Freada brusca: saiba os bastidores de como o projeto de carro da Apple esfarelou

Desentendimentos internos sobre o projeto fizeram com que o esforço se arrastasse por anos e queimasse US$ 10 bi até ser cancelado

PUBLICIDADE

Por Brian X. Chen e Tripp Mickle

THE NEW YORK TIMES - Na terça-feira, 27, o projeto do carro da Apple, cujo codinome interno era “Titan”, foi cancelado após desentendimentos entre funcionários da empresa. O nome do projeto, que faz referência ao desastre do Titanic, é uma estranha coincidência, como se já soubessem que ele fracassaria.

PUBLICIDADE

Ao longo de sua existência, o projeto do carro foi descartado e reiniciado várias vezes, dispensando centenas de funcionários. Como resultado do duelo de opiniões entre os líderes sobre o que deveria ser um carro da Apple, ele começou como um veículo elétrico que competiria com a Tesla e se transformou em um carro autônomo para rivalizar com o Waymo, do Google.

No momento de sua morte - na terça-feira, 27, quando os executivos anunciaram internamente que o projeto estava sendo encerrado e que muitos membros da equipe estavam sendo realocados para trabalhar com inteligência artificial (IA) - a Apple havia queimado mais de US$ 10 bilhões no projeto e o carro havia voltado ao seu início como um veículo elétrico com recursos de assistência à direção que rivalizavam com os da Tesla, de acordo com pessoas que trabalharam no projeto na última década.

O fim do projeto do carro foi um testemunho da forma como a Apple tem se esforçado para desenvolver novos produtos nos anos que se seguiram à morte de Steve Jobs em 2011. O esforço teve quatro líderes diferentes e realizou várias rodadas de demissões. No entanto, o projeto se deteriorou e acabou fracassando, em grande parte porque o desenvolvimento do software e dos algoritmos para um carro com recursos de direção autônoma se mostrou muito difícil.

Projeto de carro autônomo da Apple naufraga após uma década de desafios e bilhões perdidos Foto: Mike Segar/Reuters

A Apple se recusou a comentar.

“Quando começou, estava alinhando as estrelas em algo que só a Apple poderia fazer”, diz Bryant Walker Smith, professor da Universidade da Carolina do Sul, EUA, que conversou brevemente com a Apple sobre seu projeto em 2015. “Uma década depois, os astros se realinharam para tornar isso um grande risco e não um grande ganho.”

Quando a Apple lançou seu projeto de carro em 2014, ela estava em meio a uma debandada de investidores, executivos, engenheiros e empresas que perseguiam a ideia de um carro autônomo. Depois que o Google começou a testar protótipos em vias públicas na Califórnia, vozes em todo o Vale do Silício insistiram que os veículos autônomos logo seriam comuns. A Apple não queria ficar para trás.

Publicidade

Na época, a empresa estava lidando com perguntas de seus principais engenheiros sobre seu próximo projeto, de acordo com três pessoas familiarizadas com as origens do programa. A empresa havia acabado de concluir o Apple Watch, e muitos engenheiros estavam inquietos para começar a trabalhar em algo novo. Tim Cook, executivo-chefe da Apple, aprovou o projeto em parte para evitar um êxodo de talentos de engenheiros que aceitaram empregos na Tesla.

A Apple também precisava encontrar novas maneiras de expandir seus negócios. A empresa estava prevendo que as vendas de iPhone diminuiriam nos próximos anos. Os carros faziam parte de um setor de transporte de US$ 2 trilhões que poderia ajudar a Apple, que até então era um negócio de quase US$ 200 bilhões.

Apesar do voto de confiança do executivo-chefe da Apple, os membros da equipe sabiam que estavam trabalhando contra uma dura realidade, de acordo com os seis funcionários familiarizados com o projeto. Se algum dia chegasse ao mercado, um carro da Apple provavelmente custaria pelo menos US$ 100 mil e ainda geraria um lucro ínfimo em comparação com smartphones e fones de ouvido. Ele também chegaria anos depois de a Tesla ter dominado o mercado.

A empresa manteve algumas discussões com Elon Musk sobre a aquisição da Tesla, de acordo com duas pessoas familiarizadas com as conversas. Mas, por fim, decidiu que construir seu próprio carro fazia mais sentido do que comprar e integrar outra empresa.

Musk não respondeu a um pedido de comentário.

