes Foto: Mike Segar/Reuters

A tecnologia é um setor “onde o discurso sobre o retorno ao escritório foi mais acalorado”, diz David Van Dijcke, pesquisador da Universidade de Michigan que trabalhou no estudo. A Microsoft, a Apple e a SpaceX desempenham um papel extraordinário no setor - coletivamente, elas representam mais de 2% da força de trabalho de tecnologia e 30% da receita do setor, de acordo com os pesquisadores - e sua política de escritório “estabelece o precedente para o debate mais amplo sobre o retorno ao escritório”, escreveram os autores do estudo.

Essas três empresas também estavam entre as primeiras grandes empresas de tecnologia a buscar o aviso de retorno ao escritório em 2022, permitindo que os pesquisadores separassem os efeitos dos mandatos das demissões tecnológicas generalizadas que abalaram o setor no final do ano, disse Van Dijcke.

A Microsoft se recusou a comentar sobre a pesquisa ou suas políticas de retorno ao escritório, e a SpaceX não respondeu a um pedido de comentário do The Washington Post. Mas o porta-voz da Apple, Josh Rosenstock, criticou o estudo como um trabalho que tira “conclusões imprecisas” e “não reflete a realidade de nossos negócios”.

Publicidade

“De fato, o desgaste está em níveis historicamente baixos”, disse Rosenstock.

A Apple, a Microsoft e a SpaceX diferem “acentuadamente” em suas culturas corporativas e linhas de negócios, e adotaram abordagens diferentes em suas políticas de retorno ao escritório. No entanto, os efeitos semelhantes dos mandatos encontrados pelos pesquisadores sugerem que “os efeitos são impulsionados por dinâmicas subjacentes comuns”, escreveram os autores.

“Nossas descobertas sugerem que os mandatos custam à empresa mais do que se pensava”, disse Van Dijcke. “Essas taxas de atrito não são apenas algo que pode ser gerenciado.”

O cabo de guerra sobre os escritórios está em um impasse há cerca de um ano: Os dados de ocupação de escritórios monitorados pela Kastle Systems mostram que a média nacional nas principais áreas metropolitanas dos EUA - incluindo Nova York, Washington e São Francisco - tem oscilado teimosamente em torno de 50% dos níveis pré-pandêmicos desde o início de 2023.

PUBLICIDADE

Um aumento nas saídas de funcionários seniores após mandatos de retorno ao escritório pode refletir o “golpe duplo” que eles infligem aos gerentes, que precisam lidar com os efeitos da política nas equipes que lideram e em suas próprias vidas, disse Christopher Myers, professor associado de gestão e saúde organizacional da Universidade Johns Hopkins, que não trabalhou no estudo.

Ele comparou a situação com a de liderar funcionários em meio a demissões ou estagnação salarial.

“É uma mudança na estrutura de trabalho, com certeza, mas também é apenas um golpe no moral”, disse Myers, que também é acadêmico da Academy of Management. Talvez os gestores saiam logo após os retornos, afirmou ele, “porque é mais fácil gerenciar uma equipe que está feliz”.

Publicidade

Executivos de tecnologia costumam exaltar os valores do trabalho presencial, citando os benefícios da conexão e da inovação. CEOs como Sam Altman, da OpenAI, Mark Zuckerberg, da Meta, e Elon Musk, da Tesla, criticaram os efeitos do trabalho remoto sobre a cultura e a produtividade da empresa. Em uma entrevista concedida em abril à CNBC, o CEO da Nike, John Donahoe, atribuiu a desaceleração da inovação na empresa ao trabalho remoto, dizendo que “é realmente difícil fazer inovações ousadas e disruptivas, desenvolver um tênis ousadamente disruptivo no Zoom”.

Os executivos não forneceram muitas evidências de que o retorno ao escritório realmente beneficia suas forças de trabalho, diz Robert Ployhart, professor de administração e gerenciamento de negócios da Universidade da Carolina do Sul, EUA. Por exemplo, não há nada que aponte para uma queda generalizada na produtividade com o aumento do trabalho híbrido, diz ele.

“As pessoas que estão no ápice podem não gostar da maneira como acham que a organização está sendo administrada, mas se elas não estão trazendo dados para esse ponto de vista, é realmente difícil argumentar por que as pessoas deveriam voltar ao local de trabalho com mais frequência”, diz Ployhart.

Os funcionários seniores, disse Ployhart, são “os zeladores da cultura da empresa” e ter que substituí-los pode ter efeitos negativos sobre o moral e a produtividade da equipe.

“Ao afastar esses funcionários, eles na verdade melhoraram e aceleraram exatamente o que estavam tentando impedir”, afirma Ployhart.

Embora o estudo tenha se concentrado em três empresas, suas descobertas refletem amplamente o impacto das exigências de retorno ao escritório sobre as forças de trabalho em todo o país, de acordo com Ployhart, que também é acadêmico da Academy of Management. As empresas ainda estão lutando para se adaptar a um cenário fundamentalmente alterado pelo trabalho híbrido.

“Temos realmente um mundo muito fragmentado, e essas políticas de tamanho único tendem a ter dificuldades para serem bem-sucedidas quando há tantas nuances na forma como trabalhamos”, diz Ployhart.

Publicidade

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.