PUBLICIDADE

Empresas utilizam inteligência artificial para prevenir incêndios florestais de larga escala

Com incêndios tornando-se maiores e mais intensos, bombeiros, serviços públicos e empresas recorrem à tecnologia para tentarem se antecipar às chamas

Foto do author Redação
Por Redação

Incêndios florestais alimentados pelas alterações climáticas devastaram comunidades desde Maui até ao Mediterrâneo nos últimos meses, matando muitas pessoas, esgotando os bombeiros e alimentando a procura de novas soluções. Incluindo na inteligência artificial.

PUBLICIDADE

Bombeiros e startups estão usando câmeras habilitadas para inteligência artificial para escanear o horizonte em busca de sinais de fumaça. Uma empresa alemã está construindo uma constelação de satélites para detectar incêndios no espaço. E a Microsoft está usando modelos de IA para prever onde o próximo incêndio poderá ocorrer.

Com os incêndios florestais tornando-se maiores e mais intensos à medida que o mundo aquece, os bombeiros, os serviços públicos e os governos estão lutando para se anteciparem às chamas, recorrendo à mais recente tecnologia de IA. Embora os socorristas cada vez mais sobrecarregados esperem que a IA lhes ofereça uma vantagem, ainda são necessários humanos para verificar se a tecnologia é precisa.

A principal agência de combate a incêndios da Califórnia começou neste verão a testar um sistema de IA que procura fumaça em mais de mil imagens de câmeras no topo de montanhas e agora está expandindo-o em todo o estado. O sistema foi projetado para encontrar “anormalidades” e alertar os centros de comando de emergência, onde os funcionários confirmarão se há realmente fumaça ou alguma outra coisa no ar.

A principal agência de combate a incêndios da Califórnia, Cal Fire, começou em julho a testar um sistema de inteligência artificial que procura fumaça em mais de mil câmeras no topo de montanhas. Foto: AP Photo/Gregory Bull

“A beleza disso é que ele aparece imediatamente na tela e os atendentes de chamadas são capazes de obter os dados dessa tela” e determinar se devem enviar uma equipe, disse Phillip SeLegue, chefe de inteligência do Departamento de Silvicultura da Califórnia e Proteção contra fogo.

As câmeras, parte de uma rede que os trabalhadores anteriormente tinham que monitorar, fornecem bilhões de bytes de dados para o sistema de IA digerir. Embora os humanos ainda precisem confirmar qualquer avistamento de fumaça, o sistema ajuda a reduzir a fadiga entre os funcionários que normalmente monitoram várias telas e câmeras, alertando-os para olharem apenas quando houver possibilidade de incêndio ou fumaça, disse SeLegue.

E a tecnologia já ajudou. Um chefe de batalhão recebeu um alerta de fumaça no meio da noite, confirmou-o em seu celular e ligou para um centro de comando em San Diego para enviar socorristas para a área remota. Os despachantes disseram que se não tivessem sido alertados, o incêndio teria sido muito maior porque provavelmente não teria sido notado até a manhã seguinte, disse SeLegue.

Publicidade

A startup Pano AI, de São Francisco, adota uma abordagem semelhante, montando câmeras em torres de celular que procuram fumaça e alertam os clientes, incluindo bombeiros, empresas de serviços públicos e estações de esqui. As câmeras usam aprendizado de máquina de visão computacional, um tipo de IA.

“Eles são treinados especificamente para detectar fumaça ou não, e nós os treinamos com imagens de fumaça e imagens de não fumaça”, disse a CEO Sonia Kastner. As imagens são combinadas com feeds de satélites meteorológicos governamentais que procuram pontos de acesso, juntamente com outras fontes de dados, como publicações em redes sociais.

Funcionários da startup alemã OroraTech mostram tela que apresenta incêndios florestais no Canadá e nos Estados Unidos por meio de satélites em Munique, Alemanha. Foto: AP Photo/Matthias Schrader

A tecnologia contorna um dos principais problemas que existem na forma tradicional de detecção de incêndios florestais – baseando-se em ligações para o 911 de transeuntes que precisam de confirmação dos funcionários antes que as tripulações e os aviões que lançam água possam ser mobilizados.

“Geralmente, apenas uma em cada 20 dessas ligações para o 911 é um incêndio florestal de verdade. Mesmo durante a temporada de incêndios, pode ser uma nuvem, neblina ou um churrasco”, disse Kastner.

