PUBLICIDADE

Dr.Consulta lança planos de saúde após comprar participação na cuidar.me

Acordo, que não teve valor divulgado, resulta na participação de 27,5% na cuidar.me e oferece opção de compra total no futuro

Foto do author Bruna Arimathea
Por Bruna Arimathea
Atualização:

O mercado de healthtechs acaba de ganhar uma nova provedora de planos de saúde. O nome, porém, já é conhecido “na praça”. O Dr.Consulta, startup de saúde especializada em atendimento ambulatorial, anuncia nesta quinta-feira, 16, que vai oferecer planos de saúde para os seus clientes em uma parceria com a cuidar.me. O serviço nasce após o Dr.Consulta comprar uma participação na startup e deve estrear no mercado preços a partir de R$ 170. 

O negócio, fechado nesta nesta semana, foi um flerte rápido entre a cuidar.me, que oferece planos de saúde focados no uso hospitalar, e o Dr.Consulta. De acordo com Marcus Vinícius Gimenes, fundador e presidente da cuidar.me, a aproximação das startups aconteceu pela necessidade de levantar uma rodada de aporte. As partes já eram parceiras em um produto de fidelidade chamado 'Yalo', e a movimentação para incluir os serviços hospitalares dentro do guarda-chuva do Dr.Consulta aconteceu há cerca de um mês. 

Renato Velloso (esq.), Marcus Gimenes (centro) e Thomaz Srougi (dir.) podem ser sócios em breve em uma possívelfusão das empresas Foto: Divulgação/Dr.Consulta

PUBLICIDADE

“É uma parceria inteligente. Nessa associação, estamos criando um plano semi-verticalizado. Estamos verticalizados na parte estratégica, onde a gente tem as informações do paciente nas nossas clínicas. E temos também o outro lado, onde a gente pode utilizar a estrutura de parceria de hospitais, em uma integração de sistemas com a cuidar.me.”, explica Renato Velloso, presidente do Dr.Consulta, em entrevista ao Estadão.

Lançada em junho de 2021, a cuidar.me se especializou em um mercado com demanda menor no setor de saúde: a cobertura hospitalar. Dentro do que a empresa oferece, os planos cobrem internações, cirurgias e serviços de pronto-socorro — cuidados ambulatoriais e consultas preventivas não estão no portfólio. Para Gimenes, essa era uma das opções mais rentáveis para resolver parte de um problema que sobrecarrega o sistema de saúde pública, por exemplo.

A startup entrou na mira do Dr.Consulta principalmente para complementar seus serviços médicos — que não ofereciam cobertura emergencial. De acordo com Velloso, a participação na empresa é a ponta que precisava ser amarrada pelo serviço. 

Nos planos de saúde, as duas empresas miram em valores competitivos. O serviço de entrada, na faixa etária de 0 a 18 anos, pode custar a partir de R$ 170 por mês, com variações de acordo com serviços hospitalares complementares. O preço médio de um plano para uma pessoa na casa dos 30 anos, por exemplo, fica em torno de R$ 315, com acesso a 20 hospitais credenciados na Grande São Paulo. 

‘Semi fusão’

Publicidade

Agora, o Dr.Consulta assume 27,5% da participação da cuidar.me — operação que não teve valor revelado — e deve se tornar ainda mais presente na mesa de acionistas. Ao longo dos próximos meses, a startup candidata a ‘unicórnio’ (startups com avaliação de US$ 1 bilhão) ainda tem a possibilidade de comprar o restante da participação da cuidar.me e assumir o controle completo da empresa, caso o negócio seja aprovado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). 

“A cuidar.me está em um setor super regulado e a gente precisa fazer os movimentos de acordo com o órgão regulador. A gente tem no acordo uma previsão de, em até 18 meses, comprarmos o controle da cuidar.me. Esse movimento vai trazer os fundadores da startup para dentro da estrutura de acionistas do Dr.Consulta e nos tornarmos uma empresa única”, explica Velloso.

Ainda assim, Gimenes afirma que a cuidar.me vai continuar oferecendo seus serviços de forma paralela à operação com o Dr.Consulta. A intenção é manter a diversificação de produtos e clientes para continuar crescendo em um mercado que arrecadou cerca de 423% a mais em investimentos do que no ano passado, segundo a empresa de inovação Sling Hub — foram US$ 8,3 milhões em 2021. 

“O Dr.Consulta é uma marca forte. Nós entendemos que dava para fazer uma cobertura de alta complexidade. A gente achava que era difícil integrar uma rede de consultas ambulatoriais, gerir esse número de eventos é complexo. Quando a gente começou a pensar no plano hospitalar, a gente conseguiu pensar em formas viáveis de se fazer e deu certo”, explica Gimenes.

PUBLICIDADE

Disputa intensa

Do lado do Dr.Consulta, ter a marca sob seu controle é uma medida que a coloca na concorrência com outras provedoras de planos de saúde. Nos últimos meses, o segmento tem ganhado destaque com aportes milionários em healthtechs que trabalham com a diversificação do serviço de saúde. 

A Sami, por exemplo, levantou uma extensão de seu aporte do tipo Série A no valor de R$ 111 milhões na última semana. A Alice, outra healthtech focada em planos de saúde, comprou a Cuidas, que oferece consultas com médicos da família e enfermeiros para funcionários de empresas — e é uma das brasileiras mais cotadas para se tornar ‘unicórnio’ no ano que vem. 

Publicidade

Tudo isso passa pelo olhar do Dr.Consulta que faz planos para, depois de se consolidar no atendimento ambulatorial, colocar também os pés no setor de serviços emergenciais. A nova fase, inclusive, pode passar por uma mudança radical na empresa, com possíveis mudanças de nome e de marca da startup. 

Diante do novo negócio, o plano das duas empresas para 2022 é consolidar o produto. Por enquanto, os serviços devem ficar restritos à região da grande São Paulo, onde a cuidar.me atende. A fatia a ser conquistada em São Paulo, porém, é um fator que coloca a expectativa em alta quando o assunto é recuperar o tempo nos negócios de plano de saúde — e estar saudável para alcançar as concorrentes. 

“Temos planos para o futuro de replicar fora de São Paulo aquilo que a gente conseguiu construir na região metropolitana. Foi talvez uma das mais difíceis de chegar, porque a competição é grande, mas a gente conseguiu passar por esses anos, mas São Paulo é um mar de oportunidades. Obviamente a expansão está mais próxima, agora com a cuidar.me, mas não temos data”, afirma Velloso. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.