PUBLICIDADE

China cria regras para restringir gastos em jogos online como Fortnite e League of Legends

Jogos devem avisar ‘comportamento de consumo irracional’ quando um jogador ultrapassar um limite de gastos

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

A China divulgou na sexta-feira 22 um esboço de diretrizes com o objetivo de reduzir os gastos excessivos com jogos online, movimento que é tido como mais uma iniciativa do Partido Comunista Chinês para manter o controle da economia virtual do país.

PUBLICIDADE

O órgão regulador de jogos da China, a Administração Nacional de Imprensa e Publicação, emitiu diretrizes dizendo que os jogos online não podem oferecer incentivos para logins ou compras diárias. Outras restrições incluem a limitação de quanto os usuários podem recarregar e a emissão de avisos sobre “comportamento de consumo irracional”.

A Administração Nacional de Imprensa e Publicação aceitará comentários do público e do setor sobre as regras até 22 de janeiro. A proposta poderá então ser alterada antes de entrar em vigor.

O setor de jogos online da China lidera o mundo tanto em número de usuários, 650 milhões no ano passado, quanto em receita, US$ 45 bilhões, de acordo com uma pesquisa do banco de investimentos Goldman Sachs.

Repressão contra indústria de games

Essa não é a primeira medida de Pequim contra o setor de jogos online nos últimos anos.

Em 2021, os órgãos reguladores estabeleceram restrições rigorosas sobre o tempo que as crianças poderiam passar em jogos para apenas três horas por semana. Um veículo de notícias da mídia estatal descreveu os jogos online como “ópio espiritual”, uma alusão a épocas passadas em que a dependência da droga era generalizada na China.

As aprovações de novos videogames também foram suspensas por cerca de oito meses, sendo retomadas apenas em abril de 2022, quando as autoridades facilitaram uma repressão mais ampla a todo o setor de tecnologia.

Publicidade

China aperta cerco contra indústria de games, prejudicando o desempenho de companhias gigantes do setor, como a Tencent Foto: Maika Elan/Bloomberg

Já em 2019, as autoridades chinesas visaram o que consideravam ser um problema de vício em jogos online entre menores de idade, estabelecendo limites diários de tempo para jogadores com menos de 18 anos. Desde então, essas restrições foram reforçadas. Há quatro meses, os reguladores propuseram regras que exigiriam um “modo menor” em dispositivos móveis para limitar o tempo de tela e restringir o conteúdo para crianças em idade escolar.

Como resultado, empresas que já foram tão grandes quanto suas contrapartes nos Estados Unidos perderam, coletivamente, trilhões de dólares em valor de mercado.

Só na última sexta-feira, as ações da Tencent, a maior empresa de jogos da China e dona de títulos como Fortnite e League of Legends, caíram cerca de 16% antes de recuperar algum terreno e fechar em queda de 12%. O preço das ações da rival NetEase recuou cerca de 25%. / AP e NYT

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.