Carro explode e motorista fica ferida em Perdizes

Uma motorista perdeu o controle do carro, arrancou um poste e foi resgatada pouco antes de o veículo explodir na Avenida Doutor Arnaldo, na região de Perdizes, zona oeste da capital paulista, na madrugada deste sábado, 21. A condutora, ainda não identificada, sofreu uma fratura exposta no joelho.

Estadão Conteúdo

21 de março de 2015 | 12h12

O acidente aconteceu na altura do túnel de acesso à Avenida Heitor Penteado, por volta das 3 horas. Segundo testemunhas, a motorista dirigia em alta velocidade e causou o acidente sozinha. Completamente carbonizado, o carro, um Mitsubishi, ficou irreconhecível.

O morador de rua Rodrigo Aparecido Junqueira foi o primeiro a ajudar a vítima. Ele dormia próximo à Estação Sumaré, do Metrô, onde aconteceu a batida, e percebeu que o veículo começou a pegar fogo. Com a ajuda de amigos, Junqueira fez sinal para que os carros que passavam parassem. Ele pedia extintores para apagar o incêndio no automóvel.

Pouco depois, um ônibus parou para auxiliar no resgate. O motorista Adílson dos Santos Raimundo pediu que sua última passageira esperasse. Com o extintor, o motorista tentou conter as chamas. Sem conseguir apagar o fogo, ele usou o artefato para quebrar a janela do veículo e resgatar a acidentada.

"Não foi só eu, várias pessoa ajudaram, e os carros começaram a parar quando perceberam a gravidade do acidente", afirmou Raimundo. A motorista teve fratura exposta e ficou em estado de choque, mas segundo oficiais do Corpo de Bombeiros que faziam o resgate, ela estava bem, dada a velocidade na hora do impacto.

Raimundo diz que quando chegou, o carro já estava tomado pelo fogo, e que ele imaginou que a mulher tivesse queimaduras graves. A motorista, entretanto, foi salva sem maiores ferimentos por causa da ajuda dele e das demais pessoas. Quem passava por lá se assustava com os restos do jipe e parabenizava o motorista do ônibus pela bravura.

Tudo o que sabemos sobre:
acidentePerdizescarroexplosão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.