PUBLICIDADE

Os sistemas da Pano AI ainda dependem de uma confirmação final, com os gerentes reproduzindo um time lapse da imagem da câmera para garantir que é fumaça subindo.

Para combater incêndios florestais, “a tecnologia está se tornando realmente essencial”, disse Larry Bekkedahl, vice-presidente sênior de fornecimento de energia da Portland General Electric, a maior empresa de serviços públicos do Oregon e cliente da Pano AI.

As empresas de serviços públicos por vezes desempenham um papel no desencadeamento de incêndios florestais, quando as suas linhas de energia são derrubadas pelo vento ou atingidas pela queda de árvores. A concessionária de energia elétrica do Havaí reconheceu que suas linhas de energia iniciaram um incêndio devastador em Maui no mês passado, depois de aparentemente terem sido derrubadas por ventos fortes.

Publicidade

A PGE, que fornece eletricidade para 51 cidades no Oregon, implantou 26 câmeras Pano AI, e Bekkedahl disse que elas ajudaram a acelerar a resposta e a coordenação com os serviços de emergência.

Anteriormente, os bombeiros “corriam por aí procurando coisas e nem sequer sabiam exatamente onde elas estavam”, disse ele. As câmeras ajudam a detectar incêndios com mais rapidez e a colocar as equipes no local com mais rapidez, reduzindo em até duas horas o tempo de resposta. “Isso é significativo em termos da rapidez com que o fogo pode se espalhar e crescer”, disse Bekkedahl.

Usar a IA para detectar fumaça de incêndios “é relativamente fácil”, disse Juan Lavista Ferres, cientista-chefe de dados da Microsoft. “O que não é fácil é ter câmeras suficientes que cubram lugares suficientes”, disse ele, apontando para áreas vastas e remotas no norte do Canadá que pegaram fogo este ano.

A equipe de Ferres na Microsoft tem desenvolvido modelos de IA para prever onde os incêndios provavelmente começarão. Eles alimentaram o modelo com mapas de áreas que queimaram anteriormente, juntamente com dados climáticos e geoespaciais.

A tecnologia contorna um dos principais problemas que existem na forma tradicional de detecção de incêndios – baseando-se em ligações para o 911, que precisam de confirmação dos funcionários antes de enviar o resgate. Foto: AP Photo/Gregory Bull

O sistema tem suas limitações – ele não pode prever eventos aleatórios como a queda de um raio. Mas pode analisar dados históricos meteorológicos e climáticos para identificar padrões, como áreas que são tipicamente mais secas. Até mesmo uma estrada, que indica a presença de pessoas nas proximidades, é um fator de risco, disse Ferres.

“Não vai ficar tudo perfeitamente certo”, disse ele. “Mas o que ele pode fazer é construir um mapa de probabilidade (baseado) no que aconteceu no passado.” A tecnologia, que a Microsoft planeja oferecer como uma ferramenta de código aberto, pode ajudar os socorristas que tentam descobrir onde concentrar seus recursos limitados, disse Ferres.

Outra empresa está olhando para os céus em busca de uma solução. A startup alemã OroraTech analisa imagens de satélite com inteligência artificial. Aproveitando os avanços na tecnologia de câmeras, satélites e IA, a OroraTech lançou dois minissatélites do tamanho de uma caixa de sapatos em órbita baixa, cerca de 550 quilômetros acima da superfície da Terra. A empresa sediada em Munique tem ambições de enviar mais oito no próximo ano e, eventualmente, colocar 100 no espaço.

Publicidade

Enquanto os incêndios florestais assolavam o centro do Chile este ano, a OroraTech disse que fornecia imagens térmicas à noite, quando os drones aéreos são usados com menos frequência. Semanas depois de a OroraTech lançar seu segundo satélite, ela detectou um incêndio perto da comunidade de Keg River, no norte de Alberta, onde as chamas queimaram repetidamente trechos remotos da floresta boreal neste verão.

“Existem algoritmos no satélite, muito eficientes para detectar incêndios ainda mais rápido”, disse o CEO Thomas Gruebler.

A IA também leva em consideração os níveis de vegetação e umidade para identificar surtos que podem gerar megaincêndios devastadores. A tecnologia poderia ajudar agências de combate a incêndios com pouca capacidade a direcionar recursos para incêndios com potencial de causar maiores danos.

“Como sabemos exatamente onde estão os incêndios, podemos ver como eles se propagarão”, disse Gruebler. “Então, qual incêndio será o grande incêndio em um dia e qual irá parar por conta própria.”/Associated Press.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.