PUBLICIDADE

Sam Altman, ‘pai do ChatGPT’, se casa com engenheiro de software

Fotos da cerimônia entre Sam Altman e Oliver Mulherin começaram a circular nas redes sociais na quinta-feira

Foto do author Redação
Por Redação

Sam Altman, o CEO da OpenAI, casou-se com seu namorado, Oliver Mulherin, em uma cerimônia discreta à beira-mar, de acordo com o portal estadunidense NBC News, que recebeu a confirmação da notícia pelo próprio Altman. Não ficou claro quando o casamento ocorreu.

Ambos têm perfis fechados nas redes sociais, mas fotos da cerimônia entre o “pai do ChatGPT” e Mulherin, um engenheiro de software australiano que mora com Altman na Califórnia, começaram a circular nas redes sociais na quinta-feira, 11. Ironizando a discrição do CEO, alguns internautas questionaram no X se as imagens haviam sido feitas com inteligência artificial.

As fotos mostram o casal vestido de branco, cercado por palmeiras, em uma cenário praiano. Cerca de 10 pessoas estavam presentes na cerimônia, de acordo com as imagens. Em uma das fotos, Altman e Mulherin aparecem quebrando vidros, uma característica tradicional dos casamentos judaicos. De acordo com o tabloide britânico Daily Mail, o evento foi realizado em Kailua-Kona, no Havaí, em uma propriedade de US$ 43 milhões.

Altman e Mulherin dividem uma casa em Russian Hill, na região central de São Francisco. Aos finais de semana, os dois costumam ir a um rancho em Napa, na Califórnia, onde cultivam uvas para vinho e criam gado, de acordo com uma reportagem feita pelo The New York Times em abril de 2023.

Sam Altman (dir) se casou Oliver Mulherin nesta semana  Foto: Julia Nikhinson/Reuters

PUBLICIDADE

Discreto na vida online e na imprensa, Sam Altman foi assunto de diversas manchetes durante o ano passado, quando foi expulso do cargo de CEO da OpenAI e, poucos dias depois, readmitido. Ele exigia que o conselho de diretores da companhia (responsável por demiti-lo) abandonasse o cargo. Em dezembro de 2023, ele foi eleito o CEO do ano pela revista norte-americana Time.

De acordo com seu perfil no LinkedIn, Mulherin, trabalhou na Meta por dois anos, entre 2020 e 2022, e estudou ciência da computação na Universidade de Melbourne.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.