PUBLICIDADE

USB-C e nova tela: tudo que já sabemos sobre o iPhone 15

Celular será anunciado este ano e a expectativa é que seja o ‘iPhone dos sonhos’ da Apple

Foto do author Alice Labate
Por Alice Labate

Ainda sem nome oficial, a nova geração do iPhone, conhecido informalmente como iPhone 15, deve ser anunciado em setembro deste ano, apesar de especialistas acreditarem que essa data será adiada para outubro. O novo aparelho é esperado para ser o “iPhone dos sonhos”, segundo informações são da agência de notícias Bloomberg.

A expectativa é que o modelo padrão do iPhone 15 vai remover o entalhe no topo da tela e adotar a Dynamic Island, recurso já visto nas versões Pro e Pro Max do iPhone 14. Já as novas versões dos topos de linha deverão ter uma tela feita por meio de uma nova técnica chamada moldagem por pressão de baixa injeção, chamada de “LIPO” pela Apple.

É esperado que os iPhones da linha 15 tragam muitas novidades Foto: Yeux1122/Reprodução/blog

PUBLICIDADE

A “LIPO” vai deixar a borda em volta da tela mais fina, com 1,5 mm, em vez dos 2,2 mm dos iPhones atuais. A técnica “LIPO” já foi usada antes no relógio Apple Watch Series 7 para fazer as bordas dele mais finas e a tela maior. A Apple também planeja usar a mesma técnica em iPads futuros.

Os modelos Pro deverão ter um design novo com laterais de titânio, enquanto o vidro da parte de trás vai continuar fosco. Já o iPhone 15 regular deve ficar mais rápido, por serem equipados com o chip A16 - o Pro vão deverá ganhar um novo chip de 3 nanômetros, o que o deve tornar ainda mais rápido.

A reportagem também afirma que o iPhone 15 e 15 Plus deverão ganhar câmeras significativamente melhores, apesar de parecidas com as de modelos atuais. Além disso, todos os celulares dessa linha não virão mais com o conector Lightning de carregamento - padrão da Apple -, mas sim com USB-C, seguindo a lei estabelecida pela União Europeia para uniformizar os carregadores.

Ainda não há informações sobre os valores desses novos modelos de iPhone, mas é esperado que o preço aumente bastante, principalmente nos aparelhos com moldura de titânio. A Apple chega a cobrar US$ 100 a mais por seus relógios inteligentes de titânio.

*Alice Labate é estagiária sob supervisão do editor Bruno Romani

Publicidade

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.