PUBLICIDADE

A história do projeto

Desde o início, o projeto foi perturbado por opiniões divergentes sobre o que deveria ser, disseram pessoas familiarizadas com o assunto. Steve Zadesky, que inicialmente liderou o esforço, queria construir um veículo elétrico que competisse com a Tesla. Jony Ive, diretor de design da Apple, queria um carro autônomo, o que, segundo os membros da equipe de software, poderia ser feito.

A Apple, que na época tinha US$ 155 bilhões em caixa, gastou muito para contratar centenas de pessoas com experiência em aprendizado de máquina e outros recursos cruciais para a fabricação de um carro autônomo. O afluxo de pessoas fez com que o projeto fosse um dos primeiros desenvolvidos pela Apple com tantas pessoas de fora, novas na cultura da empresa.

A equipe de carros, composta por mais de 2 mil funcionários até este ano, incluía engenheiros que haviam trabalhado na NASA e desenvolvido carros de corrida para a Porsche.

O grupo desenvolveu uma série de novas tecnologias, incluindo um para-brisa que poderia exibir instruções passo a passo e um teto solar com polímero especial para reduzir o calor do sol.

Para aumentar o moral e a orientação, executivos famosos como Ive e o chefe de engenharia do Mac, Bob Mansfield, se envolveram. A empresa adquiriu várias startups para se juntar à equipe do carro. Em 2021, para conduzir o projeto ao sucesso, a Apple colocou Kevin Lynch, o executivo por trás do popular Apple Watch, no comando do carro.

Ive e sua equipe de designers desenharam conceitos para um carro que se pareceria com uma minivan europeia, como a Fiat Multipla 600, uma van compacta com meia dúzia de janelas e um teto curvo. Ele não tinha volante e seria controlado pelo assistente virtual da Apple, a Siri.

Em 2015, Ive e Cook se encontraram na sede do projeto em Sunnyvale, Califórnia, para uma demonstração de como o carro poderia funcionar. Os dois homens se acomodaram nos assentos de um interior semelhante a uma cabine. Do lado de fora, um dublador lia um roteiro do que a Siri diria enquanto os dois percorriam a estrada em um carro imaginário. Ive perguntou à Siri por qual restaurante eles passaram e o ator leu uma resposta, disseram duas pessoas familiarizadas com a demonstração.

Mas, em 2016, ficou claro que a iniciativa do carro estava com problemas. Zadesky deixou a Apple e seu sucessor, Mansfield, disse à equipe que estava trabalhando no projeto que eles mudariam seu foco da construção de um carro para a construção de um software de carro autônomo.

A Apple obteve licenças da Califórnia para começar a testar veículos utilitários esportivos da Lexus equipados com sensores e computadores. Ela manteve discussões com fabricantes de automóveis como BMW, Nissan e Mercedes-Benz antes de fechar um acordo com a Volkswagen para fornecer vans Transporter para transporte autônomo no campus da Apple.

Mais dois líderes assumiram o controle da iniciativa de carros nos anos seguintes. Doug Field, um ex-executivo da Tesla, demitiu mais de 200 funcionários do projeto enquanto se dedicava aos esforços para desenvolver seu sistema de direção autônoma. Depois, Lynch, que o sucedeu nos últimos anos, reverteu os planos da empresa e voltou à sua ideia original de fabricar um veículo elétrico.

Publicidade

Mansfield e Field não responderam aos pedidos de comentários.

No início deste ano, a liderança da Apple decidiu que era melhor usar o tempo da empresa para trabalhar na IA generativa em vez do carro, disse a empresa aos funcionários em uma reunião interna na terça-feira, 27. A companhia afirmou que alguns membros da equipe do Projeto Titan seriam transferidos para trabalhar com inteligência artificial.

Em entrevistas na quarta-feira ao The New York Times, pessoas que trabalharam no projeto elogiaram a decisão de encerrá-lo, dizendo que a tecnologia por trás da IA generativa poderia ser inestimável para o futuro do importantíssimo negócio do iPhone da empresa.

O projeto morto de carro da Apple sobreviverá por suas tecnologias subjacentes. A empresa planeja aproveitar o que aprendeu sobre inteligência artificial e automação e aplicá-lo a outras tecnologias que estão sendo pesquisadas, incluindo AirPods com câmeras acionadas por IA, assistentes robóticos e realidade aumentada.

Embora os engenheiros que atuam com software de automação possam trabalhar em projetos de inteligência artificial, outros membros da equipe de carros foram informados de que precisarão se candidatar a outras funções na empresa.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.