PUBLICIDADE

www completa dez anos e movimenta o mundo

Por Agencia Estado
Atualização:

Com apenas dez anos de criação, a rede mundial de computadores, ou www, se consolida como o grande veículo de comunicação entre pessoas de todo o mundo. E vai além da simples comunicação. Atualmente, é um dos grandes instrumentos para a realização de negócios. No Brasil, onde o número de internautas supera os 11 milhões e a penetração da WEB nas regiões metropolitanas já chega a 20%, os negócios pela Internet movimentam mais de US$ 1 bilhão. E as estimativas são de que esse mercado chegue a US$ 3 bilhões em menos de dois anos. Apesar de os números brasileiros ainda serem tímidos em comparação com os Estados Unidos e países da Europa, o País está inserindo-se cada vez mais no contexto global. Nesta semana, por exemplo, a Câmara dos Deputados analisa um projeto considerado essencial para o desenvolvimento dos negócios online, a regulamentação da Certificação Digital. Além deste projeto, cujo texto final é do deputado Júlio Semeghini (PSDB-SP), a Câmara deverá designar um relator para a Medida Provisória 2.200 que editou sobre o mesmo assunto. Apesar da briga política criada em torno do tema, entre representantes dos poderes Executivo e Legislativo, o setor caminha para a regulamentação e, de acordo com empresários envolvidos no assunto, isso será muito importante para o crescimento deste setor. Caso o País consiga regular, em breve, a certificação digital, fundamental para a segurança e confiabilidade das transações online, as estimativas sobre o volume que este setor deverá movimentar no País, dentro de dois anos, podem chegar a US$ 8 bilhões. Mesmo com a falta de regulamentação, alguns setores brasileiros são líderes em realizar suas operações pela WEB. Um dos exemplos reconhecidos até mesmo no exterior é o setor bancário. Atualmente, 70% das operações dos bancos instalados no País são realizadas de maneira online. O Imposto de Renda é também um outro exemplo reconhecido em outros países. Este ano, por exemplo, mais de 90% das declarações de IR foram enviadas à Receita Federal pela Internet. Defesa O precursor dessa imensa rede de comunicação foi um projeto da agência Advanced Research Projects Agency (ARPA), em 1970, responsável por interconectar os diversos centros de computação do Departamento de Defesa Americano. Essa mesma agência foi responsável pela primeira rede americana de computadores (ARPAnet), interligando quatro universidades por uma rede de comutação de dados sem um servidor central. O acesso era restrito, porém, às instituições de pesquisa ligadas ao governo e a área militar. Depois dos estudos desenvolvidos pela ARPA, o maior avanço no setor ocorreu no início da década de 90 quando o pesquisador britânico Tim Berners-Lee criou a World Wide Web (WWW) no laboratório suíço CERN (Laboratório Europeu de Estudo de Partículas Físicas). Lee concebeu a WEB como uma linguagem que poderia interligar os computadores do CERN a outras instituições e exibir documentos científicos de forma simples e fácil. Ou seja, um meio de comunicação e troca de idéias entre a comunidade de pesquisadores em Física. O WWW foi anunciado ao mundo em 1991. Mas foi em 1993 que o acesso à Internet foi popularizado, com a criação do Mosaic, uma interface amigável para a comunicação. Através dela, o usuário começou a contar com um programa de visualização que permitiu a apresentação de imagens, textos e gráficos como as de uma página de revista. Com isso, a Internet deixava o meio acadêmico para se popularizar e se transformar em uma rede de negócios lucrativos. Depois do lançamento do Mosaic, um de seus criadores, Marc Andreessen, participou da fundação da Netscape Communications Corporation. Atualmente, o visualizador (browser) Netscape, ao lado do Explorer, é um dos navegadores mais utilizados em todo o mundo. E as inovações neste campo continuam aparecendo. Nesta fase, com a explosão dos negócios pela WEB, as empresas passaram a desenvolver softwares destinados a otimizar os negócios das empresas e a criar ambientes que facilitam os negócios virtuais. Leia no Diário do Passado: "Pesquisador inglês cria a rede WorldWideWeb (WWW)"

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.