Microsoft conclui compra da Activision Blizzard, maior negócio da história da tecnologia

Aquisição do estúdio de jogos levou quase 22 meses para ser concluída e custou US$ 69 bilhões

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

AP - A Microsoft concluiu a compra da fabricante de videogames Activision Blizzard por US$ 69 bilhões na sexta-feira, 13, fechando uma das aquisições tecnológicas mais caras da história, que pode ter repercussões em todo o setor de videogames.

PUBLICIDADE

O aviso de que o negócio foi concretizado veio sete horas depois que a Microsoft obteve a aprovação final do órgão de fiscalização da concorrência do Reino Unido, que reverteu sua decisão anterior de bloquear a fusão, removendo o último obstáculo para a transação.

A aquisição dos estúdios por trás de jogos de grande sucesso como Call of Duty, Diablo e Overwatch será um impulso para o console de jogos Xbox da Microsoft, que ocupa o terceiro lugar em vendas, atrás do PlayStation, da Sony, e da Nintendo. A gigante do software também tem grandes ambições de incluir os títulos da Activision em seu serviço de assinatura de vários jogos, que funciona como uma espécie de Netflix para videogames.

Os quase 22 meses que foram necessários para fechar o negócio refletiram as preocupações dos rivais e dos órgãos reguladores do governo de que a Microsoft poderia usar sua forte posição no mundo dos jogos para sufocar a concorrência. Isso faz parte de uma consolidação mais ampla do setor, que também preocupa alguns desenvolvedores de jogos independentes, pois eles serão deixados de lado à medida que o setor aloca seus recursos para franquias de grande sucesso com um histórico de sucesso anterior.

Até então, a maior aquisição da história da empresa havia sido a compra da rede social corporativa LinkedIn – o negócio de US$ $26,2 bilhões foi fechado em 2016. O acordo pelo Skype, em 2011, envolveu US$ 8,5 bilhões. A compra da Activision Blizzard terá valor mais alto do que os 10 maiores negócios da Microsoft somados, que valem juntos US$ 63,3 bilhões.


Jusificativa

A Microsoft há muito tempo defende o acordo como sendo bom para os jogos, dizendo que seu objetivo era levar os jogos da Activision para mais pessoas em mais plataformas, em vez de tentar privar esses jogos dos fabricantes de consoles rivais.

“Quer você jogue no Xbox, PlayStation, Nintendo, PC ou celular, você é bem-vindo aqui - e continuará sendo bem-vindo, mesmo que o Xbox não seja onde você joga sua franquia favorita”, disse uma declaração na sexta-feira de Phil Spencer, CEO da divisão Xbox da Microsoft.

Publicidade

A bênção da Autoridade de Concorrência e Mercados do Reino Unido era esperada após a aprovação preliminar, no mês passado, de uma proposta reformulada da Microsoft, que visava abordar as preocupações de que o acordo prejudicaria a concorrência e prejudicaria os jogadores, especialmente no mercado emergente de jogos em nuvem, onde os jogadores podem evitar a compra de consoles caros e transmitir jogos para seus tablets ou telefones.

Acordo foi aprovado após enrosco com Reino Unido Foto: Peter Morgan/AP Photo/

“O novo acordo impedirá que a Microsoft bloqueie a concorrência nos jogos em nuvem à medida que esse mercado decola, preservando preços e serviços competitivos para os clientes de jogos em nuvem do Reino Unido”, disse o órgão de fiscalização.

No entanto, ele também inclina o “equilíbrio de poder significativamente” em favor da Microsoft, cujo console Xbox ficou atrás do PlayStation e da Nintendo, disse George Jijiashvili, principal analista sênior da empresa de consultoria e pesquisa tecnológica Omdia.

A Microsoft “agora tem uma grande oportunidade de ditar o futuro da indústria de jogos”, disse ele.

PUBLICIDADE

Desde que o acordo foi anunciado em janeiro de 2022, a Microsoft obteve aprovações de autoridades antitruste em mais de 40 países. Crucialmente, ela recebeu o aval da União Europeia, que tem 27 países, depois de concordar em permitir que usuários e plataformas de jogos em nuvem transmitam seus títulos sem pagar royalties por 10 anos.

O acordo enfrentou a maior resistência dos órgãos reguladores britânicos e americanos. A Sony também temia que isso limitasse o acesso dos jogadores de PlayStation a Call of Duty, a série de tiro militar de longa duração da Activision.

Para obter a aprovação do Reino Unido, a Microsoft venderá os direitos europeus de streaming em nuvem de todos os jogos atuais e novos da Activision lançados nos próximos 15 anos para o estúdio de jogos francês Ubisoft Entertainment.

Publicidade

No entanto, o órgão regulador ainda criticou a forma como o acordo foi firmado e advertiu outras empresas a não usarem as táticas da Microsoft para “insistir em um pacote de medidas que nós dissemos que simplesmente não funcionaria”.

O órgão regulador do Reino Unido “merece crédito por impor uma solução estrutural à Microsoft que é significativamente mais forte do que os fracos compromissos aceitos pela Comissão Europeia”, disse Max von Thun, diretor do escritório europeu do Open Markets Institute, um defensor de uma aplicação antitruste mais forte. Mas a reviravolta faz com que o órgão regulador do Reino Unido pareça “fraco e indeciso”, disse ele.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.