PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Inovação e tecnologia no mundo das startups

O segredo do Tetris para se manter relevante há 30 anos

PUBLICIDADE

Por Ligia Aguilhar
Atualização:


O viciante jogo Tetris completa 30 anos nesta sexta-feira, 6. Criado em 1984 pelo pesquisador de inteligência artificial Alexey Pajitnov, da Academia Soviética de Ciências, o jogo foi desenvolvido para avaliar a qualidade de um hardware, mas acabou se tornando um dos mais clássicos da história dos games.

PUBLICIDADE

::: Siga o Start no Twitter: @StartEstadao:::

Em uma era em que o mercado de aplicativos despontou como filão para desenvolvedores de games, mas tão poucos conseguem sobreviver e lucrar, é de se surpreender que um game tenha se mantido por tantos anos e ainda continuar relevante mesmo sendo tão simples.

É justamente na simplicidade que parece estar o maior trunfo de Tetris. A começar pelo fato de que apesar de relativamente fácil, um jogo de Tetris não é igual a outro e o game desafia o jogador a fazer tomadas de decisão o tempo todo. Não há como decorar um roteiro para ser bem-sucedido em Tetris. E isso torna o game viciante.

Outro ponto interessante é que o game evoluiu e muito ao longo dos anos ganhando diversas versões (como mostrou o repórter Bruno Capelas no blog Que Mario?).  Enquanto o modo de jogar (com mais ou menos botões) e as plataformas mudaram, a essência do Tetris nunca foi quebrada. Há 30 anos o objetivo é o mesmo: eliminar linhas organizando formas geométricas ordenadamente.

Publicidade

Em uma boa entrevista ao site Re/Code,o criador do game,Pajitnov, e o responsável por levar o Tetris ao Game Boy. Henk Rogers, falaram sobre essa questão. Para eles, à despeito de toda evolução tecnológica, as pessoas estão interessadas em coisas simples e fáceis no fim do dia. É por isso que o Tetris conseguiu sobreviver na era do Candy Crush.

É possível entender como isso funciona na prática quando Rogers explica sua relação com a EA e com a Ubisoft, detentoras delicenças do Tetris. "Algumas vezes eles chegam na gente com uma ideia e nós dizemos: 'Claro. Desde que não danifique a nossa marca'. E algumas vezes em algo como a versão touchscreen nós absorvemos a ideia e tentamos ajudá-los",afirmou.

Manter a essência não quer dizer, no entanto, tornar o jogo um clássico, segundo Rogers. "Nossa intenção é tornar o Tetris um jogo moderno, como basquete ou futebol", diz. Jogos atuais como Candy Crush Saga não servem como inspiração para ele. "Há coisas suficientes no mundo real nas quais se inspirar. OTetris é inspirado principalmente em matemática, puzzles e esse tipo de coisa", diz.

A versão mais popular do jogo é para dispositivos móveis, com mais de 425 milhões de downloads pagos. Os criadores estimam que para console foram vendidos cerca de 60 milhões, enquanto para Game Boy foram 35 milhões.

Roger e Pajitnov admitem, porém, que são afetados pela falta de usuários pagantes para jogos de dispositivos móveis e criticaram o crescimento do modelo freemium (download grátis e algumas funções pagas). “Se todo mundo tem prazer com um game, todo mundo deveria contribuir para a criação do próximo game”, diz Rogers. “Especialmente do ponto de vista do design, nós estamos hoje em uma posição em que em vez de oferecer o melhor que podemos para as pessoas, estamos pedindo a elas para pagar por algo nos nossos jogos”, diz Pakitnov.

Publicidade

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.